domingo, junho 29, 2008

FÚRIA

A Espanha reina soberana sobre o futebol europeu, 44 anos depois de seu primeiro título. Finalmente o futebol jogado pelos espanhóis se equivale ao bom futebol jogado na Espanha (quase sempre por estrangeiros, diga-se). Há muito o que comemorar, não apenas pelos espanhóis, com essa Uefa Euro 2008.
Pelo lado de Castela e Aragão, além da conquista, é mais do que justo celebrar o futebol de um Iniesta, rápido e habilidoso, de um Fabregas, do grande goleiro Casillas. E com a providencial ajuda brasileira, um senhor volante chamado Marcos Senna, tipo dono do time, passe preciso, marcação incansável. Se ele faz o segundo gol naquela jogada maravilhosa que ele mesmo iniciou, viraria mito na terra de Cervantes.
Que dizer de Fernanto Torres? forte como um cavalo, oportunista como o herói espanhol de 1964, Marcelino.
Da Alemanha há quase nada a destacar. Fora Schweinsteiger, craque mesmo, o time foi uma pálida lembrançda da esquadra poderosa e confiante de outras jornadas. Podolski pipocou, Ballack, se estava machucado, deveria ter pedido para sair, pois praticamente não entrou. Metzelder é fraco demais.
Para o mundo, a Europa passa a mensagem de que o futebol pode ser mais livre das amarras táticas, das teorias professorais dos treinadores, e deve ser entregue cada vez mais aos jogadores, pois talento, felizmente, ainda há de sobra.

3 comentários:

Robert Alvarez Fernández disse...

Caro Maurício, obrigado pelo post e pela análise com a qualidade de sempre.

Como filho de uma família bem grande que tem apenas 10 integrantes não espanhóis fiquei muito feliz pela vitória da Espanha; minha mãe, do alto de seus setenta e poucos anos,vibrando e torcendo como uma adolescente, de alma lavada, foi muito bom.

Esta vitória da Espanha traz sim as lições de como o futebol pode ser bem jogado, verticalmente, pra frente e trazer resultados, creio que a Euro 2008 realmente, como você disse muito bem, nos traz esse claro sinal, tanto como navegar, evoluir é preciso; ver as coisas sob uma nova e fresca perspectiva.

Do lado da administração : o planejamento na renovação da equipe feito por Aragonés, o aspecto motivacional que fez do grupo uma fortaleza capaz de suportar todas as pressões e estigmas, exorcizados devidamente, são pequenos "cases" que vale a pena refletir.

Abraço e bom retorno.

Robert

Joao Luis Amaral disse...

Fala, Nori!
Fui somente eu, ou ao trocar da SporTV para a Globo, depois da final da Eurocopa, para acompanhar o final de Cruzeiro e SPFC, outros também perderam completamente o interesse pela partida do Brasileirão?
PelamordeDeus! Que diferença BRUTAL de qualidade... isso porque falamos de dois favoritíssimos ao título nacional...
Abs.,
Joao Luis Amaral

Luis Felipe Freitas disse...

Nori,
gostaria de te parabenizar pela cobertura desempenhada por vce os companheiros do SporTv. Gosto muito do seu blog e sou leitor assiduo de seus comentarios. Porem, hei de discordar de vc, qnd diz que Fernando Torres é forte feito cavalo. Na minha opiniao, el nino Torres é um bom jogador...mas que tem muito a evoluir, principalmente no aspecto psicologico.
Obrigado pelo espaço e continmue sempre com seus excelentes comentarios.