quinta-feira, abril 02, 2009

Marcelo Barreto tem razão:
não tem mais bobo no futebol


Meu amigo Marcelo Barreto (por sinal, cada vez melhor no comando do Redação SporTV) adora dizer essa frase: não tem mais bobo no futebol. Barreto está certo. A rodada deste meio de semana das Eliminatórias para a Copa de 2010 foi um prato cheio para esse talentoso jornalista de Bicas, Minas Gerais.

Que dizer do chocolate boliviano em cima da Argentina de Maradona? Vi pouco do jogo, pois estava comentando Itália x Irlanda, quase simultaneamente. Mas mesmo com Messi e outros grandes jogadores, a Argentina foi triturada por um time fraquinho, fraquinho. Mas que não é bobo. Como quase ninguém. É tão nivelado esse futebol atual, que o time mais forte, se der uma vacilada de dez, quinze minutos, tirar o pé do acelerador e a mente da partida, já não consegue mais se recuperar diante do mais fraco.

A Itália campeã do mundo viveu seu dia de Brasil contra o Equador. Foi sufocada, dominada inapelavelmente pela Irlanda, agora dirigida pelo italiano Giovanni Trappattoni. O que se viu, após a injusta expulsão de Pazzinni, foi uma Itália engolida pela solidez tática da Irlanda, desesperada nos minutos finais para garantir um resultado que acabou escapando, para justiça dos deuses do futebol.

E o Brasil contra o Peru? Confesso que o sono venceu o compromisso. Comecei o dia 1 de abril em Itápolis, passei por Bauru, voei para São Paulo, depois voei para o Rio e voltei para São Paulo. Seria preciso algo mais do que vi no primeiro tempo de Porto Alegre para derrotar o cansaço. Mas não teve jeito. Essa Seleção é sem graça, sem tempero, um time que não consegue mais lotar os estádios pelo País. Enfim, por mais que o Dunga promova bate-bocas com jornalistas, saia por aí destilando sua mágoa eterna contra quem ele bem entender, essa Seleção é, como já escrevi aqui, uma estrangeira residente. Não representa o futebol brasileiro. Representa a Confederação Brasileira de Futebol. Que não são a mesma coisa.

3 comentários:

Fernando Cesarotti disse...

Nori, tenho uma certeza reserva quanto a essa coisa seleção/CBF, acho que tudo seria diferente se simplesmente o técnico convocasse melhor e o time jogasse bola.

O problema é que isso não rola, e eu também fui dormir porque hoje era preto na folhinha, o dia começava cedo e o Brasil/CBF (como queiram) tinha mais uma atuação horrorosa.

Quanto ao Dunga, assistindo ao "Arena" de terça fiquei com a clara impressão de que quem comanda a coisa dentro de campo, na real, é o Jorginho, e o nosso nobre técnico é apenas uma espécie de simbolo, de figura, mais do que propriamente o treinador. Que achas?

Anônimo disse...

Nori,

O que você acha de uma seleção formada apenas por jogadores que jogam no Brasil e ainda buscam seu espaço?
Penso que, pelo menos, encarariam esses jogos com mais respeito. A impressão que a maioria dos "estrageiros" passa, é que vem disputar esse jogos mais preocupados com as festas após a partida do que com o jogo em sí.

André Antunes
São Paulo

LOUBACK disse...

Olá Nori,
Entro pela primeira vez no seu blog, e lendo esse post me deu vontade de deixar um comentário.
Acredito que uma verdade tem de ser dita, o Dunga não tem experiência para comandar a seleção, aliás nem o Jorginho tem. Na minha opinião o Dunga está ali apenas porque não tem essa autoridade de peitar os "donos" da CBF. Nori, vc acha que o Muricy, ou o Luxemburgo deixariam essa infinidade de amistosos fora do Brasil ? "A casa do Brasil" como bem diz o Marcelo Barreto, é o Emirates Stadium. O Brasil só joga aqui pelas eliminatórias.
Infelizmente a CBF se vendeu, desde o episódio em Weggis, agora tem uma empresa gerenciando os amistosos da nossa seleção. Que drama !
Nori, se você puder (e quiser lógico)dá uma passadinha no meu blog também. Sou formado em Ed. Física, fazendo Pós Graduação em Jonalismo Esportivo.
http://duplaesportiva.blogspot.com

Um Abraço