sábado, março 14, 2009

O futebol é uma usina
de produzir bobagens


Não dá para aceitar sem um ar de lamentação, no mínimo, o fato de o treinador da Seleção Brasileira de Futebol afirmar que o volante são-paulino Hernanes para ele é meia. Ou é birra ou é a prova de que alguma coisa está fora da ordem.

Parece incrível que uma declaração como a do ótimo volante (viu, Dunga?) cruzeirense Ramires de que para chegar à Seleção Braisileira ele teria de sair do País passe praticamente batida e não tenha a devida repercussão na imprensa e no próprio meio futebolístico.

Não se pode confundir criador com criatura numa análise isenta. Infelizmente, muita gente que não morre de amores por Wanderley Luxemburgo transfere esse sentimento para os times que ele dirige. O que não tem cabimento.

Só pode ser bairrismo o fato de o Sport Recife cumprir uma campanha histórica, ter um dos melhores times do Brasil e não conseguir espaço condizente na mídia do Sul Maravilha.

Muricy Ramalho é o melhor treinador do futebol brasileiro em atividade. Mas não precisa ficar dizendo a toda hora que só ele entende de futebol, que só o seu time trabalha etc etc.

Não acho que Celso Roth seja um treinador brilhante. Mas está longe de ser uma porcaria. Taí outro caso de rotulação explícita. Minha única dúvida é saber por que, historicamente, até hoje, seus times sempre começam bem e depois caem de rendimento. Será que os times é que enganavam ou o trabalho do Celso que não se sustenta?

9 comentários:

Danilo Albergaria disse...

Inúmeros outros exemplos disso que você escreveu podem ser lembrados sem muito esforço. Lembro-me das muitas injustiças midiáticas contra a Ponte Preta. Quase nenhuma atenção é dada à Macaca mesmo quando faz campanhas parcialmente excelentes. Exemplos: brasileirão de 99, Copa JH de 2000, brasileirão de 2001, 2004 e 2005 (em boa parte desses campeonatos, a Ponte chegou a ficar algumas, senão várias, rodadas na liderança).

No ano passado, o Fantástico mostrou gols de partidas inexpressivas de outros campeonatos estaduais mas nada daquele ótimo dérbi (o 4 a 2 pra Ponte no Majestoso que eu sei que você comentou).

A injustiça com o Sport, este ano, vai na mesma batida. Pra não dizer da famosa edição de áudio, em que a torcida do time grande visitante se sobrepõe à da torcida da casa com facilidade. Acontece direto com a Ponte, com o Guarani, com o Sport...

Letícia disse...

O Dunga é um caso sem explicação.
Como um cara que nunca treinou uma equipe na vida estreia na Seleção Brasileira?! Não é na inglesa, espanhola ou francesa não. É na Brasileira, aquela que é penta campeã mundial.

Germano Sport club do recife disse...

Finalmente algum outro comentarista além de Lédio carmona deu o devido valor ao time do Sport Club Do Recife!

Vamo vamo meu leão, contra tudo e contra todos!!!!!!

Marcelo disse...

Excelente comentário.
O problema não é que o futebol seja uma fábrica de bobagens, mas os interesses que o movem vão muito além da nossa vã filosofia, por isso não encontramos lógica nestes fatos.

kpazdiver disse...

Noriega,
Aproveito seu comentário, diga-se passagem de extrema lucidez, para aproveitar e pedir-lhe que aproveite os espaços que ocupa na "imprensa do sul maravilha" para colocar em pratica esta sua percepção. Utilize-se também do microfone para externar essa percepção.
Parabéns pelas observações!
Kleber Paz

Nori disse...

Kpazdiver, já falei várias vezes sobre o grande momento do SporT e certamente falarei de novo. Abs.

Rômulo disse...

O Dunga vê o Hernanes dentro da limitação dele como leitor do futebol. Percebo que, para o Dunga, existe o 'cabeça-de-área' que marca e o 'meia-atacante' que ataca. Na sua tacanhice, não percebe que há gente que marca E ataca com eficiência. Ruim para nós...

Anônimo disse...

Gostaria de protestar porque a imprensa pernambucana não abre o mínimo espaço para os clube aqui do Sul. Outro protesto: a imprensa gaúcha só fala dos times do Rio Gde do Sul, e muito pouco dos cariocas e paulistas.

Anônimo disse...

Caro Nori,

Penso que alguns jornalistas e outras pessoas que trabalham no futebol, preferem à polemica que uma análise mais real de alguns fatos esportivos. Você, pertence ao time de jornalistas que levam o futebol mais a sério, com analises fundamentadas e ponderadas, que preferem valorizar, por exemplo, o trabalho de um técnico a médio ou longo prazo. Outros jornalistas já preferem a polemica, o escandalo, etc... Com todo respeito, me permita discordar do título. Não acho que o futebol seja uma usina de produzir bobagens, mas sim algumas pessoas (não só jornalistas) que trabalham com o futebol é que são mestres em produzir essas bobagens.
Abraço

André Antunes
São Paulo