quarta-feira, julho 15, 2009

Clima de paz antes da

final e as revelações do

presidente do Cuzeiro

Teclo essas linhas tomando um café no Aeroporto de Confins, em Minas. A cinco metros da minha mesa há outras duas com sete torcedores do Estudiates, todos paramentados, até com bandeiras. Ao lado deles, em outra mesa, alguns cruzeirenses também uniformizados. Paz total, há respeito e ausência e povocações.

Vez ou outra passa um carro e alguém grita "zerô". O aeroporto está movimentadíssimo, repleto de camisas azuis, um mar interrompido por alguns pontos em vermelho e branco. Assim como a cidade vai sendo tomada de azul. Algumas camisas do Galo reforçam os grupos de argentinos.

Cerca de 3 mil torcedores do Estudiantes vieram a BH. E tiveram uma recepção exemplar. Muitos caminharam pela bela e arborizada cidade com suas camisas, cruzaram com atleticanos e cruzeirenses e nada de briga, apenas a boa e velha gozação de sempre, saudável e divertida. Quisera fosse sempre assim.

Apresentei o Arena SporTV. O zagueiro Gustavo e o presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, participaram. Pintaram algumas boas revelacões. Segundo o dirigente, a folha salarial do Cruzeiro gira em toro deR$ 3 milhões/mês. O que reforça minha convicção de que pagar R$ 600 mil a um técnico é contrasenso.

Perrella também adiantou que deve renovar o contrato de Gustavo, que está contudido e só voltará a jogar no fim do ano, e que pagará o maior prêmio da história do Cruzeiro em caso de conquista do tri da Libertadores. Esperto, só não quis revelar quanto.

2 comentários:

Jesus The Lord disse...

To mal demais

Não tenho forças nem pra digitar, imagina pra falar....


Aquilo tudo doeu demais

Jesus The Lord disse...

Taí senhor Merrela!

"obrigar" o torcedor a fazer o cartão sócio-torcedor... sim, foi o que o perrella fez e está fazendo. É uma forma bem eufemística (se é q existe esse termo, e pra não dizer nefasta) de fazer o torcedor aderir ao projeto....

Taí, milhares de torcedores "modinha" no Mineirão, maioria esmagadora que nunca foi ao Mineirão, não conseguiram cantar, apoiar e dar a força ao time. Parecia mais um público num grande palco teatral.

Valeu Merrella! O torcedor que faz o possível a ir ao estádio sempre q tem grana, dormiu na fila, passou fome, cantou nas filas,e não conseguiu ingresso.

O que se viu foram as ruas com bares lotados, todos cantando insanamente, e o Mineirão elitizado em silêncio..

Agora quero ver, a maioria que aderiu ao projeto foi só pra se aproveitar e ver a final ... quero ver como vao fazer com esse prejuizo, pois a galera toda vai cancelar o cartão.