terça-feira, julho 20, 2010

A coluna desta terça

no Diário de S.Paulo


Tricolor e Peixe em alerta

A pausa para a Copa do Mundo fez mal a São Paulo e Santos. O futebol eficiente e objetivo mostrado pelo Tricolor nos dias que antecederam o Mundial da África virou pó. Assim como o alegre virtuosismo dos meninos da Vila.
O caso são-paulino provoca maiores preocupações. Ricardo Gomes ainda não conseguiu dar sua cara ao time. Tanto que o bom momento vivido lá pelos idos de maio era, no fundo, no fundo, uma cópia do que o time fazia nos tempos de Muricy Ramalho. Defesa forte, baseada na trinca de beques, contra-ataque rápido, muito cruzamento para a área e um grande goleiro sustentando tudo isso.
Acontece que o rastro do trabalho de Muricy já é quase imperceptível. As sucessivas falhas cometidas pela zaga, coisa rara, comprometem a instabilidade do time. Persiste a falta de opções para o lado direito, ainda mais com a saída de Cicinho. Além do velho drama: a inexistência de um organizador pelo meio, função à qual Cléber Santana não se adapta.
Gomes tentou, mexeu daqui, dali, ensaiou um 4-4-2, mas fica a cada dia mais difícil encontrar seu DNA no Morumbi.
Já o Santos trocou o sorriso pela cara fechada. O que era um prazer dá a impressão de ter se transformado em estorvo. É óbvio que toda novidade depois de um tempo vira notícia antiga. Assim foi com o Peixe. Agora os adversários já sabem de cor e salteado duas teses que incomodam o time de Dorival Júnior. O Santos não gosta de ser atacado e tem ainda menos apreço por adversários que reduzem os espaços, marcam duro no meio e apostam num contra-ataque fatal.
Ainda há tempo para que tricolores e santistas se acertem antes dos duelos decisivos contra Internacional e Vitória, respectivamente pela semi da Libertadores e final da Copa do Brasil. Além de se posicionarem melhor na disputa do Brasileirão.
Mas ambos dão pinta de que fizeram mau uso do tempo em que a Jabulani rolou una terra do grande Nelson Mandela.


Nó tático

Felipão dá outro status ao Palmeiras, mas não é Sassá Mutema, o inesquecível personagem a que Lima Duarte deu vida na novela O Salvador da Pátria. Não basta um técnico vencedor para acabar com o ranço perdedor do atual time do Palmeiras.
Pelo Palestra passaram recentemente Luxemburgo, Muricy e agora Felipão. Três dos melhores técnicos do futebol atual. Mas continuam jogadores de pouca qualidade técnica, que se escondem nos momentos decisivos das partidas e se recusam a assumir posições de protagonismo.
Em termos mais futebolísticos e menos psicológicos, falta um bom primeiro volante que saiba jogar e não apenas fazer faltas, um atacante de velocidade, um zagueiro rápido na recuperação e um meia veloz.
Sem isso, nem se juntar no banco o maior time de catedráticos do futebol o Palmeiras sairá do atual momento meio de tabela.


Quem será nosso apito em 2014?

Além das dúvidas sobre estádios e aeroportos, uma outra aflige o futebol brasileiro para a Copa de 2014? Quem será o árbitro brasileiro em nossa segunda Copa? Com a saída de cena de Carlos Eugênio Simon, o cenário é nebuloso. Não há unanimidade entre os principias sopradores de apito nacionais. Também falta, no fundo, um apito que soe incontestável.


Muda o técnico, mas os amistosos...

Até o final da semana a seleção brasileira terá um novo treinador. Mas o esquema de amistosos dificilmente será alterado até a Copa de 2014. Os adversários, em sua maioria, serão equipes do segundo escalão mundial, com uma exceção aqui, outra acolá. Seguirá sendo o modelo comercial, e não o esportivo, a definir a agenda.

Os Manos aceitarão?

Líder invicto do Brasileirão, um time que perde pouco e tem chegado muito. Será que os Manos, o bando de loucos, enfim, os milhões de corintianos aceitarão passivamente uma eventual convocação de Mano Menezes para comandar a seleção brasileira com o time em céu de brigadeiro?

10 comentários:

João disse...

Não há dúvidas que para liberar o Mano para a Seleção a CBF vai algo em troca ao Corinthians: O título brasileiro de 2010!

Todos os jogos do time tem erros de arbitragem a favor! O Presidente do clube era chefe da delegação na copa e um dos que apoiou o (Safado) do Kleber Leite!

O Corinthians perde um técnico e ganha (mais) um título e um estádio!

Por essas e outras este país não vai pra frente!

Abraço, João.

dezminutosoudoisgols disse...

Cara, é verdade. O Ricardo Gomes já está no São Paulo pra mais de uma ano e não se vê nada no time que tenha a mão dele. Esqueme tático, variações de jogadas, nada. O que o segurou no comando até o momento, foi a qualidade dos jogadores á disposição, que vez ou outra, resolvem decidir uma partida.

Abraços!

Anônimo disse...

Concordo contigo sobre os times de SP, mas acredito que o Palmeiras vai se beneficiar com a vinda do Felipäo porque pior do que estava näo tem como ficar.

Rafael Santos - Campo Grande MS disse...

Nori,
Acho exagerado dizer que o Santos está de cara fechada e que o time sucumbiu ao Muricy... em verdade o Santos massacrou o Fluminense e o resultado do jogo foi daquelas coisas que só o futebol proporciona. O que ficou evidenciado, apenas, é o que todos sabiam antes da parada: que o Santos não tem uma defesa confiável.
Foi um jogaço sim, mas o Santos comandou e não saiu vencedor por 3 gols ou mais por culpa da pontaria, e não da criação. O Ganso que o diga.
Se o Santos não estivesse criando jogadas, daí sim haveria motivo de preocupação.
No mais, assino embaixo... abs

Paulo Gomes disse...

Olá, Noriega! Bom retorno à outrora "terra do (bom) futebol !
De fato, o "Brasileirão" mostra times pouco confiáveis e perdidos taticamente. Entre os paulistas, São Paulo, Santos, Palmeiras ainda revelam falhas... No "tricolor" e no "Peixe", parece claro a influência da falta de maturidade de seus treinadores, pois possuem bons elencos. O Palmeiras não se revela tão forte. O retorno do Felipão e da "Família Scolari" deve dar nova cara a um time mediano tecnicamente, mas que tende a crescer. As saídas dos ídolos Diego Souza e Pierre vão pesar, claro. Mas os retornos de Kléber e do "mago" Valdívia, com certeza, trará a força que o ataque alviverde precisa. E o líder Corinthians deverá sentir muito a ausência de Mano Menezes, caso este vá comandar a Seleção. O já costumeiro domínio dos times paulistas no "Brasileirão" já não parece tão evidente.

Forte abraço, amigo!

Joao Levada disse...

Quando você resolveu chamar os Corintianos de "Manos", pensou: "Agora eu se consagro!"

Ronaldo (ronajsch@hotmail.com) disse...

O Corinthians já foi prejudicado em 2003 quando perdeu o Parreira para a seleção e pelo jeito será novamente... O pior disso tudo é não consguir um substituto à altura.

Comicuzinho disse...

João, seu comentário é no minimo patético, para ser educado.

Elabore melhor essa sua teoria da conspiração. Talvez façam até um filme sobre isso em Hollywood.

Fagner disse...

Sou da Zona Norte de Porto Alegre
Parabéns pelo blog.
Sempre quando eu posso eu volto aqui.
Abraços

Anônimo disse...

Em Off, O que está acontecendo com os jogos do Corinthians? Ontem vi mais uma roubalheira a favor do timao que nao soube aproveitar.

Está vergonhoso isso. Sera que veremos mais um escandalos de compra de juizes até o final do campeonato????

Att,
Carla Maranhão