segunda-feira, junho 02, 2008


CONFUSÃO EM RECIFE: PUNIR

O NÁUTICO SERIA UM ABSURDO


O assunto renderá muita polêmica e merece muita polêmica. Foram cenas absurdas as protagonizadas pela PM pernambucana e pelo zagueiro botafoguense André Luís durante Náutico x Botafogo, nos Aflitos. Pra começar, acho que o André Luís não fez falta no lance e não precisaria ser expulso. Ainda que fosse marcada a falta (eu acho que ele tocou na bola), não seria para expulsão. E se fosse, como foi, mostrado o cartão vermelho, nada justificaria a reação do jogador, os gestos obscenos para a torcida. O torcedor até não deveria, mas pode fazer isso: zingar, ofender, ali de longe, da arquibancada. O jogador não pode responder no mesmo nível, porque ele é um profissional. O torcedor é um amador apaixonado.
Pois o que se seguiu foi um espetáculo de pavoroso amadorismo da PM de Pernambuco. Despreparo, truculência, exagero, abuso de autoridade. Jogador não é bandido e por mais alterado que estivesse, André Luís poderia ter sido conduzido com mais educação e respeito. Ainda que tivesse exagerado, como muitas vezes os jogadores exageram. Por que espera-se que um policial profissional esteja preparado para agir em situações de tumulto. Afinal, ele é pago, entre outras coisas, para controlar tumultos, não para alimentá-los.
Ouvi, na Globo News, a entrevista do procurador do STJ, Paulo Schmidt, afirmando que o Náutico seria passível de punição no caso, por ser o clube mandante. Ora, isso seria um absurdo. Leis devem ser interpretadas usando o bom senso. O Naútico mandou que os policiais usassem e abusassem da força contra os jogadores do Botafogo? Não. Ficou provado que houve pressão em cima do Botafogo provocada pela direção do Náutico, e que o clube pernambucano teve alguma participação nos acontecimentos? Pelo que se viu e ouviu, não.
Então, porque punir um clube só por ele ser mandante do jogo se o que ocorreu foi por despreparo de uma força pública?
O Botafogo, entendo eu, é vítima e deve processar a PM de Pernambuco. Mas o Náutico nada tem a ver com essa história.

O CASO ROMERITO

Pra lá de esquisito o caso Romerito-Goiás-Sport. Em 1996 aconteceu algo parecido, envolvendo o agora meu amigo e colega Muller. O contrato dele terminou antes da final da Copa do Brasil, e Muller, então um dos craques do Palmeiras, não enfrentou o Cruzeiro. Não houve acordo, seguro etc. Romerito teve seu compromisso encerrado com o Sport e o Goiás, a quem pertencem os direitos federativos do jogador, chamou o atleta de volta. Isso na semana da decisão da Copa do Brasil contra o Corinthians. Será possível que não havia outra maneira de resolver isso? Em pleno século 21. Onde estão os sindicatos dos jogadores nessa hora?

DESAFIO PALMEIRENSE

O Lyon vem com muitos euros ao Brasil para tentar tirar Luxemburgo do Palmeiras. É um grande desafio para a nova mentalidade do clube. Porque a verdade é que o Palmeiras, nos últimos 15 anos, só foi campeão sob o comando de Luxemburgo e Felipão (há os títulos da Série B e da Copa dos Campeões, menos importantes). E Luxemburgo é a palavra-chave do atual projeto palmeirense. Muitos jogadores só estão no clube por causa dele, e a parceira atual, a Traffic, idem. Sinuca de bico se Luxemburgo resolver sair.

A DANÇA DOS TÉCNICOS

O balé começou muito cedo. Leão sai do Santos, Abelão deixa o Inter. Dois nomes de peso e dois gigantes sem treinador. Isso atiça o mercado. O Inter, dizem, quer Muricy. O Santos pensa em Autuori. Serão dias de muita especulação.

15 comentários:

André Monnerat disse...

Me lembro do caso do Flamengo x Grêmio, ano passado, em que se atirou uma latinha no gramado e isso deu em punição ao Flamengo.

Se dizia, na época, que se a polícia tivesse identificado e preso o sujeito que jogou a latinha, isso inocentaria o Flamengo, pois teria ficado claro que as providências cabíveis teriam sido tomadas. Casos semelhantes foram citados na imprensa na época.

A pergunta: não estava o Flamengo ali - como outros tantos clubes - sendo jultado pela eficiência ou não de uma força pública, além de sua responsabilidade?

Fora isso, fica claro nas imagens os torcedores do Náutico atirando objetos no André Luiz, quando foi retirado do campo pelos policiais. Além da história do vestiário trancado do Botafogo, que ainda está mal contada.

Robert Alvarez Fernández disse...

Caro Maurício, pra não chover no molhado em relação a tudo o que foi dito sobre os acontecimentos em Recife, fatos que geram aquelas intermináveis discussões nas quais ninguém parece ter razão, chamo para um aspecto interessante que está a passar desapercebido .

A oficial PM disse à mídia que o jogador foi detido por ter "descumprido o Estatuto do Torcedor" (sic); pergunto, eu que defendo que a redenção do futebol virá pela melhora contínua da experiência de acompanhar o futebol ao vivo ao invés do sofrimento que é hoje, se alguma polícia brasileira age com tanto rigor em relação aos clubes, federações e confederações que ferem, flagrante e sistematicamente, o Estatuto e nada acontece, só isso o que eu pergunto, com a palavra as "ôtoridades"...Será que quando é clube e suas ligações políticas, a polícia é instruída que isso é coisa de "dotô"??

Abraço,

Robert

Anônimo disse...

O Noriega é um grande profissional, entende muito de futebol, porém esta completamente equivocado em relação aos tumultos registrados nos aflitos no dia de ontem. Torcedores estavam dentro do campo com a camisa do Nautico e a porta do vestiário do Botafogo estava fechada. Além de o André Luis ter sido encaminhado para a delegacia instalada no estádio, passando entre os torcedores do Nautico que jogaram pedras no jogador. Não podemos isentar o Naútico, jogando toda a culpa no André Luis e na Policia de Recife, que já mostrou em outras oportunidades que não tem nenhum preparo para manter a segurança em jogos de futebol.

Anônimo disse...

Vejam a coerência de certas pessoas, eu Juca Kfouri acho que o Palmeiras tem que ser punido pelo incidente do gás por ser mandante, mesmo que não tenha culpa. Eu, Juca Kfouri, acho que o Náutico não tem culpa e não deve ser punido, MESMO SENDO MANDANTE. Eu acho que o Palmeiras deve ser punido mesmo que não tenha feito nada, mesmo que tenha sido um policial que tenha exagerado. O Náutico não deve ser punido pois nada fez e não tem culpa se os policiais agiram com excesso. Soa incoerência e é, soa implicância com Luxemburgo e é, mas tudo que digo é verdade, disse que Valdivia iria pro São Paulo, dito e feito

Serginho Laurindo disse...

Nori, só arrume lá os errinhos de digitação: na oitava linha tá escrito "zingar", ao invés de "xingar"; e onde se lê STJ, deveria estar escrito STJD. Quanto ao "mérito" dos comentários, concordo em parte com relação ao Náutico. O Bebeto de Freitas levantou uma questão interessante hoje - onde estava o presidente ou a diretoria do Náutico no momento em que ocorreu toda a confusão??? Não seria de bom grado que alguém dessa diretoria comparecesse ao gramado naquele momento, ao menos para tentar amenizar a situação??? São questões a serem tb ponderadas num eventual processo contra o clube pernambucano...

Nori disse...

Serginho, bom ponto de vista, mas imagine o seguinte: se alguém da diretoria do Náutico aparece ali, diriam que foi para pressionar. Eu acho o campo de jogo é lugar de atletas e juízes apenas. Infelizmente, não será a última confusão.
Abs

Nori disse...

Prezado André, valeu pela visita, amigo. As punições muitas vezes são exageradas, desproporcionais e até mesmo brandas. No caso do Botafogo, o André Luís chutou uma garrafa de água em direção a torcedores, ele deu início a tudo aquilo. E se pensarmos no que ocorreu em Corinthians e River e na punição branda, veremos que ainda temos muito que caminhar nisso tudo. Já atiraram coisas em mim em cabines de estádio, em mim e em muitos outros companheiros, e coisas nojentas, pode acreditar. Nada aconteceu. Triste retrato do País.
Abs

Nori disse...

Prezado anônimo 1. O Juca tem as opiniões dele, eu tenho as minhas.
Prezado anônimo 2, até onde eu sei, quem fechou a porta do vestiário foi o representante da Federação de Pernambuco. E torcedor em campo a gente precisa checar, verificar. Como fica São Januário, por exemplo? O Maracanã em jogo do Flamengo? E tantos outros estádios por aí? É tema complexo.

Pedro Víctor disse...

Caro Noriega,

Lhe apóio em um lado, mas terei q discordar de vove por boa parte!!

1º) André Luiz já entrou em campo desequilibrado e tomando minhas as palavras de Sérgio Noronha durante a transmissão pela Globo “Ele não tem nenhuma condição de ser profissional. Ele precisa passar por tratamento!”. Foi merecidamente expulso, e novamente tomando minhas as palavras, agora de Marciglia, também durante a transmissão pela Globo “Foi expulso corretamente, não por esse carrinha, mas sim por todo os seus antecedentes na partida.”

2º)A partir que ele fez jestos obcenos para a torcida já iria ser julgado, mas a partir da garrafa jogada por ele atingindo um torcedor, ele deixa de ser um jogador e passa a ser uma pessoa normal, tendo de ser punido como uma pessoa normal (Agressão)!! No momento em q ele se recusa a ser levado pelos policiais e resistiu a prisão, já está sendo enquadrado no crime de Desacato à Autoridade e posteriormente teria que ser preso sim!!

3º)Sobre o Presidente Botafoguense, ele tentou sim defender o seu jogador, mas não da melhor forma, se observarem nas imagens obtidas pelos canais de esportes da GloboSat, ele entra em conflito com os policiais, trocando socos, o que levaria justamente à voz de prisão!!

4º) Como já foi dito a porta do vestiário do Botafogo estava fechada como a do Náutico também estava, sendo assim uma medida de segurança tomada pela FPF!!

5º)Aconteceu sim um fato semelhantíssimo com o jogo Sport-PE x América-RN, não tendo repercursao tão grande pois foi com dois times do Nordeste!!

6º) Assim, o Náutico fica isento de toda esta confusão, e não deveria sequer ser julgado!! Qual a participação do Náutico nessa confusão??

7º) O torcedor alvi-rubro foi atingido sim por uma garrafa jogada pelo André Luiz, e estava dentro do campo (mas fora das 4 linhas) sim na hora em que o dito jogador passou, porque todas as pessoas, sem excessão, ao se sentir mal, ser machucado, entre outras coisas, são levadas para atrás da barra onde se encontra um equipe de médicos sentados à uma mesa!!

8º) Por fim, pretendo que voce, Caro Noriega, e todas as outras pessoas que tiverem acesso à ele, leia com atenção este comentário, e, não querendo persuadir ninguem, reflitam e deixem o preconceito com times do Nordeste, o que só nos prejudicam!!

Agradeço desde já!

Atenciosamente,

Pedro Víctor Pereira.

MARCELO LEÃO disse...

UM PAÍS DE CAOLHOS

Um OLHO vê o portão do vestiário dos aflitos fechado.
O OUTRO OLHO é cego para enxergar o portal fechado em São Januário, que impediu o Sport Recife de aquecer no gramado, tendo que fazê-lo dentro de um vestiário com cheiro de cola de sapateiro e de tinta de parede.

Um OLHO arregala-se para ouvir a referência de caráter Wanderley Luxemburgo dizer que teve dificuldades para chegar à ilha, e que a comida de um Hotel 5 estrelas fez mal aos seus jogadores.
O OUTRO OLHO é cego para enxergar as imagens do ônibus do Sport Recife sendo apedrejado no mesmo São Januário.

Um OLHO vê a “truculência” da Polícia Pernambucana ao prender um indivíduo (igual a outro qualquer), após desrespeitar várias leis (gestos obscenos, agressão, etc.).
O OUTRO OLHO é cego para enxergar a mesma “truculência” quando no Morumbi um jogador argentino foi algemado e preso ainda no estádio.

Um OLHO assiste passivamente o presidente da federação carioca de futebol pedir para que não haja mais jogos de futebol em Pernambuco.
O OUTRO OLHO é cego para lembrar que o estádio de São Januário pertence a um clube filiado a esta mesma federação carioca.

Um OLHO se enche de brilho para falar e criticar os fogos de artifícios soltados por torcedores no Recife em frente a hotéis que hospedam delegações de clubes do sul.
O OUTRO OLHO é cego para enxergar as imagens dos foguetórios realizados em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, sempre que partidas decisivas são realizadas lá.

Um OLHO se abre para criticar o Estado de Pernambuco, seus Estádios de Futebol (onde se diga nunca houve mortes por brigas de torcidas), e seus Clubes.
O OUTRO OLHO fica cego e não se lembra das mortes de torcedores em estádios do sudeste e do sul.

Um OLHO se abre de PRECONCEITO.
O OUTRO OLHO se fecha de VERGONHA.

Marcelo Brito Carneiro Leão

Anônimo disse...

Nori, parabens pela sua sensatez, vc e uns poucos jornalistas tem se mostrado neutros quanto a essa confusao toda, e parece que isso é o que mais fere os interesses de alguns setores do futebol brasileiro. mais parece retaliação por parte de algumas midias no sentido de prejudicar claramente a equipe de recife que vem se dando bem no nacional.
se querem moralizar nosso futebol deviam comecar pela extincao do clube dos 13 que é a verdadeira mafia do futebol!

Felipe Amorim disse...

Esclarecendo duas afirmações aqui levantadas. Em momento algum a torcida do Náutico atirou objeto no campo. A torcida se comportou de forma exemplar como relata o próprio árbitro na súmula da partida. Nem mesmo quando jogador teve de seguir escotlado pela saída de emergência. Neste mesmo instante quem tumultuou a saída do jogador foi o presidente do Botafogo. O outro esclarecimento é que não houve invasão por parte da torcida do Náutico. O único torcedo alvirrubro que se encontra no campo teve sua entrada autoriza pela polícia. Se tratava do torcedor atingido pela garrafa e que foi buscar atendimento médico na ambulância que se encontra no gramado.

Noriega, parabéns pela sua crítica neutra, tão diferente das demais que estamos acostumados ver por aí.

Abs,
Felipe.

Anônimo disse...

Juquinha ataca de novo!

Antes de lerem o que segue abaixo e cujo original se pode encontrar aqui e, sobretudo antes de lerem meus comentários, peço a gentileza de atentarem para o seguinte: recentemente, a insólita hipótese de que alguém ligado ao São Paulo tivesse, acidentalmente ou não, causado o famigerado episódio do gás tornou-se bastante menos insólita. Isso não me interessa. O que me interessa é que Juca Kfouri disse que, pouco importando os responsáveis pelo pastelônico ocorrido, o Palmeiras deveria ser punido porque, ora vejam só, era mandante do jogo que, ademais, em seu estádio se dava. As eventuais punições a dirigentes são-paulinos nada teriam a ver com essa realidade incontornável, ontológica e, portanto, jucosa.

Isso ele disse àquela época. Vejam o que diz hoje, acerca do Desastre dos Aflitos, domingo passado:

Peraí!!!!!

Leio um monte de gente, na imprensa, inclusive, pedindo a interdição do estádio dos Aflitos.

Mas, por quê?

Pelo que fez a PM?

Com t

Anônimo disse...

É preciso que o Brasil saiba: desde ontem tento comprar ingressos para mim e meu filho na torcida do Sport no morumbi e não existe ingressos. Por favor divulgue isto Noriega. Em são januário foi a mesma dificuldade, onde tive que voltar pois o Eurico só colocou 300 ingressos disponíveis para os rubro negros.
Acho que se isso acontecer em Recife, vai sair nos jornais do mundo inteiro. Por isso conto com vc que é um jornalista sério.
Parabéns pela imparcialidade.

Tomas disse...

Arespeito da suposta "sorte" do Flu eu respondo: sinto muito, dizer q a classificação do FLU foi “sorte” simplesmente não reflete a realidade. Não existe "se" na vida. Foi como foi e pronto. Créditos à zaga do Flu que é muito competente, POR ISSO, e não por falta de “sorte”, que o Boca não fez gols. Por acaso a zaga não faz parte de um time? Por que dizer q o "adversário dominou mas não conseguiu fazer gols" é falta de sorte/ azar ?? Por que não se dá o devido crédito aos jogadores cuja função é justamente IMPEDIR O GOL?! Pq ser bem sucedido nessa tarefa seria apenas "sorte"? O Flu jogou como tinha de jogar contra o SP e contra o Boca. Conteve o ímpeto dois e qd eles se cansaram de marcar com pressão e muita correria, se cansaram e entregaram o jogo para um Flu ainda inteiro fisicamente. È simples, não é física quântica. Não é sorte, é competência e tática. O Flu fez CINCO gols no temido Boca...isso é sorte?!?! Por favor!!

Muito se disse na época da Copa de 82 e 86 que a Seleção dirigida por Telê, com Zico , Junior, Falcão,Eder,Cerezo, Leandro etc, teria perdido DUAS COPAS por falta \"sorte\". Passado o tempo, essa visão já foi revista e já se admite q o time era de fato um "dream team", mas a que zaga não estava à altura do resto do time. Se hoje os especialistas admitem que não foi APENAS a sorte do Paolo Rossi, e da seleção italiana "inferior" (e campeã), deveriam rever seus conceitos e aplicar a mesma regra neste caso que discutimos aqui. O Flu tem zaga, tem goleiro, tem atacante e ainda bem, um POUCO de sorte, a sorte dos competentes.