terça-feira, julho 10, 2007

OS GRANDES CLÁSSICOS DA AMÉRICA


Não existe um jogo como Brasil e Argentina. Há quem considere o futebol da Holanda o máximo, quem venere a Itália, babe ovo para a Alemanha e outras seleções européias. Eu prefiro um Brasil e Argentina, para mim o maior clássico do futebol mundial. Com essas duas camisas em campo, quase sempre estarão desfilando os maiores jogadores de suas épocas. É terreno proibido para grosso, para pernas-de-pau. Podem não ser todos exatamente craques, mas ninguém ali está fora de seu terreno.
Mas como falar do que, espero, seja a final da Copa América, sem citar outro encontro de grandes, entre Brasil e Uruguai. A maior contra a primeira potência futebolística. A Copa do Mundo nasceu no Uruguai e, quem sabe, comemore cem anos daqui a 23, novamente no Ururugai. É preciso respeitar a dignidade com que sobrevive o futebol uruguaio. São 3 milhões de uruguaios pelo mundo, é impossível concorrer com Brasil e Argentina. Ainda assim, metem medo em brasileiros e argentinos quando entram em campo. Por que lutam respeitando o adversário.
Certa vez entrevistei o grande Schiaffino, maestro do time campeão do mundo em 50. Nunca vi tamanho respeito por um time como o que ele tinha pelo Brasil. Nem por um povo como ele tinha pelo nosso. Quase me pediu desculpas por ter vencido em 50. Mas respeito não significa temor. Por isso o Uruguai ainda está aí, e ainda merece, também, ser respeitado.
No meio disso tudo aparece um convidado dos mais abusados. O México melhora a cada ano e vai enfrentar a Argentina quase em condição de igualdade. Quase porque Riquelme é argentino, e Riquelme faz a diferença. Acontece que Nery Castillo, que joga no México, nasceu no Uruguai...
É por essas e outras que eu adoro a Copa América.

4 comentários:

Pedro disse...

Realmente, esses dois jogos prometem. Depois de goleadas nas quartas, acho que na semi as partidas serão bem equilibradas. A Argentina talvez esteja um pouco à frente, pois como você escreveu, o Riquelme está lá.

Parabéns pelas transmissões, a história da Veneza pequena eu não sabia.

Abs

Iara Alencar disse...

Ola Noriega.
Que o clássico seja um dos melhores.

Vamos torcer.

Jéssica Nayara disse...

É amanhã Noriega !!!
Vou torcer para o Brasil, mas vou ficar feliz se a Argentina ganhar. Prefiro o belo futebol.
Beijos e Saudações Alvinegras pra você.

Marcelo Rayel disse...

Olá Nori,

Antes de mais nada, parabéns pela cobertura da Copa América. Todos daí estão de parabéns! Grande trabalho, excelente, muito bem executado e feito. Parabéns!

Um brincadeirinha: vai ter férias para você e o PC quando retornarem ao Brasil?! O trabalho foi puxado, uma semaninha não seria nada mal...

Quanto ao jogo de daqui a uma hora, o segredo: será que o Dunga vai deixar o Zanetti à bangu?!?

Não querer marcação especial sobre o Messi, beleza. Não fazer uma marcação sobre o Riquelme, dá para levar... Mas não fazer uma marcação especial sobre o Zanetti, barbas de molho!

Vale lembrar o que ele fez com a defesa da França no último amistoso entre as duas equipes em Paris. Botou a defesa francesa abaixo de barata...

Ele é de longe o jogador mais perigoso da Argentina. Principalmente porque ele, quando sai da direita, faz isso com grande maestria e puxa a marcação para o meio, deixando o flanco direito livre, livre, para alguém cair por ali, ora o Messi, ora o Riquelme. Como aconteceu no jogo contra o México.

Escrevi uma pequena mensagem sobre a expectativa do jogo e o que eventualmente pode acontecer. Felizmente, ou infelizmente, está em língua inglesa. Fica o convite...

... Visite http://wordsonthepitch.blogspot.com, e divirta-se!

Um forte abraço e boa transmissão!