segunda-feira, maio 19, 2008

CHORO DE DENÍLSON
FOI O GOL DA RODADA


Choro há de todo tipo. Sincero, dolorido, triste, feliz, nervoso, raivoso, forçado, falso. Foi um choro e não um lance, um gol, uma polêmica o que mais chamou a atenção na segunda rodada do ainda morno Brasileirão. Denílson, fama de gozador, fanfarrão, mulherengo, se debulhou em lágrimas na entrevista coletiva após a vitória do Palmeiras sobre o Inter.
Pois estava ali um choro sincero. Denílson estava de coração aberto e fez seu desabafo sem agressões, sem levatar a voz, sem atacar ninguém. Por isso soou sincero e honesto.
Sempre fui contra verdades absolutas e sentenças definitivas. Para tudo na vida. Abomino quem afirma que alguém está acabado, ultrapassado etc. Acho que ninguém tem o direito de fazer tal julgamento. Denílson tem apenas 30 anos. Mesmo se tivesse 40, idade considerada muito avançada para um atleta, não poderia ser chamado de ex-jogador. Quem decide quando encerra a carreira é o atleta, nunca a mídia, o analista, o torcedor.
Denílson sabe que muito do que sofreu foi ele mesmo quem procurou. Mas a reviravolta também foi buscada por ele. Não importa se ele jogará em alto nível, se vai se transformar no craque cuja promessa ainda não se concretizou. O que vale é que Denílson recuperou sua dignidade como trabalhador, como profissional e ser humano. E isso não tem preço.

O BRILHO DAS COPAS

Os adoradores dos pontos corridos que me perdoem mas - lá vou eu de novo - mata-mata é fundamental. Enquanto o Brasileirão não pega no breu, Copa do Brasil e Libertadores estão aí para providenciar a dose indispensável de adrenalina que alimenta o futebol. Na Copa do Brasil, dois confrontos que prometem muito. Sport x Vasco e Botafogo x Corinthians. Muito equilíbrio e muita pegada dos quatro times. Difícil apontar um que desponte tecnicamente. Mas em termos de dedicação, a briga é pra lá de boa.
Na Libertadores, Fluminense e Santos têm missões complicadas pela frente, mas longe de serem impossíveis. Principalmente a do Fluminense. O Santos precisa de mais um jogo épico, como foi aquele diante do Cúcuta, na primeira fase. Só sei que por enquanto os meios de semana estão goleando os finais de semana no futebol.

BOA, ABELÃO!!!

Abel Braga não é de brincadeira. Nos tempos de Ponte Preta, chegou pagar comida do próprio bolso para os jogadores. Agora, no Inter, deu outro exemplo ao condenar publicamente a atitude de Edinho, que entrou forte em Valdívia e foi expulso, atrapalhando a vida do time gaúcho. Melhor do que gritar e espernear contra a arbitragem, é chamar a atenção de jogador que perde a cabeça gratuitamente e prejudica o trabalho do grupo e o espetáculo.

Um comentário:

Joao Luis Amaral disse...

Fala, Nori!
Particularmente, gosto DOS DOIS modelos de competição. São completamente diferentes, premiam times com estratégias únicas e que, se não vão bem num campeonato de regularidade, podem ser imbatíveis no mata-mata.
Claro, concordo que o Brasileirão demora a esquentar, fica um tempão em banho-maria, pode acabar antes do REAL final, mas acaba sendo mais "honesto" com aquele time mais consistente durante a competição. Já a Copa do Brasil está mais para uma final a cada fase, o que é emocionante.
Raridade é ver um time como o SPFC, que vai bem nas duas modalidades...
Grande abraço,
Joao Luis Amaral.