quinta-feira, setembro 28, 2006

SOS PORTUGUESA

Instituições não deveriam morrer nunca. Principalmente aquelas que acrescentam algo à história e merecem ser assim chamadas. Sejam elas escolas, museus, entidades assistenciais ou clubes de futebol.
Dói ver uma instituição como a Associação Portuguesa de Desportos à beira de um rebaixamento para a Terceira Divisão do futebol brasileiro. Fato que, se confirmado, pode, segundo os próprios dirigentes do clube, suspender as atividades do futebol.
Presta-se pouca atenção à Lusa porque não se trata de um time de massa, de arregimentar multidões. Mas não se pode deixar de lado uma história rica em tradições, em revelar grandes jogadores e treinadores e, principalmente, um patrimônio que inclui um belo clube social e um estádio que poderia ser mais bem aproveitado.
Que saída haveria para a Portuguesa? Converso muito com dirigentes e torcedores do clube sempre que faço jogos no Caningé e parece que estão todos muito perto de jogar a toalha. Antigamente, integrantes endinheirados da colônia portuguesa professavam sua paixão pela Lusa injetando dinheiro no futebol do clube. Lembro-me que em 96, quando o clube chegou à final do Brasileiro, o empresário que patrocinava a camisa da Portuguesa à época pagou um gordo bicho em dinheiro vivo. Hoje, pelos desmandos administrativos e a interminável guerra política, esses apaixonados preferem, prudentemente, investir seu dinheiro em outros negócios.
Já pensei - e vi que essa idéia também circulou por outras tribunas e mentes - que a Lusa se arrumaria se fizesse uma troca entre sua sede (estádio incluído) e a do Corinthians. A Portuguesa poderia mandar seus jogos na Fazendinha sem problema, receberia uma compensação financeira pela diferença de proporção dos estádios, e o Corinthians teria a chance de transformar o Canindé em seu sonhado campo. Parece difícil, pois envolve paixão e história, e exige cabeça fria e profissionalismo, algo que falta aos dirigentes dos dois clubes.
A saída que vejo como a mais provável é a de algum empresário com boas intenções, seja ele do futebol ou não, comprar o departamento de futebol da Portuguesa. Algo como fez uma grande rede de supermercados com o Juventus. Ou mesmo um negócio no modelo MSI-Corinthians. Futebol é rentável, mesmo mal administrado. A Portuguesa tem patrimônio e sempre foi uma ótima porta de entrada para novos talentos.
Seria ruim para o futebol brasileiro que ela virasse apenas mais uma - ainda que bela - página de nossa história.

4 comentários:

Rubão disse...

voltou por tempo limitado!

www.efexor75.blogger.com.br

Luiz Augusto Neto disse...

Como neto de português (que aliás era torcedor), concordo plenamente.

_rodrigo disse...

Triste fim da lusinha.

Anônimo disse...

Fales mal da Lusa e serás ameaçado, Nori. Foi assim com Juca Kfouri, Silvério, Edu Affonso, Luiz Fernando Bindi e tantos outros...