segunda-feira, maio 28, 2007

O FRIO ESPANTOU OS GOLS

Acho que dei azar na última escala, porque comentei dois jogos sem gols. Um deles, Corinthians e Atlético Mineiro, foi bem legal, divertido, movimentado. Já o clássico São Paulo e Palmeiras foi horroroso, uma pelada marcada pelo medo de perder de ambas as partes. Será que o frio espantou os gols? Afinal, a média do Brasileirão despencou para menos de 1,5 gol por partida.
É muito cedo para conclusões ou projeções, mas alguns perfis começam a se desenhar nesse Brasileiro. Corinthians e Galo, por exemplo, parecem times de juniores. Correm o tempo todo, são entusiasmados, mas falta um toque de experiência e (por que não?) de classe. Alguém que saiba dosar o ritmo e não transforme velocidade em pressa. O time mineiro parece mais técnico, de toque de bola. O Corinthians tem jeitão de contra-ataque, sempre correndo, tentando surpreender o adversário. O alvinegro paulista precisa de bons laterais para ter mais opções de saída de jogo, porque atualmente só William (muito talentoso) faz isso. O Galo carece de um armador eficiente para fazer com que a bola chegue a Galvão, Éder Luís e Danilinho.

CLÁSSICO NOTA ZERO

Agora, falar o quê de São Paulo e Palmeiras? Um festival de erros, de chutões e falta total de concentração. A começar do juiz Sálvio Spinola, que deveria ter expulsado o Edmundo naquela entrada no Miranda. E passando por todo mundo. O São Paulo estava fora de sintonia, sem saída de bola. Muricy percebeu e recuou Josué, formando uma linha de quatro defensores. E nem assim, com um baita espaço no meio e três atacantes, o Palmeiras tomou a iniciativa de agredir. Ficou evidente que, para ambos, o empate era um grande negócio. Manteria o alviverde entre os líderes, invicto, e apagaria o fogo dos cardeais corneteiros do Morumbi. Na cabine achei que foi pênalti do Martinez no Dagoberto. Depois, vendo com calma as imagens, achei que não. Já ouvi são-paulino dizer que não foi e palmeirense dizer que foi. Enfim, não ficou claro.
A conclusão que me provoca o jogo é de que o Palmeiras evoluiu desde o Paulista. É um time que comete menos equívocos, sai jogando melhor. Mas tem um ataque sem grande presença, que depende muito de Edmundo e Valdívia. Pierre é um bom marcador e Martinez ainda é muito lento, embora seja técnico. A defesa está mais segura, mas é uma equipe que ainda carece de maior poder de intimidação, de capacidade de sufocar o advesário.
O São Paulo empacou. Desencaixou como time. Perdeu duas características fundamentais: a saída de bola rápida e consciente e a marcação forte no início da jogada do adversário. Praticamente todos os jogadores caíram de produção, exceção feita ao cada vez melhor Josué. Muricy deve estar coçando a cabeça para buscar um parceiro que faça justiça ao futebol do baixinho. Tentou Frédson, Souza, Richarlyson, agora aposta em Hernanes, que me parece regular, nada mais que isso. O ataque é outro problema. Borges e Marcel não disseram a que vieram, produzem pouco. Aloísio ainda é o melhor, e Dagoberto precisa de ritmo de jogo. A zaga ainda me parece o ponto forte do time, com Miranda e Alex Silva, já que André Dias está em fase mais ou menos. Ilsinho anda mal e Jorge Wagner ainda não pegou no breu. A questão que fica é sobre o elenco. Será que é tão bom como todos achavam e o Tricolor sempre acreditou? Ontem, por exemplo, não havia zagueiro no banco e as opções eram Frédson, Jadílson, Richarlyson, Marcel. Tirando o Souza, apenas jogadores comuns. Já recebi mensagens de são-paulinos que acham que o elenco não é a maravilha que pensavam. Em quantidade é bom, mas e em qualidade? Muricy também não é milagreiro.

* E o Paraná assumiu a liderança. Será que tem fôlego para ir assim até o final? Em 2006 conseguiu, chegou até a Libertadores.

* Quarta-feira tem a primeira perna do confronto do ano, Grêmio e Santos, provavelmente numa Porto Alegre gelada. Os dois melhores times do semestre se pegam. Quem passar será o finalista brasileiro da Libertadores. Tomara que seja contra o Cúcuta, porque o Boca é...o Boca. A dura realidade para os grandes brasileiros é que o Boca Juniors, como um todo, é maior e mais forte que qualquer dos nossos times.

4 comentários:

Leonardo disse...

Nori, muito boa a análise do clássico! Nossa que jogo ruim! Achei penalti sim, mas do jeito que as coisas estavam o Rogério provavelmente erraria...Sofrível o jogo.
O São Paulo parece que não tem jogada é só ligação direta buscando um homem de referência,no caso do clássico, o Borges que cá entre nós, não faz nada!!Logo nada aconteceu...
Só uma coisa, vejo muitos elogios ao time do Palmeiras e sinceramente pelo que vi no jogo este time do palmeiras é bem fraquinho vai brigar no máximo por sulamericana, aliás fica uma pergunta:
Qual time está jogando futebol no Brasil???(Grêmio e Santos ainda não me convenceram??Tenho dúvidas se pegarem o Boca)

Abraços!!

Ps: Nori, se o Camponato não melhorar acho que nem precisaria do Milan qualquer Sevilla já ganharia este campeonato com os pés nas costas!!

Anônimo disse...

Noriega,nao foi vc quem deu azar,de forma nenhuma.Sao Paulo e Verdao jogaram mal.Beijo,Anninha

Rafael Campos disse...

Bom eu acho engraçada a questão sobre o elenco. Todos dizem que hoje não a time de craques e sim um time formado por bons jgoadores e bem treinado, até pouco temp o o São Paulo tinha todos esses quesitos e quando comentava-se do time tricolor era elogios para os jogadores que não eram craques, mas bons jogadores. Torcedor tem que coloca a razão em priemiro lugar quando a situação não é boa.

Falowww Nori, vlwwww

AlexSA disse...

Ola, Nori... O clássico foi péssimo, mas nota zero também não, jogo que tem ROGERIO jamais será nota zero! Acho que o ciclo do Muricy no São Paulo já se encerrou. Foram 5 semanas com 1 jogo por semana, tempo para treinar e o time não sabe se posicionar, não tem jogadas, está sem padrão e sem referência... Duas partidas seguidas com arbitragens escandalosas e o técnico nada fala?!? Se fosse o Luxa estaria subindo nas paredes, e no jogo seguinte seria "ajudado"... Achava o Muricy bom, agora acho ele normal... O São Paulo tem um excelente elenco e é ridículo o que o time tem apresentado em campo, com estratégia de balão pra frente toda hora... Adeus, Muricy!!! Foi tarde!