quarta-feira, maio 06, 2009

Reação do Palmeiras e
a várzea da Conmebol


Depois de ser muito e justamente criticada, a defesa do Palmeiras tomou jeito e ficou dois jogos sem sofrer gol. Essa é a principal explicação para a recuperação da equipe na Libertadores. A vitória sobre o Sport pode parecer magra no placar, mas no conjunto da obra, pensando em termos de 180 minutos, é pra lá de interessante. Se fizer um gol em Pernambuco, o Palmeiras obrigará o Sport a fazer três para se classificar. Coisa que o Sport tem todas as condições de fazer e já provou anteriormente. Vale muito não tomar gol em casa. Na final da Copa do Brasil o Corinthians tomou e deu no que deu ante o Leão da Ilha.

Nada está definido nesse confronto, que tem tudo para ser o mais equilibrado das oitavas na Libertadores. Embora tenha perdido muitas oportunidades e pudesse ter vencido por três gols de diferença, o Palmeiras mostrou que sabe como jogar contra o Sport. Assim como o Sport sabe jogar contra o Palmeiras. A solução fica para os detalhes, esses maravilhosos detalhes.

Ah, a dona Conmebol

Há muito tempo que a Conmebol judia de sua principal competição, a Libertadores. Primeiro com essa coisa covarde e canhestra de evitar uma final entre times do mesmo País. Tudo para evitar uma final, mais uma, entre brasileiros. A CBF não liga para os seus afiliados e aceita isso como um cordeirinho pronto para o sacrifício. Lamentável. Ano passado a Conmebol meteu a mão grande no regulamento e o alterou com a bola rolando. Uma vergonha.

Agora há um problema sério em questão, a gripe suína. Envolve problemas de saúde pública e uma ameaça de pandemia (que parece muito mais ameaça do que qualquer coisa). Mas será que a melhor solução seria uma das aventadas, a de fazer os dois jogos das equipes mexicanas no País dos adversários? É justo com o Chivas, por exemplo, jogar as duas contra o São Paulo no Brasil? O que estaríamos dizendo se fosse o contrário? Se um surto aqui obrigasse o São Paulo a jogar duas vezes no México?

Repito: o caso é complexo e de difícil solução. Ainda há um outro ingrediente, o fato de os times mexicanos não serem da Conmebol e, sim, da Concacaf. A tv mexicana paga alto para ter seus times como convidados na Libertadores. É uma relação mais comercial que esportiva, o que facilita algum tipo de alteração na tabela. Mas o que fala mais alto agora: esporte ou negócio?

As garras do marketing corintiano

Hugh Jackman é hoje o grande astro do cinema. Ronaldo segue sendo a principal marca do futebol. O encontro do craque brasileiro com o ator australiano é a prova de que o Corinthians nadou de braçada em termos de marketing ao contratar o Fenômeno. A imagem corre o mundo hoje, e a marca corintiana se internacionaliza como nunca antes. Golaço!

6 comentários:

Cleber disse...

Aaaah, agora sim eu vi um comentário condizente com o que foi a importância deste placar! Boa, Noriega! Lendo outros comentaristas até parecia que 1 a 0 foi desastroso pro Palmeiras. Pra mim, quem tem que se preocupar agora é muito mais o Sport do que o Palmeiras. Da mesma forma que não é fácil ganhar lá, não é simples ganhar do Palmeiras de hoje, ainda mais por diferença de 2 gols. Agora restam 90 minutos e temos a grande vantagem se fizermos um gol complicar ainda mais a situação do Sport. O Palmeiras jogou muito bem ontem, merecia um placar maior. O que foi aquele penalti não marcado no Keirrison?!
Noriega, vc que é do 'meio', me explique, por favor, a falta de responsabilidade da imprensa em tentar criar clima ruim entre os times. Agora tentaram arrumar coisas em um simples comentário tático do Belluzzo, um cara que tenta acabar com qualquer intriga entre os dois clubes. Eu tenho uma visão de que a imprensa é, em sua maioria, anti-ética e maldosa por essas coisas: tratam de criar climas ruins pra se favorecer com notícias depois, com as consequências destas. O pior são os discursos hipócritas por parte da mesma após essas consequências. Eu não generalizo, mas infelizmente é isso que a maoria deste meio faz e não é só no jornalismo esportivo.

Alcides Drummond (OAV) disse...

Nori. Vi a repercussão espetacular do
lançamento de seu livro em Campinas no site futebolinterior. Parabéns!
Sobre as suas postagens, começo pela última. De fato, o Corinthians está em estado de graça e consegue trazer para sí os olhos e a motivação internacionais em todos os níveis.
Só falta o time responder porque futebolísticamente falando o Timão é um time exclusivamente de prendas domésticas.
No que respeita a Comembol, faço minhas as suas palavras e acrescento. Duas partidas do SPFC no Brasil tiram a isonomia dos clubes na competição e facilitam as coisas para o tricolor. É injusto, embora se deva elogiar a inciativa dos dirigentes do Curitiba em face de tão difícil situação vivenciada por nossos hermanos (verdadeiramente) mexicanos.
Sobre o Palmeiras:
Luxa ajustou o time após haver descido do pedestal e feito justiça a um jogador que ele mesmo injustiçou: Wendel. Wendel, muito longe de ser excepcional, é um jogador eficientíssimo que atua sempre com raça e disposição. Defende bem, marca bem, ataca bem, tem saúde de "touro de exposição" e uma razoável condição técnica,
como ratificou em suas perfomances, ano passado, com a camisa do SFC.
Luxa sabia disso, e todos sabemos, também, que o que pesam na balança são outros interesses. A participação de Luxa no Redação Sportv quando ele desvalorizou visivelmente o atleta, é o atestado evidente desse verdadeiro crime contra o patrimônio palmeirense.
A vitória de ontem, magra, como sempre, atesta a fraqueza ofensiva de um time que corrigiu os erros defensivos e portou-se bem no meio campo. Com Keirrison, o pseudo craque, o Palmeiras não vai chegar a lugar algum a não ser que esse jogador mude de atitude e passe a jogar o futebol dos homens, não o dos meninos. É muita delicadeza para o meu gosto, longe das necessidades reais de um time que almeja títulos de campeão.
Mas 1 x 0 foi um bom resultado. O Palmeiras é um time que, por tradição, dá a impressão que não gosta de fazer gols. É preciso acabar com essa "cultura" de abdicar dos gols e ficar tocando a bola a partir das pequenas vantagens conseguidas. É preciso mais ambição, mais sede de gols...

Marcos Diniz Ribeiro disse...

Noriega,

+ A gripe é suína.

+ Não precisa repetir a todo momento que o Sport é um bom time. A turma de Recife tem de parar de bancar os coitadinhos desprezados do sertão. Um time respeitado se faz de vitórias, como a da Copa do Brasil do ano passado.

Aline Felix disse...

Olá. Noriega.. Aguardo respostas do e-mail ( sobre o trabalho da faculdade) beijos

Anônimo disse...

Noriega, a gripe é do porco, não aviária! Hoje ela mudou de nome (pela OMS) para A(H1N1). Saudações alviverdes!

Fabio.

João Salvatori disse...

Muita onda em cima do Sport. Ele fez o que o Criciuma, o Santo Andre e o Paulista tambem fizeram.Ganham a copa do Brasil e depois desaparecem.
É um São Paulo piorado. Todo mundo na defesa mas sem a mesma eficiencia do contra ataque do São Paulo.

abs