domingo, fevereiro 08, 2009


DEU MERDA!

Perdoem o título, mas não consegui encontrar outra expressão que representasse o que presenciei neste sábado, em Santo André. O time da casa e o Marília tentavam fazer um jogo pela Primeira Divisão do Campeonato Paulista quando veio a chuva. Torrencial, anormal. Gramado encharcado, jogo paralisado. Até aí, tudo certo.

Mas o que se seguiu foi nojento, repugnante, revoltante. Os vestiários de Santo André e Marília, então, foram invadidos por um mar de esgoto e água barrenta. Os jogadores, profissionais de futebol, tiveram de correr para salvar seus pertences e, para isso, se expuseram ao risco de doenças ao pisar naquele mar de sujeira - havia fezes boiando e ratos nadando.

Funcionários da prefeitura de Santo André informaram aos repórteres do SporTV Marcos Peres e Edgar Alencar que seriam necessárias 48 horas para tirar a água dos vestiários. Se eles sabem que leva todo esse tempo para tirar a água suja, então sabe-se que o vestiário inunda e que, literalmente (de novo me perdoem a expressão), a merda brota.

Aí eu pergunto como é que um estádio nessas condições é aprovado pela Federação Paulista de Futebol em sua vistoria?

Os jogadores de futebol, os verdadeiros donos do espetáculo, ficam ali, expostos à imundície em seu local de trabalho. O torcedor é tratado como gado. Isso na divisão principal do campeonato do estado mais rico do País.

Há estádios no Interior de São Paulo onde chove mais na cabine do que no campo. Outros em que as goteiras são gigantes. Nos corredores de acesso dos torcedores percebem-se infiltrações gigantescas, muitas delas que permitem ver até os ferros por que há por trás do concreto. Os banheiros são imundos em 90% dos casos.

Mas esgoto invadindo vestiário foi a primeira vez que eu vi.

Se os homens da Fifa que estão no País vistoriando cidades candidatas a receber jogos da Copa do Mundo viram tudo que aconteceu ontem, certamente sairão assustados do Brasil.

4 comentários:

Robert Alvarez Fernández disse...

É, deu mesmo, o título é apropriado mesmo com as suas boas maneiras.
Já estamos em 2009, a Copa é em 2014 e não estamos tropeçando em canteiros de obras, cinco anos é pouco tempo pra obras de infra-estrutura, especialmente no Brasil onde tem licitação, recurso de quem perdeu, conchavos, etc....estou bem preocupado.

Abraços,

Robert

João Gonçalves disse...

Eo Coronel Marinho prometeu fiscalização severa....

Carlos Silva disse...

Maurício, o Bruno Daniel foi construído há 40 anos numa região de várzea, e o córrego Guarará passa bem ao lado do estádio. Inundações sempre foram comuns nessa área, como na região do Aricanduva, na Capital. Como os vestiários ficam abaixo do nível do solo, quando o córrego transborda os vestiários são invadidos mesmo. Isso já aconteceu várias vezes (e é incrível que a mídia paulistana não sabia disso... será que o Grande ABC fica em Marte?). Fruto do mau planejamento urbano, que infelizmente acomete a maioria das cidades do nosso país.

Nori disse...

Oi, Carlos. Eu já trabalhei em vários jogos no Bruno José Daniel, já tinha visto a avenida em frente ao estádio inundada, mas nada parecido com o que presenciei no sábado. E os repórteres do SporTV avisaram que os vestiários costumavam ser inundados em dia de chuva, mas será que eles deveriam saber que também seriam inundados por esgoto?
Incrível que em 40 anos de história isso não tenha sido corrigigo pelas diversas administrações que a cidade teve. Como sei que você não acha isso normal, estamos do mesmo lado, o da indignação.
Abs