terça-feira, abril 13, 2010

A cidade de São Paulo

na Copa, o que eu penso


Como principal pólo econômico da América Latina, São Paulo não pode ficar fora da Copa do Mundo de 2014. Pelo que representa para o País, seria ideal para a abertura do Mundial. O Rio, cidade mais conhecida e principal destino turístico brasileiro para o mundo, deve fazer a final. Isso é cristalino, óbvio.

O único estádio de futebol na cidade de São Paulo atualmente em condição de pleitear um jogo de Copa do Mundo é o Morumbi. O normal seria que houvesse consenso entre clubes e todos os setores envolvidos em torno desse estádio.

Construir mais um estádio de futebol em São Paulo não parece fazer sentido. Há quatro estádios com proporções de média para grande: Canindé, Palestra Itália, Pacaembu e Morumbi. Todos precisam de muitas reformas para atenderem às exigências da Fifa, em maior ou menor grau.

O problema maior do Morumbi não está no estádio em si, mas na área externa, que não comporta estacionamentos e área para caminhões de transmissão. Hoje o acesso dos times é precário para os padrões internacionais.

Um investidor potencial em estádios com quem conversei questiona o fato de se investir milhões na reforma do Morumbi sem poder ser parceiro do estádio na hora de conseguir o retorno. Algo como pagar a reforma de um teatro e não ganhar um tostão no futuro. E o investimento para adequar o Morumbi é pesadíssimo.

Num mundo ideal, São Paulo, Palmeiras, Corinthians e Santos deveriam utilizar o Morumbi em conjunto, dividindo despesas e lucros, como se o estádio fosse o que praticamente é, um patrimônio do futebol paulista. Mas será que o São Paulo toparia como dono do estádio? E os co-irmãos? Será que vale a pena para o São Paulo investir rios de dinheiro num estádio que servirá aos propósitos da Fifa por um mês, mas que talvez se torne um elefante branco para ele próprio depois da Copa?
Não faz sentido uma entidade como a Federação Paulista de Futebol construir um novo estádio em São Paulo. Pelo menos para mim. A não ser que o estádio possa ser compartilhado por três grandes clubes, que poderiam abrir mão de seus próprios estádios e ganhar dinheiro vendendo os terrenos ou ampliando suas áreas sociais. Isso certamente jamais aconteceria.

O Pacaembu não tem condições de atender às exigências da Fifa, é um estádio tombado. Nem atende aos desejos do Corinthians de explorá-lo mais e melhor economicamente, com camarotes e benfeitorias. Daí o eterno desejo corintiano de fazer um estádio que comporte confortavelmente um número grande de sua enorme massa de torcedores.

O Palmeiras está em vias de iniciar a transformação de seu estádio em uma Arena multi uso. Mas não quer encarecer o projeto, previsto para 45 mil lugares, ampliando-o para um número maior de torcedores. Embora seja o desejo de pessoas com influência política no clube, para pleitear a abertura da Copa. O mandatário atual do clube pensa num estádio menor, mas em condições de receber um jogo da Itália, por exemplo.

A Fifa não fala em dois estádios numa mesma cidade para 2014.

Enfim, uma confusão dos diabos.

8 comentários:

Victor disse...

noriega , sua conclusão esta perfeita . parabéns pelo seu trabalho te admiro muito.

Ricci disse...

Nori, sua visão é a mais comum e a mais correta, por simples e claros detalhes.
A cidade de São Paulo não pode ficar fora da Copa 2014. O Morumbi é o único estádio em condições de adequações para receber a abertura da Copa 2014. A questões de acessos, estrutural e de logística no entorno do estádio, até a Copa estará de acordo com os padrões mundiais e pelo que pudemos ver, até melhor que muitos lugares.
Me diga qual estádio no mundo tem 2 acesso por Metrô e Trem? Além de varias vias de acesso terrestre?
O estacionamento do nosso estádio, que deve ser construído em frente ao Morumbi onde tem uma banca de jornal e o posto policial, para mais de 4 mil carros.
Enfim Nori, um novo estádio em SP será um derrota do torcedor paulista, como vc bem disse, o Morumbi pertence aos torcedores de todos os clubes.
A diretoria do SPFC não dividiria o estádio com os outros clubes para uma gestão conjunta e uso dividido dos clubes paulistas. Já cedemos durante 2 décadas dividindo o estádio em 50% com os co-irmãos. E quando precisamos gerir melhor as questões de divisão, acordos de uso e patrocinadores para manter o estádio, somos tratados como prepotentes e arrogantes. Mas não vou discorrer maiores detalhes sobre a postura equivocada de alguns dirigentes/torcedores de outros clubes.
No mais, parabéns pela forma romântica e desprendida de vaidades que você colocou a sua opinião sobre a Copa 2014.

Grande abraço!

Ricci Jr
@riccijr

Thaís Cachuté Paradella disse...

Excelente texto Nori. É exatamente assim q eu penso também. Em um mundo perfeito, todos os clubes, Federação Paulista e a própria CBF apoiaria a candidatura do Morumbi e todos tirariam proveito econômico disso depois da Copa. Até porque, como vc mesmo disse, não tem o menor sentido SP não ser a cidade da abertura da Copa. E a cidade, na minha opinião, não precisa de mais um estádio! Mas aí como ficam os interesses pessoais e econômicos?
Belo texto, muito bom mesmo! Parabéns!
Thaís Paradella

Bruno-tricolor disse...

Eu acredito que o projeto do São Paulo está muito próximo de se adequar as exigencias da FIFA, mas o que vai pesar daqui pra frente é o lado politico.

Dividir o estádio entre os grandes clubes de S.P. nos classicos não é viavel para o São Paulo F.C. pq vender cadeiras cativas é mais rentavel. O que restaria é o aluguel para os outros clubes, mas como ato de retaliação, o Corinthians não irá mais alugar.

Anônimo disse...

"A diretoria do SPFC não dividiria o estádio com os outros clubes para uma gestão conjunta e uso dividido dos clubes paulistas. "

Ah, sim. Mas na hora da grana, de arcar com o projeto, de pagar no pau, TODO MUNDO TEM QUE "DIVIDIR" a dívida com o spfc EM PROL DE TODO TORCEDOR PAULISTA NÉ?

Vai lá Ricci. Pega a sua torcidinha e PAGEM O ESTÁDIO VOCÊS SOZINHOS!

Construam uma Arena de 300 mil lugares pra comportar o ego adestrado de vocês. Eu não ligo.

Só tira a mão do meu dinheiro.

Sai voado!

Em tempo:
1 - cadê o patrocínio de 30 milhões?
2 - Cadê os parceiros que o Juvenal garantiu que tinha?
3 - Você falam, falam, falam - ou pra vencer no cansaço, ou pra empurrar golea abaixo.

Moises disse...

Noriega, a questão é a seguinte.

Uma coisa que ficou clara na Europa sobre modelos de estádios é que optar por fornecer maior qualidade ao torcedor dá um retorno muito maior que quantidade.
Aumenta a qualidade, aumenta o espaço por torcedor e assim aumentam também os gastos/manutenção/impostos/investimentos.

Então pra atender o torcedor com o nível de qualidade padrão europeu ou se reduz a capacidade para um mesmo investimento ou aumenta o investimento e mantém a mesma capacidade.

Tem times/parceiros que tem cacife pra bancar 1 bilhão na construção de estádios nos novos modelos com capacidades iguais ou melhores que os antigos mas são poucos, que nem Arsenal, Tottenham, Liverpool (planos) e etc.

Os outros precisam ficar mais na realidade. A Juventus de Turim demoliu o Delle Alpi de 70 mil pessoas pra construir um estádio para 40 mil.

Então o problema aqui em São Paulo é esse. Ninguém quer investir em projeto que não dê retorno bom. Por isso o Morumbi não tem parceiro, nem o Corinthians e por ae vai. Eles querem investir em projetos fora da realidade, pra 70 mil pessoas. Não tem como, especialmente se for pra cumprir as especificações de Copa da FIFA.

O Palmeiras só tem parceiro porque mira num interesse econômico comum com a WTorre, nada faraônico.

Aliais, o próprio São Paulo e o Corinthians já sacaram isso. Eles sabem que não vão conseguir investimento e estão empurrando com a barriga pra conseguir investimento do governo. O objetivo do São Paulo é dar sobrevida ao estádio pra competir com a Arena Palestra Itália que pela localização e qualidade tem tudo pra tomar de assalto o mercado de eventos. E querem fazer isso sem gastar nada, apenas vendo o governo trabalhar, eles não estão nem aí pra Copa.

Já o Corinthians quer que a cidade construa um estádio novo e que passe pra eles "de graça".

Mas logicamente que esses projetos não vão ter investimento privado, ninguém é louco de entregar dinheiro assim.

Única solução que traria investimentos privados realmente é um estádio pra vários times, coisa sugerida pelo Andrés há um tempo atrás de construir um estádio na zona central pro Palmeiras e pro Corinthians. Só que não existe cooperação entre os clubes.

Lembra quando o São Paulo cobrou 500 mil do Santos adiantados pelo aluguel do estádio na final do Paulista de 2007? Nunca tinha feito isso. Fez só de birra.
Como poderiam dividir um estádio com atitudes assim?

A abertura só vai ser em São Paulo se o governo bancar, o que é uma pena pois vão despejar dinheiro publico nisso com tanta gente precisando.

Renato disse...

Pra bambizada, agora que a água bateu no bumbum, os outros grandes são "co-irmãos"....hahahaha.

Caminhão de dinheiro público em estádio particular, doação de terrenos e "sacos de cimento", esse é o modus-operandi bambi, sempre querendo se dar bem em cima do dinheiro que não vos pertence, além de desagradar aos vizinhos abonados. Se o Palestra conseguir ampliar a reforma, e se a prefeitura resolver aprovar td é lá que deveria ser a copa.

dut Santerdom disse...

Descordo com alguns pensamentos aqui expostos, tudo bem que digam que o Morumbi é um estádio que pode ser utilizado por todos, porém sabemos que isso será só na conversa, futuramente o clube São Paulo irá querer lucrar com a situação de forma exploradora..., além do mais a cidade de São Paulo necessita de um projeto deste porte que venha trazer modernidade, pensando em realizar um projeto dessa forma tenho certeza que muitos problemas que a cidade de São Paulo enfrenta no seu dia dia não iriam acontecer porque medidas cabiveis iriam ser tomadas, dificuldades estas como trânsito, enchente, localização dentre outros.