terça-feira, abril 06, 2010

Palmeirenses e corintianos

unidos contra o Morumbi


O lado mais visível da briga política que se esconde atrás das obras para a Copa do Mundo é o caso do Morumbi, em São Paulo. Que o estádio precisa de muitas obras para se adequar ao padrão Fifa, isso é sabido. O que não se fala abertamente é do interesse de muita gente em fazer outro estádio na Capital paulista.

Pode ser um estádio totalmente novo, administrado pela Federação Paulista. Há o caso da Arena do Palmeiras, por exemplo. Uma corrente política do clube trabalha pela ampliação do projeto. A idéia é alterar a capacidade da Arena de 45 mil para mais de 50 mil pessoas, com o intuito de tirar a abertura da Copa do rival tricolor. Tem a simpatia de dirigentes do outro rival histórico, o Corinthians.

Nos próximos dias terá início uma campanha na internet, unindo torcedores e dirigentes de Palmeiras e Corinthians, protestando contra o provável uso de dinheiro público nas obras de adequação do Morumbi para a Copa. É esperar para ver.

Como a eleição do presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, está sub-júdice por causa de dúvidas quanto ao estatuto do clube, há dificuldade em assinar contratos para as obras do estádio. A pergunta que os interessados fazem é o que acontece se a eleição for considerada ilegal? Os debates no Conselho Deliberativo do São Paulo estão quentes, e há setores da oposição que acham que estão sendo anulados pela situação.

7 comentários:

Marcelo disse...

É isso aí, cada um tem que correr atrás do que acha certo pra sí e pro seu própiro clube. Mas que é engraçado ver que a inveja une até os mais velhos rivais da cidade de São Paulo.

Acredito que Beluzzo e Andres tem coisas muito mais importantes e urgentes pra resolverem em seus clubes, antes de se preocuparem em uma união contra Morumbi.

Anônimo disse...

Novamente o São Paulo pode se favorecer, foi assim quando praticamente ganhou o Morumbi, de um determinado governador, assim diz a lenda, deixou um estádio moderno para época se transformar em velho e ultrapassado, pagou-se aluguel de clássicos para essa agremiação durante décadas,investimento no estádio, zero.

Mozart
Fora os lucros que o São Paulo teve nos últimos 20 anos com venda de jogadores nenhum clube teve igual e o estádio novamente foi esquecido!
Assim é fácil, agora vem uma copa do mundo e todos ajudam o São Paulo, um clube que se diz "rico" e sem problemas administrativos.
Por essas e outras sou contra a reforma do Morumbi.
Na minha opinião, deveria construir um estadio hiper moderno no interior de São Paulo, desviar um pouco dessa loucura que é a cidade de São Paulo, todos se beneficiariam!!!

Anônimo disse...

Noriega,

Algumas perguntas para seu comentário:
Por que a imprensa paulista e até a brasileira tratam a Arena Palestra Itália como se ela não existisse?
Por que não se dá destaque as enormes dificuldades impostas pela Prefeitura de SP para a aprovação do projeto, que exigiu altos investimentos do clube como contrapartida para a aprovação?
Ao contrário disso, o projeto do Morumbi recebe todo apoio e promessa de execução de obras públicas, incluindo até a doação de uma praça pública para a construção de um prédio anexo.

Ficamos com a impressão de que os jornalistas são desinformados e não sabem tudo o que está envolvendo a preparação para a Copa em SP.
Esse esquecimento da imprensa teria alguma relação com os camarotes que diversos veículos de comunicação têm no Morumbi?
Em qualquer outro país do mundo, um projeto como a Arena Palestra Itália teria enorme destaque nos meios de comunicação. Aqui, não!!!! Esquisito, não acha?

Não seria mais vantajoso para o contribuinte paulista que um projeto particular, sem envolvimento de recursos públicos, tivesse mais apoio das autoridades e da imprensa para ser a sede paulista para a Copa de 2014?

Por que um determinado clube deve receber todos os benefícios do Estado e outros não?

Depois, todos serão obrigados a ouvir de vocês jornalistas que se trata de uma instituição modelo, organizada e competente.

Competente não seria quem busca por meios próprios o seu futuro e não como parasita do Estado?

Anônimo disse...

Nori, espero que você não tenha embarcado nessa falácia. Tudo bem, você dirá: "isso é apenas informação de bastidores e tal". Ora, o São Paulo busca financiamento do BNDES, e não doação de dinheiro público. A decisão da justiça sobre o imbróglio da eleição do JJ demorará anos pra sair. O São Paulo defende a tese da autonomia dos clubes esportivos garantida pela Constituição de 88, e não o novo Código Civil. Posição esta, defendida por muitos desembargadores, saiba você. Ah sim, pergunte ao Rosemberg e Sanchez se eles não apoiam o Morumbi como abertura da Copa. Acho que inclusive você, caro Nori, deveria se posicionar a respeito, se é que já não o fez...

Anônimo disse...

Engraçado estas contestações ao Morumbi??Parece algo orquestrado pela
imprensa, ou ninguém está vendo como está o Maracanã inundado pela água, o estádio de Brasília que está parado na licitação pelo superfaturamento?? Falam muito de dinheiro público no Morumbi mas por quê não se contesta o superfaturamento do estádio de Brasília,só porque é público pode superfaturar e alguém acha que em Minas será diferente?? Lamentável esta postura da imprensa de agir como torcedor de clube ao invés de informar...Se Corithians e Palmeiras vão se unir exelente apenas mostra o quanto o São Paulo está a frente de seus rivais. Quanto ao Morumbi, está mais do que na cara que Ricardo Teixeira e Globo lutam contra(retaliação pela eleição Clube dos 13) e o tal do Jerome Valcke quando diz que o projeto está adequado, ninguém da bola agora quando fala o contrário cai o mundo, vai enteder?? Esta é minha opinião e claro que há sentimento de torcedor aqui mas vale lembrar que não sou jornalista e nem tenho a pretensão de informar ninguém..Não sou pago para isso, agora os jornalistas deveriam repensar a postura e informar e questionar o interesse das pessoas por tráz deste imbrógilo todo. Saudades do grande Armando Nogueira, fantástico como cronista sempre respeitando os clubes independente de ser Botafoguense. Abraços!!

Lucas Mateus disse...

Só quem sai perdendo com esse clubismo ultrapassado e retrógrado é o brasileiro como um todo. Sou Corinthiano, mas não sou utopista: estádio pro Timão é prometido desde que eu me entendo de gente e até hoje não passou de promessa. Com esse histórico ridículo, como ter-se-á credibilidade para erguer um novo estádio ÀS VÉSPERAS da Copa? A FIFA está acompanhando essa jogatina política nos bastidores e percebendo o erro de ter dado ao Brasil a (imensa) responsabilidade de sediar o maior evento do planeta. Agora é ajoelhar e rezar, muito.

Anônimo disse...

O problema não é clubístico. A questão é que estamos falando de 3 ou 4 partidas apenas. Será que vale a pena gastar uma fortuna do dinheiro público para tão poucos jogos e que só iria favorecer uma instituição particular? Se fosse o Pacaembú, que é da Prefeitura, eu até entenderia.