quinta-feira, abril 08, 2010

Quem é quem na

semifinal paulista


Quatro jogos, o bom e velho mata-mata que eu adoro, um clássico histórico de um lado, uma surpresa e um emergente do outro. Tem pra todo gosto na hora da decisão no Campeonato Paulista. Abaixo, uma análise dos quatro postulantes ao título.

SANTOS - É o grande favorito, o melhor time, o que joga mais bonito. Tem as vantagens do regulamento até a final, se chegar até ela. O PONTO FORTE é o talento dos atacantes e dos meias. Neymar, Robinho e André podem ser decisivos. Paulo Ganso é genial, e Marquinhos tem jogado o que nunca jogou na carreira. Some-se a isso um volante técnico e em grande fase, Arouca, para mostrar as armas do Peixe.

O PONTO FRACO é a defesa. Principalmente nas bolas cruzadas sobre a área. Edu Dracena é muito bom zagueiro, Durval tem jogado bem, mas quando tem uma bola voando sobre a área de Felipe - que não sai do gol com grande propriedade - o Santos mostra um ponto vulnerável.

SÃO PAULO - Classificou-se em quarto lugar, mesmo sem jogar um grande futebol, mas tem alguns grandes jogadores e vem de um momento recente de grandes vitórias. É time de chegada. Vejo como PONTO FORTE do time a média técnica, muito boa. Não há jogador fraco tecnicamente. Tem em Washington um centroavante decisivo, de referência e dois jogadores muito acima da média para suas posições: Hernanes e Rogério.

O PONTO FRACO é a indefinição tática, que faz com que a capacidade de alguns jogadores não possa ser explorada ao máximo.

SANTO ANDRÉ - A grande surpresa do campeonato. De rebaixado para a Série B em 2009 a segundo time da fase de classificação do Paulista em 2010. Depois do Santos, foi o time que jogou o melhor futebol nessa etapa.

O PONTO FORTE é o toque de bola em velocidade do meio-campo. Gil é um ótimo volante que sai pro jogo, Branquinho e Bruno César são meias autênticos e de muito boa qualidade. PONTO FRACO: alguma hesitação na cobertura dos laterais e uma dupla de zaga que tem dificuldades no jogo pelo chão, embora seja eficiente pelo alto.

GRÊMIO PRUDENTE - A mudança de nome e de cidade deu ao time uma torcida mais presente, coisa que não havia nos tempos de Barueri. É um time de boa técnica e que não sabe o que é perder com o novo nome. O PONTO FORTE se mostra com a capacidade ofensiva do meio-campo e do ataque, setores formados por bons jogadores. Marcos Assunção e Wesley se destacam no meio, e Tadeu e Flavinho formam uma boa dupla de frete.

O PONTO FRACO é a dupla de zaga, que mesmo sem ser ruim, oscila muito durante o jogo, sem manter a regularidade.

É o franco atirador das semifinais, já está no lucro e jogará praticamente sem pressão


LAMENTÁVEL A DIVISÃO DE INGRESSOS

Só tenho que lamentar a decisão de destinar apenas 5% de ingressos aos torcedores visitantes nas semifinais do Paulistão. As pessoas civilizadas que querem ir ao estádio estão perdendo cada vez mais espaço para os bandos ditos organizados, que são os maiores beneficiados por essa medida. Assim a civilização sofre derrotas sucessivas. Quem quer apenas torcer não pode ir ao estádio, quem vai pra brigar nas ruas ainda ganha escolta policial.

2 comentários:

Bruno Almeida disse...

Já "cornetei" você via Twitter, não poderia perder mais essa oportunidade né?
Fantástica sua análise, coesa e precisa!
Ressalto o "choque" entre os pontos fortes e fracos do San-São.
Impressionante como o pronto fraco do Santos(bola aérea) encaixa certinho em um dos pontos fortes do São Paulo(Washington).
Creio ainda que o São Paulo vem numa crescente e alguns jogadores parecem ter encontrado um futebol melhor do que o que vinham apresentando(destaques para Marlos, Rodrigo Souto e até o próprio Hernanes) e isso deve implicar na evolução/acerto tático do time de Ricardo Gomes(ponto fraco).
Lembro ainda que a derrota na primeira fase pode ter sido positiva para o experiente time do São Paulo(que não ganhou nenhum dos clássicos) ao passo que, para o jovem time do Santos, pode ter efeito contrário.
Por fim lembro da decepcionante elmiminação no Campeonato Brasileiro de 2002, quando o São Paulo(arrasador na Primeira Fase, pareceu ter deixado a soberba tomar conta) foi surpreendido por um elenco de jovens jogadores do Santos(que classificou-se na última rodada, por 1 pontinho apenas) e que seriam campeões em seguida.
OS MENINOS DA VILA SOFRERÃO ESTA DURA LIÇÃO!
Dá-lhe "vuvuzela"!
Grande Abraço Maurício!

Fabricio disse...

Nori

Eu por ideologia também sou contra essa divisão de ingressos, aliás, sou contra divisão de torcidas no estádio. Entendo que a civilidade nos leva a dividirmos o mesmo espaço sem qualquer tipo de problema.
A realidade de nosso país, o país da IMPUNIDADE, infelizmente faz com que medidas como essa, longe de meus valores ideológicos, se tornem prudentes e racionais. Pior do que negar a entrada a uma partida de futebol a um inocente é vê-lo depois, esse mesmo inocente, nas páginas policiais agredido (pra não dizer morto) por uma situação qualquer que foge dos arredores do estádio.
Estamos longe, diria muito longe, de sermos uma sociedade civilizada e democrática.
Outra verdade nessa história toda é que a saída mais fácil é essa, já que TODOS os dirigentes não abrem mão de suas torcidas profissionais uniformizadas, grande responsável pela violência!! além de alguns dirigentes e suas provocações..é claro!