segunda-feira, maio 12, 2008


BRASILEIRÃO: AINDA É CEDO


É o que diria o saudoso Renato Russo se fosse convidado a comentar a primeira rodada do Brasileirão. Não serve como parâmetro para coisa alguma, embora contabilize pontos importantes. Sempre trabalho com o número de dez rodadas para, depois desses 200 jogos podermos ter uma idéia de qual será a cara desse Brasileirão.
Por quê dez jogos? É porque entendo que nesse período cada clube já terá jogado algumas vezes em casa, fora e feito algum clássico, o que dá para se fazer uma análise do potencial de cada um.
Também já estarão resolvidas as situações dos times envolvidos na Copa do Brasil e na Libertadores, e algumas transferências estarão concretizadas.
Por dever de ofício, acompanhei apenas jogos envolvendo as equipes paulistas nesse primeiro final de semana.
Sábado, trabalhei em São Paulo x Grêmio. Jogo tecnicamente fraco. A disposição tática do Grêmio fez a diferença. O Tricolor gaúcho marcou forte, foi mais atento e mereceu o resultado. O Tricolor paulista abriu mão de seu principal jogador, Adriano, e ainda segurou Hernanes no banco e não pôde contar com Jorge Wagner. Esse trio responde pelos melhores momentos do time na atualidade e foi quase todo inteligentemente preservado para o duelo com outro Tricolor, o carioca, pela Libertadores. Desfalques que enfraqueceram o time de Muricy Ramalho. Mas o que deveria deixar os são-paulinos mais preocupados é a situação quase de dependência do time pela jogada de bola levantada na área do adversário. O São Paulo é um time praticamente viciado nisso. Sem contar com Adriano, Muricy transformou o zagueiro Alex Silva em centroavante em boa parte do segundo tempo. A equipe pode render mais, pode buscar outros caminhos, mas nao está buscando. O Grêmio vive essa dúvida quanto ao trabalho de Celso Roth. Que se defendeu ainda no vestiário do Morumbi contra os rótulos que lhe foram aplicados. É péssimo rotular qualquer profissional, mas a carreira de Roth é que levanta algumas dúvidas. Por que seus times, geralmente, largam bem e não sustentam o ritmo? Talvez o Grêmio tenha essa dúvida também.
No Paraná, o duelo de campeões estaduais foi melhor para o Coritiba. Méritos para a aplicação do time e para o bom treinador Dorival Júnior, dos melhores da nova geração. Belo retorno do Coxa à Série A. O Palmeiras foi mal e mostrou um detalhe que parece recorrente: os atacantes têm grande dificuldade quando sofrem marcações mais fortes, falta movimentação. O aspecto negativo foi a arbitragem, que permitiu a pancadaria de ambos os times.
O Santos também fez o certo ao priorizar a Libertadores. Pagou um preço que pode ser considerado justo por ter escalado um time reserva e cheio de garotos contra o Flamengo. Sofreu gols em erros do próprio time, que só reforçaram a superioridade do time principal rubro-negro contra o time B santisa.
A Portuguesa protagonizou o primeiro grande jogo do torneio, um sensacional 5 a 5 com o Figueirense. Pelo que vi dos melhores momentos, foi realmente um grande jogo. Parece fácil dizer que a Lusa deixou escapar a vitória só porque vencia por 5 a 2. Mas por que não reconhecer o empenho do Figueira, que foi à luta, valente, e conseguiu o empate? Prefiro ver dessa maneira.
De qualquer modo, foi dada a largada e vamos aguardar a sequência de jogos. Já disse várias vezes e reitero: prefiro campeonatos que tenham o mata-mata, os jogos eliminatórios. Mas sou daquele tipo que, pra falar bem de alguma coisa não precisa falar mal de outra. Também vejo pontos positivos no sistema de turno e returno com somatória geral de pontuação. Assim como no mata-mata, é fundamental ser consistente jogando em casa. Quem tiver bom aproveitamento como mandante vai puxar a fila. E quem, além disso, for competente para roubar alguns pontinhos fora de casa, fatalmente disputará o título.

A EPOPÉIA CORINTIANA

Começou a aventura corintiana pela Série B. Com vitória, o que é mais importante. Além dos três pontos, o Corinthians tem a festejar o fato de que conseguiu recuperar a confiança de sua incrível torcida. O rebaixamento tem esse viés. No início, revolta, desonra. Depois, o torcedor percebe que o principal, seu time do coração, continua ali, vivo. Cria-se, então, um sentimento de solidariedade, como se um irmão estivesse passando por um problema sério e precisasse de ajuda. Foi assim com Palmeiras, Grêmio, Botafogo, Coritiba e será com o Corinthians. Haverá momentos difícieis, porque o time é a atração, é o adversário famoso a ser derrotado. Mas dentro da normalidade, o Timão retorna à Série A antes de o campeonato terminar.

FRASE DO DIA

Essa é do amigo Rodrigo Borges, sempre esperto, com grandes sacadas. Reproduzo aqui:

"É bem legal ver time grande na Série B. Desde que não seja o meu!"

COLINA SAGRADA

Recebi uma mensagem do amigo Daniel, me cobrando por não escrever muito sobre o glorioso Clube de Regatas Vasco da Gama. É apenas coincidência, Daniel. Tenho profundo respeito pelo Vasco, por sua história de realizações e pioneirismo em momentos históricos do nosso futebol. Jamais confundirei o Vasco, essa centenária instituição brasileira, com quem o dirige momentaneamente. O Vasco está acima de tudo isso.
A primeira final de Brasileiro em que trabalhei foi a de 1989, São Paulo x Vasco, no Morumbi. Cobri o Vasco, que foi campeão, com aquele gol do Sorato. Impressionantes a qualidade do time e a presença da torcida vascaína no Morumbi. Também me lembro do Zé do Carmo, hoje um amigo e colega, puxando o coro de "casaca" no vestiário.
Em 1997, acompanhei a final do Brasileirão, Vasco e Palmeiras. Trabalhei no primeiro zero a zero, no Morumbi, e vi o segundo em Florianópolis. Para quem não faz idéia da força nacional da torcida do Vasco, assim que acabou o jogo, houve uma impressionante carreata de vascaínos tomando as ruas de Floripa. Um desavisado pensaria que estava no Rio.
O que incomoda qualquer admirador do futebol brasileiro é ver um gigante como o Vasco adormecido. Sem disputar títulos, pensando pequeno, preso a um modelo de gestão com o qual não concordo. Só o futebol brasileiro perde com isso. Sempre que o Vasco estiver forte, o futebol do Brasil estará ainda mais forte.

2 comentários:

André Monnerat disse...

Sobre o Vasco: havia a notícia de que a Justiça havia determinado novas eleições no clube em 30 dias. O tempo passou, esse prazo já foi, não teve eleição e ninguém diz o por quê. Por algum motivo a imprensa, mesmo aqui do Rio, simplesmente esqueceu do assunto.

carlos pizzatto disse...

Os fanáticos filhos à casa tornam.

Os corinthianos festejaram, também, a reabertura do Pacaembu.