sábado, março 21, 2009









Emoção indescritível:


um livro na prateleira





Compartilho com vocês essa grande emoção que é passar por uma livraria e ver um livro seu na prateleira. Fruto de seu trabalho, de sua dedicação, do apoio de sua família, da mulher, dos filhos, dos amigos.



Progressivamente, Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro chegará às livrarias de todos o País e, espero, a muitas mãos e olhos. Repito: o livro é uma visão pessoal de um comentarista de esportes, no caso futebol. A lista é particular. Cada um tem a sua. Existem dezenas de grandes técnicos na história do futebol brasileiro. O que interessa, no caso, é contar a história de alguns deles e explicar porque são importantes.


Recebi algumas mensagens bacanas e outras de pessoas que não entenderam esse propósito. Uma delas diz que a lista é "paulista demais". Comentários como esse soam meio fora do tempo, de uma época em que havia bairrismo. O futebol é brasileiro, mais do que paulista, carioca, gaúcho. Na lista há técnicos gaúchos, cariocas, paulistas, um mineiro, um húngaro que mudou a nossa maneira de jogar bola. E para mim o maior de todos é alagoano e fez carreira no Rio: Mário Jorge Lobo Zagallo.





A mensagem mais legal de ler foi no espetacular blog do amigo Lédio Carmona . O internauta escreve assim: mas eu não sei quem é o Bela Gutman. Pois espero que ele compre o livro e conheça essa história e a de muitos outros.

14 comentários:

Fernando Pereira disse...

Noriega, a lista é de fato paulista demais. Não se trata do estado de nascimento dos nomeados, como você justificou num post abaixo. Na lista há técnicos de competência (como TÉCNICO e estrategista) muito discutível, além de só terem feito trabalhos "destacados" no estado de São Paulo. Numa lista menos provinciana, com certeza, apareceria os nomes do Flávio Costa e/ou Tim e/ou do Zezé Moreira, por exemplo. O que fez o Feola de destaque no futebol "BRASILEIRO"? Campeão do mundo? O Parreira também foi e com um time incomparavelmente inferior ao do Feola. E no time campeão ficou evidente o dedo do técnico.

E o Osvaldo Brandão,um técnico acima de tudo motivador. O fundador da escola do "vamulaquedá".

Pelo visto, faltou incluir os técnicos vitoriosos e campeões pelos esquadrões do Tucuruví FC e o da EC Vila Guilherme.

carlos disse...

ZAGAGALLO MELHOR QUE O TELE SANTANA????????
FICAR MARCADO POR GANHAR É UMA COISA....MAS SER LEMBRADO POR PERDER É COMPLETAMENTE DIFERENTE. O LEGADO É MAIOR
NAO QUERO POLEMIZAR MAS NAS COPAS EM QUE O ZAGAGALLO FOI TECNICO O BRASIL NAO GANHOU NADA(1974 E 1998)
EM 1970 PEGOU UM TIME PRONTINHO DO JOAO SALDANHA NA QUAL QUALQUER UM SERIA CAMPEAO COM AQUELE TIME

Nori disse...

Fernando, não se deixe levar pelo bairrismo. Leia o perfil do Feola e a entrevista do Djalma Santos e você entenderá. E os jogadores que atuaram com o Zagallo pensam bem diferente de você. Aliás, o time dele acabou sendo diferente do do Saldanha. Todos que eu listei são, para mim, 11 grandes técnicos. Zagallo é reverenciado em todo o mundo e somente em um País como o Brasil ele seria citado como perdedor como você o cita. Se fora assim, Telê seria o quê, já que perdeu duas Copas seguidas? Eu não vejo só a conquista. Telê foi espetacular. Asssim foram Tim, Solich, Castilho, Martim Francisco, tantos outros.
Brandão até hoje é chamado de Mestre na Argentina e no Uruguai e, pelo que sei, esses países não ficam em São Paulo. Luxemburgo ganhou a tríplice coroa pelo Cruzeiro.
Enfim, espero que você leia, o que para mim será uma honra, e reverencie o trabalho dos perfilados. E sua lista eu respeito muito também.
Abs

Nori disse...

Ah, Fernando, quase ia me esquecendo. Zagallo só trabalhou na Portuguesa em São Paulo e não ganhou nada. Ênio Andrade nunca foi campeão em São Paulo. Mas foi pelo Coritiba, que, ao que me consta, também não é de São Paulo. Rubens Minelli é paulista mas revolucionou o futebol num time do Rio Grande do Sul. Ou seja, falar em bairrismo é mais coisa da sua cabeça.
E os entrevistados no livro desmentem muitas teses como a sua de que fulano era só motivador, que Feola só ganhou porque o time era fantástico etc.
Mas teses são teses. O Romário não diz que técnico bom é o que atrapalha pouco.
Abs.

Fernando Pereira disse...

Noriega, não fiz comentário sobre o Zagalo. E você me chamar de barrista soa bizarro. Logo você, apontado por muitos que conheço como o comentarista, muito competente pr sinal, mais extremamente. Um dos mais barristas da mída esportiva.

Nori disse...

Fernando, assim como vc tem o direito de achar isso, eu também posso considerar seu comentário sobre o livro bairrista. Afinal, vc reclama de que tem paulista demais na lista, cita localidades paulistas em tom de desprezo. Isso sim é bizarro. Eu não falo de estados, falo de futebol brasileiro. Eu jamais falaria isso do Rio ou de parte alguma, inclusive porque adoro o Rio, seu povo e acho o Campeonato Carioca muito mais charmoso e interessante que o Paulista. E já falei isso no ar muitas vezes.
Se vc me der a honra de ler o livro vai perceber que tem algo muito maior que regionalismos: o fuebol brasileiro. E vc lembrará, já que vejo que é bem informado, que Brandão, um gaúcho de sucesso em São Paulo, foi quem levou pela primeira vez para a Seleção Brasileira Zico e Roberto Dinamite, e também Falcão.
Abs

Anônimo disse...

Ola, Nori...
Parabéns pelas referências honrosas ao extraordinário Zagalo, acho muita covardia a forma como ele é massacrado por grande parte da imprensa...
Chegou em 2 finais de Copa do Mundo como técnico (com 24 anos de diferença de uma para a outra)... É acima de tudo um grande brasileiroe merecedor de todo tipo de homenagem...
Valeu.

Joao Salvatori disse...

Na boa, sou paulista mas vai ser bairrista e são paulino lá na China!
Colocar o Muricy "tosco" Ramalho é demais!!!
abs
João Salvatori

Nori disse...

Olá, João! São opiniões. E cada um tem a sua. Abs e acho o Muricy muito bom, independente do time que ele treine.

joao salvatori disse...

OK! Opniões são opiniões! Mas fatos são fatos e conquistas são varias, nem sempre são titulos.
Creio que exista uma diferença entre ser o maior ou ser o melhor.
Melhor? Todos podem ter suas opniões. Maior? Nem sempre.
Quem foi maior Senna ou "Schummy"?
Obvio que não foi o Senna. Quem foi o melhor??? ....
Nem sei direito qual é a sua lista preferida de tecnicos, mas o nome do Muricy chamou-me a atenção.
Maior?? Muitos tecnicos tem mais conquistas que ele.
Melhor?? Ai vale a sua opinião. Mas é muito cedo afirmar que ele possa ser um dos melhores.
Comparar carreiras de tecnicos que tiveram começo, meio e fim com um tecnico que ainda está no meio do caminho e que ainda falta conquistar titlos em outros clubes é bastante arriscado.
Mas já que o livro menciona os "maiores"...
Até dia 27. GOL!GOL!GOL!

abs

Nori disse...

Fernando, vc realmente não falou nada do Zagallo, me desculpe. Mais importante do que ficarmos defendendo argumentos é debater em alto nível. Espero você no lançamento aqui em SP e se não for possível, vc é meu convidado quando for ao Rio, ok?
Abs

Fernando Pereira disse...

Valeu o convite Noriega. Você é gente fina e muito boa. Na verdade, não queria desmerecer o seu trabalho e foi coisa de torcedor carioca mesmo. Fazer lista é de fato muito difícil e não dá para agradar a todos, ainda mais tratando-se de futebol. Mas de qq maneira considero louvável a sua iniciativa, pois fazer uma lista e plubicar em livro é dar a cara a tapa. Parabéns pelo trabalho.
Fernando.

Anônimo disse...

A discussão se “A” foi melhor que “B”, e “B” melhor que “C”, é válida e ajuda a manter viva na memória grandes personalidades do passado. Porém, quando alguém tem a coragem de fazer uma lista dos 5 10, 15 ou 20 melhores, é preciso compreender que aquela é uma opinião do escritor, que tem todo o direito de eleger aqueles que, para ele, são os melhores. Misturar opinião com suposto bairrismo é no mínimo covardia, pois para aquele escritor lançar sua obra, muita pesquisa e suor foram derramados no teclado do computador. É fácil ver uma determinada lista e sair cornetando, difícil é respeitar a opinião do próximo.

André Antunes
São Paulo

EDSON 744 disse...

Todos falam de bairrismo inclusive os que o criticam. Quanta mediocridade.