segunda-feira, março 03, 2008


VALDÍVIA, ADRIANO, IARLEY,
TARDELLI, ROGER, EDMUNDO...


Como é bom um final de semana em que se fala quase nada de arbitragem e muito de jogadores, de gols, de clássicos. Alguns personagens se destacaram e merecem algumas análises. Vamos a eles.

VALDÍVIA - Pela primeira vez na carreira o chileno do Palmeiras foi decisivo em um clássico. Ele mesmo disse que nem no Chile tinha sido. Está claro que Valdívia evoluiu com Luxemburgo. Sempre foi habilidoso e técnico, agora está mais combativo e agudo. Tem participado de todos os lances decisivos do time. Está entre os melhores em atividade no Brasil, é um dos poucos jogadores que ainda têm lampejos, pensam algo diferente. Valdívia sofre um pouco do preconceito que o argentino Tevez enfrentou no Brasil. Alguns jogadores, treinadores e analistas brasileiros têm bronca de jogadores estrangeiros. O que é uma bobagem. Se o cara joga bem, não interessa onde nasceu.

ADRIANO - Tem gente que não sabe aproveitar as chances que a vida oferece. O São Paulo, o mais organizado dos clubes brasileiros, caiu no colo de Adriano. Esqueçamos o dinheiro e o poderio econômico europeu. Adriano está recebendo a oportunidade de ser protagonista numa equipe que disputa a Libertadores, tem destaque na mídia e, o mais importante, não precisa do Adriano. Mas quando ele mesmo afirma que não é um jogador normal, já se percebe o tamanho do problema. Adriano pensa que é mais do que é. Seu desempenho no Paulistão é, quando muito, modesto. Gente normal como Otacílio Neto, Xuxa, Camilo, Pedrão já fez mais que ele. Adriano só tem razão quando afirma que dão muita bola para o que ele faz. Eu, particularmente, estou pouco me lixando para o que ele, qualquer jogador ou outra pessoa faz da sua vida. Cuido da minha. O problema, como dizem lá no Interior, é que o Adriano faz e senta em cima.

IARLEY - Taí um caso de bom jogador, diria muito bom, em que pouca gente presta atenção. Iarley mudou de patamar como atleta depois que passou pelo Boca Juniors. Manteve a boa habilidade já mostrada no Paysandu, mas se transformou num jogador mais tático e inteligente após jogar no país vizinho. No ótimo Inter do Abelão Iarley é líder e decide. Ele e Alex são, hoje, o ponto de sustentação do Colorado. Que está pintando como o grande favorito para o Brasileirão.

ROGER - O espírito gremista e os bons ares dos Pampas parecem estar fazendo efeito em Roger. O cara sabe jogar bola, mas muitas vezes não mostra muito interesse. No Grêmio não tem essa conversa e quem chega no Olímpico sabe que, craque ou perna-de-pau, tem que suar, e muito. Roger dá pinta de que entendeu o recado. Com a qualidade rara que ele tem de passe e visão de jogo, se mantiver o ritmo, vai dar muito certo e ajudará o Grêmio em seu trabalho de reestruturação.

TARDELLI - Outro caso de talento que vem sendo seguidamente desperdiçado pelo próprio dono. Esse garoto é um caso raro de atacante técnico e habilidoso, com frieza na hora da conclusão. Sempre teve esses repentes, começa bem uma temporada, depois some e volta a ser uma promessa ainda não cumprida. No Flamengo parece estar onde sempre sonhou. Com um pouquinho de cabeça no lugar ele tem tudo para, finalmente, se tornar uma realidade.

EDMUNDO - Lá vai o Animal em sua última temporada (palavras do próprio em entrevista que fiz com ele para a edição da revista Placar que está nas bancas). Edmundo é daqueles jogadores que jamais deveriam parar, tamanha a sua capacidade. As encrencas, com certeza, abalaram seu prestígio e prejudicaram sua carreira. Mesmo assim, fez tudo que fez. Merece um bom ano de despedida.

9 comentários:

Anônimo disse...

o Alex vem jogando muito no Inter.A direção montou um time com muitas opções na reserva, e isso é fundamental.Atente para Guto, atacante da base que vem entrado aos poucos no time, dizem ser excelente.Seu começo é promissor.


Marcos

Anônimo disse...

complementando..O Iarlei apareceu muito em 2006, esse ano ele jogou muito.Mas em 2007 caiu de produção.Esse ano está bem denovo;


Marcos

Joao Luis Amaral disse...

Fala, Nori!
Adriano, infelizmente, parece uma grande criança mimada. O dinheiro e a fama, ao invés de ajudá-lo a dar valor às conquistas, o faz pisar naqueles que o ajudam. Como vc bem colocou: o SPFC nao precisa dele, mas a recíproca NAO É verdadeira. O que ele faz fora de campo é problema dele. Gosta de balada? Pois vá! Curta a vida! Mas chegue no horário aos treinos, cumpra os exercícios, jogue com categoria, faça o que dele se espera. Ninguém pede que seja o salvador da pátria, mas que faça o "feijão com arroz", concorda?
Infelizmente, caso típico de alguém que deixou poder e fama subirem à cabeça.
Grande abraço,
Joao Luis Amaral

Anônimo disse...

Não foi a primeira vez que Valdivia foi de cisivo, foi a primeira vez que fez gol, mas já houve vários clássicos em que o chileno foi o melhor em campo, cito o 3 x 0 contra o Corinthians do ano passado, apesar dos dois gols de Edmundo, o mago foi o melhor em campo, dando passes para o gol, dribles desconcertantes, enfim o dono do jogo. É comum considerar decisivo quem faz o gol, mas ontem , no gol, Valdivia simplesmente empurrou a bola para dentro do gol, não foi pelo gol que foi o melhor, foi pela jogada em que entrou sozinho na cara do gol, em impedimento mal marcada, foi pelo penalti sofrido, foi pelo passe dado a Diego Souza, pelos dribles, pelo chute no ar, e claro pelo choro.


Bruno

Iara Alencar disse...

Flamengo...

o problema é que todos esses cidadãos ai nao são os bons mocinhos que as mesas redondas curtem.

mas estou cansada de mocinhos!!!!

hun...vc tb coemnta de musica/?//que engraçado...

Iara Alencar disse...

O legal de futebol é que dá pra misturar com tudo.

Fia Soares disse...

Oi tdb com vc, com certeza o Adriano estar perdendo a grande oportunidade que o São Paulo estar lhe dando, mais assim mesmo eu acredito no seu potencial e no seu talento porque todo jogador tem seus dias de grises uincluise o nosso Ronaldo (fenômeno), tenho clareza que o Adriano ainda vai brilhar no São Paulo.
Sou uma torcedora apaixonada do Tricolor Paulista e pode apostar vamos ganhar esse ano um fore abraço ...

Fia, Gurinhém - PB

Anônimo disse...

Penso que o são paulo continua sendo uma farsa.. vendendo a idéia de que recupera jogadores com problemas mentais com.. como é mesmo, carinho...
e a vida segue

Cone Boy disse...

Nori,

Caso Valdívia fosse brasileiro, você enxergaria espaço para ele na Seleção Brasileira?
Caso a respostas seja afirmativa.
Titular? Reserva?

Grande Abraço!