quinta-feira, maio 17, 2007


A COPA AMÉRICA MERECE RESPEITO


Essa onda da globalização pode ter seu lado positivo, mas acaba levando com sua - parece - inevitável - maré muita coisa legal. Com isso, nós, brasileiros, que somos latino-americanos (pelo menos eu com muito orgulho) temos umas recaídas pra lá de esquisitas e ficamos metidos a besta. A maneira com que algumas pessoas pora qui tratam a Copa América, a principal competição de seleções do futebol sul-americano, é uma delas.
Claro que a Eurocopa é um baita de um evento, mas será preciso deixar a Copa América em segundo plano? Eu acho que não. Primeiro, é preciso respeitar as diferenças. A Eurocopa é disputada por seleções de países europeus muito, mas muito ricos. A Copa América é disputada por dez países sul-americanos e alguns convidados, todos eles, exceção feita aos Estados Unidos, pobres, muito pobres.
A Copa América reúne três das maiores potências do futebol em todos os tempos: Brasil, Argentina e Uruguai. São nove Copas do Mundo. E coloca em campo o futebol que é o maior exportador de pé de obra (como diria o Mauro Beting) do planeta: o da América do Sul.
A história da Copa América é recheada de grandes acontecimentos do futebol, batalhas memoráveis, craques inesquecíveis, viradas quase impossíveis. E muitas vezes o torcedor brasileiro, com essa mania de olhar apenas para fora, para a Europa e seu futebol comprador e milionário, esquece de tudo isso.
Não se trata de malhar a Eurocopa para falar bem da Copa América. Mas também eu não engulo a história de que a Copa América é uma porcaria. Por que não é. Poderia ser melhor? Talvez sim. A data poderia ser outra? Poderia. Mas a Copa América nunca será a Eurocopa. Porque nós somos a América Latina, não somos a Europa. Não adianta esperar estádios padrão Velho Mundo para países que vivem com o pires na mão e os bolsos furados. Cada um no seu cada qual, diria o outro.
Tecnicamente, também não há nenhuma diferença brutal entre as competições. Porque na Copa América temos Brasil e Argentina, o que puxa a corda brutalmente para o lado latino. Na Europa, já tivemos zebras monumentais como Dinamarca, República Tcheca e Grécia. Pode servir como argumento de que há mais equilíbrio e competitividade. Ou também pode mostrar que os bichos-papões europeus não são assim tão bichos-papões. A Inglaterra, por exemplo, nunca foi campeã européia. A Itália foi apenas uma vez, assim como a "poderosíssima" Espanha.
Do nosso pobre lado do globo, Uruguai e Argentina venceram 14 vezes e o Brasil, 7. Isso sem contar que a Copa América existe desde 1916, e a Eurocopa começou em 1960.
Enfim, é bom tomarmos um banho de realidade do que é nosso continente, nossa rotina, a nossa pobre mas orgulhosa América Latina, curtindo a Copa América. Depois podemos até invejar a organização e riqueza da Eurocopa. Mas eu sempre gosto de pontuar essas diferenças, sem menosprezar quem tem menos condições e também evitando supervalorizar quem consegue tudo mais fácil.

9 comentários:

Marcelo Guedes disse...

Eu só não entendi ainda por quê a Copa América passou a ser disputada de 2 em 2 anos.... Esse também é um motivo para nossos jogadores reclamarem que não têm férias e pedirem dispensa.
NÃO DEVERIA HAVER COPA AMÉRICA EM 2007....SÓ EM 2009.
Assim teríamos: 2008 = EUROCOPA; 2009 = COPA AMÉRICA e 2010 = COPA DO MUNDO.
Simples, não ???

Rafael Campos disse...

Bom Noriega concordo plenamente com o que foi dito por você.É evidente que a Copa América deveria ter mais valor, e esse valor ser dado por nós, torcedores, e também vocês da imprensa. Como você muito bem disse as realidades dos países são diferentes e com isso um evento pode ter ''maior grandeza'' que o outro, mas o futebol dentro de campo é igual aqui na américa e lá na europa. Na verdade não tão igual, como você citou sobre Uruguai etc... e vemos hoje seleções como Equador em uma crescente muito grande. Fato é que nós do Brasil já temos um histórico de desmerecer competições, acontece com a sulamericana competições de clube, onde um time no campeonato brasileiro se orgulha de cosneguir a vaga e depois joga com time reserva a competição.
Bom é isso ae Noriega, belo comentário, parabéns !!!

CPsi disse...

Concordo contigo Noriega. Aliás, vc é um dos poucos comentaristas com coerência na televisão brasileira. Um abração, Cleuber Roggia

www.blogdocleuber.com

jota júnior disse...

Parabéns, amigo Norí....
Vc escreveu o que eu também escreveria sobre o assunto...
Grande abraço do Jota!!!!

Nori disse...

Jotinha, que honra receber a sua visita!!!! Abs, meu amigo e mestre!!!!

Nori disse...

Marcelo, vc tem razão em seu comentário. Abs

Nori disse...

Cléber, obrigado pela visita e pela mensagem. Abs

Nori disse...

Rafael, valeu pela força!!! Abs.

Marcelo Rayel disse...

Prezado Noriega,

A questão da Copa América é um assunto brasileiro. E mal resolvido...

O brasileiro, e somente ele, diminui a Copa América.

A última Copa América foi exibida quase que na íntegra para o Reino Unido. Inclusive produziu no The Talk do jornal inglês The Guardian um fórum só para ele, feito pelos próprios leitores, quase todos eles ingleses.

Há um cidadão espanhol que participa do The Talk que encheu a paciência por causa do clássico Santos X São Paulo, na Vila Belmiro, pelo Paulistão desse ano. Para ele, que assistiu ao jogo que foi transmitido para a Espanha, era o grande confronto futebolístico do ano.

Isso sem contar um monte de fóruns internacionais que eu participo onde o pessoal me enche a paciência, já que eles não entendem porque o Libertad faz frente ao Boca.

Ou seja, o futebol Conmebol é exibido na Europa e amplamente assistido por quem realmente precisa dar apoio: o verdadeiro torcedor de futebol europeu. O Zé Povão. São eles que movimentam as transmissões para a Europa, são eles que amam o futebol tanto quanto nós.

O que faz cada vez mais não entender porque o brasileiro diminui tanto a Copa América se os europeus assistem sem essa de que é país pobre ou o que seja, sem o menor preconceito, apenas pelo prazer de se assistir a um bom jogo de futebol.

O europeu, nesse particular, tem mais entendimento e é bem menos preconceituoso do que o sulamericano. Quando há algum europeu descendo a lenha na Copa América, pode acreditar que é dor-de-cotovelo em ver tantos craques reunidos.

É o caso das próprias estações de TV produzirem vinhetas e chamadas para a Copa América tão ou mais sedutoras quanto às das eliminatórias da Eurocopa. Tipo as chamadas para o Campeonato Brasileiro ou Brasileirão Série B que é extremamente bem-humorada.

O que eu vejo é uma tremenda má vontade por parte das TVs e rádios brasileiras com a Copa América e uma assustadora boa-vontade com a Eurocopa. Tudo totalmente contra a atitude do Zé Povão europeu, em especial o inglês.