sexta-feira, abril 27, 2007

NAU CORINTHIANA A PIQUE


Parece simbólico que o Náutico tenha colocado a pique a nau corintiana no Pacaembu. E foi exatamente isso. O Náutico ganhou o jogo. Por pior que seja o atual time alvinegro - e bota pior nisso -, o Timbu jogou uma das grandes partidas de sua história e passou cheio de garbo às quartas-de-final da Copa do Brasil.
Ainda que seja um time fraco, o Corinthians deveria fazer, no mínimo, um jogo equilibrado com o Náutico. Não se trata de esquadrões Mas o Corinthians levou um baile. E quem dançou mesmo foram os quase 30 mil torcedores que foram ao Pacaembu. Porque é esse patrimônio que o Corinthians está desrespeitando: o torcedor. Alguns corintianos e certamente muitos dirigentes do time acreditam na tese de que a torcida "joga", que empurra o time e o faz produzir milagres. Assim fosse e o Corinthians não passaria pelo drama que vive hoje, nem teria ficado 22 anos sem título. Torcedor torce, jogador joga e dirigente dirige. Parece óbvio, mas no Corinthians só o torcedor é que torce. As outras partes do triângulo nada fazem.
Nenhum jogador ou dirigente do Corinthians pode reclamar da - novamente - absurda tentativa de agressão aos jogadores por parte de algumas dezenas de vândalos. Pois se há jogadores e dirigentes que, por hipocrisia e bajulação, recebem esses torcedores como se fossem grandes amigos, então não têm o direito de reclamar quando são ameaçados e encurralados.
Abandonado por uma casta de dirigentes ultrapassados e comprometidos apenas com seus objetivos pessoais, o Corintians vive um momento delicado. Precisa decidir qual time levará a campo no Brasileirão. Um formado por garotos criados no clube e novas contratações, ou, de novo, aquela ladainha de parceria, times milionários etc. com duração curta e fim previsível.
Porque se for com esse time de ontem ao Brasileirão, o Náutico será apenas mais um a atropelar os corintianos.

GALLO NO INTER

A contratação de Gallo pelo Inter é uma aposta. Um jovem treinador, que se preparou adequadamente mas ainda é apenas isso, uma aposta. Gallo já hvia deixado a Portuguesa para abraçar o Santos, justamente aproveitando uma oportunidade de carreira. Fez o mesmo com o Sport agora. Tem todo o direito. Mas no futuro, jamais poderá reclamar se, por exemplo, o Inter decidir demiti-lo após 45 dias de trabalho e contratar um treinador mais experiente. Pois não é extamente o mesmo que ele fez com a Portuguesa e com o Sport? A César o que é de César. Se o técnico pode aceitar um convite para um clube teoricamente melhor, porque o clube não pode fazer o mesmo e buscar um treinador, na teoria, mais capacitado?

9 comentários:

Tarcísio Alves disse...

Nori, bom dia!
Acompanhei ontem a transmissão do jogo pelo Sportv – sem tirar o som — e gostaria, em primeiro lugar, de parabenizá-lo pelos comentários pontuais sobre o jogo e, mais especificamente, sobre o "desempenho" (se é que podemos dizer assim) do Corinthians. Realmente, não sei o que mais pode acontecer. Avisos não têm faltado à diretoria e à torcida. Ambos parecem esperar por um milagre, que, de fato, nunca irá acontecer. Só gostaria de colocar que, na minha opinião, o tal Acosta, momentos antes de fazer o segundo gol do Náutico, pela entrada violenta no joelho do Rosinei, deveria ter sido expulso – só ganhou amarelo. Acredito que o Corinthians não iria ganhar a partida nem mesmo se esse jogador tivesse sido expulso, mas a não-expulsão terminou por influir no resultado.
Abs e até a próxima!
Tarcísio

Marcelo Rayel disse...

Caro Noriega,

Antes do comentário, dê meus parabéns ao Milton Leite, que vem dando banho em transmissão de jogos desde a época da ESPN Brasil. Vocês dois formam tabelinhas ao melhor estilo Pelé e Coutinho.

Bem, minhas palavras...

O futebol não nasceu para dar lucro. Aponte uma equipe fundada no século XIX e primeiras décadas do século XX que tenha sido fundada com o objetivo de dar lucro?

Logo, está no DNA dos times de futebol não produzirem sua própria receita...

Com o advento do futebol profissional, os clubes se encontraram num mato sem cachorro. Precisavam manter grandes esquadrões sem a menor possibilidade de obter dinheiro suficiente para salários e (naquela época) contratações (não nos esqueçamos que antigamente o clube tinha de comprar o passe do jogador, o que tornava a urgência financeira muito maior).

O que gerou aberrações como as excursões que o Santos fazia na década de 60, expondo seus atletas a verdadeiros riscos de vida para gerar receita a fim de pagar o salário de seu principal atleta: Pelé.

Portanto, a diretoria do Corinthians entrou mais uma vez de gaiata nessa de investidores no Timão. Não tem dinheiro para grandes salários, bota o time que tem. Não vá prometer para investidores de origem desconhecida rentabilidade que não pode proporcionar.

Os times de futebol tem em seu DNA dificuldade em gerar receita, é natural. Quem faz jogadores nas categorias de base é que se dá mais ou menos bem na hora de transferí-los para outros clubes ou Europa. Por enquanto é a única receita que possuem.

A parte de imagem e licenciamento ainda está engatinhando muito aqui no Brasil para permitir que um clube se dê ao luxo de não depender da receita oriunda da venda de jogadores.

Portanto, não prometa o que não consegue cumprir e nem acredite no lindo conto de fadas que dá dinheiro adoidado para times de por o Chelsea no chinelo. Até mesmo porque o Chelsea só é o Chelsea porque injetaram dinheiro. Porque o próprio clube seria incapaz de gerar receita que garantisse o salário de tantos craques.

Não consegue andar com as próprias pernas, com o dinheiro que consegue, faz igual ao Ypiranga...

Senão, o Náutico vem e mete dois...

Nori disse...

Marcelo, vou transmitir ao Milton a mensagem e vc está certo: ele está arrebentando.
Gostei das suas análises sobre posicionamento de jogadores e concordo com a maioria. Sobre organização e dinheiro, infelizmente, a maioria de nossos times não sabe a força da suas marcas.
Abs

Jéssica Nayara disse...

Noriega... Tudo bem???
Posso te pedir mais um favor????
Bom coloca o Blog do Cleber como favorito no seu.
Beijos...Eu sei que você me acha uma chata...eu sou chata.Desculpa qualquer coisa.

Anônimo disse...

Noriega,

Assisti nesse sábado de manhã o Dossiê SporTV sobre a relação conturbada entre torcida, diretoria e MSI.
Em nenhum momento, representantes da torcida foram entrevistados para dar sua visão. Talvez eles tenham negado participar. Se assim for, creio que isso deveria ter sido mencionado.
Em tempo, sou torcedor do Palmeiras.

Abraço.....Sandro

Nori disse...

Sandro, abs pra vc. Acho que a torcida, se quiser participar da administração de um clube, deve fazê-lo pela via mais clara, entrando para o quadro associativo do clube. E já se sabe abertamente a opinião da maioria dos corintianos.
Abs

Lucas disse...

Nori!
O jogo do São Paulo e Grêmio.
Vão ser você e o Milton,ou vai ser do estúdio do Rj?
Abs

Nori disse...

Lucas, será feito do estúdio, eu e Milton não estaremos escalados. Abs

Anônimo disse...

Noriega,

Obrigado por sua resposta. Muito cordial.
Vou insistir, contudo, no meu ponto sobre o programa: Como telespectador que necessita ouvir todos os lados para tecer um juízo da situação, senti a falta de ouvir representantes da torcida. Você asserta que:
"E já se sabe abertamente a opinião da maioria dos corintianos.."
Desculpe, Nori talvez isso seja de conhecimento pleno de quem está aí em São Paulo. Moro em Salvador (onde sofro também com o Bahia) e não tenho noção de como se posiciona a maior torcida organizada do time (Gaviões da Fiel) nessa pendenga. O depoimento deles seria fundamental à plena compreensão do tema. Isso foi ignorado pela produção do programa.

Continue assim com sua temperança e imparcialidade.

Abraço....Sandro