terça-feira, novembro 13, 2007




VAMOS AO QUE INTERESSA
Dia 19 chega às lojas na Europa e dia 20, nos EUA. Por aqui ainda não sei, mas deve ser em breve. Registro ao vivo da perna europeía da grande turnê Turn It On Again 2007.
Segue abaixo a lista das músicas:
Disco 1.
Duke's Intro / Behind The Lines / Duke's End (Live In Manchester)
2. Turn It On Again (Live In Amsterdam)
3. No Son Of Mine (Live In Amsterdam)
4. Land Of Confusion (Live In Helsinki)
5. In The Cage / The Cinema Show / In The Cage / Duke's Travels (Live In Manchester)
6. Afterglow (Live In Manchester)
7. Hold On My Heart (Live In Hannover)
8. Home By The Sea (Live In Dusseldorf & Rome)
9. Follow You Follow Me (Live In Paris)
10. Firth Of Fifth (Excerpt) (Live In Manchester)
11. I Know What I Like (In Your Wardrobe) (Live In Manchester)
Disco 2
1. Mama (Live In Frankfurt)
2. Ripples (Live In Prague)
3. Throwing It All Away (Live In Paris)
4. Domino (Live In Rome)
5. Conversations With 2 Stools (Live In Munich)
6. Los Endos (Live At Twickenham)
7. Tonight, Tonight, Tonight (Excerpt) (Live In Rome)
8. Invisible Touch (Live In Rome)9. I Can't Dance (Live In Munich)
10. Carpet Crawlers (Live In Manchester)

Um comentário:

Marcos Haendchen disse...

Caro Nori , muitos são adeptos do futebol \" arte\",igual a Armando Nogueira,Alberto Helena Jr. Mas se formos a ver a realidade,na minha opinião, o futebol é competição e não espetáculo.Aliás , o espetáculo que eu vejo pode ser o que você não vê , e vice e versa.Veja os times campeões, os de “resultados” obtidos, veja como jogam ou jogaram .Todos são adeptos da combatividade, pegada, marcação forte,velocidade, ocupação de espaços etc.O futebol vive de resultado,que é o seu propósito, e não deixa de ser um negócio.Vejamos alguns times campeões : seleção Brasileira de 94( time muito marcador e deixava dois cracks resolverem na frente),seleção de 2002( compacta, jogava no 3-5-2 e deixava Rivaldo e Ronaldo resolverem), veja a história da seleção Alemã, sempre combativa, forte,rápida, compacta, ciente em campo, e multicampeã.Os times gaúchos por natureza( bi campeões do mundo, e duros de serem batidos em jogos decisivos) a seleção Brasileira da última Copa América( para mim aquela final contra a Argentina foi um primor tático, todos marcando, não deixando espaços e matando no contra- golpe).Foi o protótipo do modernismo no futebol, principalmente quando Dunga colocou o Daniel Alves no meio campo, ali ele foi perfeito.Ganhou em marcação, e teve uma saída rápida pelo flanco.Mas a imprensa queria Diego ne ? Porque colocar um meia que não marca em campo, sem comprometimento tático , se pode-se promover um ala ou um volante versátil que chegue a frente com qualidade e ao mesmo tempo ocupe espaços e marque o campo todo.Já que o Brasil estava postado atrás da linha da bola.Agora vamos pegar alguns exemplos mais recentes dos times que jogam para frente, o chamado \" futebol arte\", que resultado tiveram?
Seleção de 82?Perdeu.Que resultado teve o Carrossel Holandês contra a competitiva seleção Alemã? Perdeu.Como foi a seleção de 2006, virada só em atacantes e meias? Time totalmente faceiro e sem nenhum propósito tático,com o agravante de estar com alguns jogadores muito mal preparados fisicamente.Daí você me diz, ahh mas na copa das confederações o time foi bem.Mas que time enfrentamos lá? Todos esquecem isso, pegamos a Grécia( time fraquíssimo) perdemos para o México, ganhamos de uma Alemanha em crise com Kllismann para cair( e jogamos mal),depois a única partida que jogamos bem, contra uma Argentina B, com o time reserva.Ou seja, contra adversários fortes, se você não tiver um time aplicado taticamente e equilibrado não chega a lugar nenhum.Idem os exemplos que citei.
Uma coisa que todo mundo diz, é porque o Ronaldinho Gaúcho joga bem no Barcelona e não tão bem na seleção.Mas nunca vi ninguém dar essa explicação que vou citar, porque no futebol espanhol ele joga solto, ninguém marca ninguém, os caras marcam a distância, e os zagueiros são fraquíssimos tecnicamente.Com espaços, um crack como ele, claro faz a diferença.Mas na seleção é diferente, os zagueiros e jogadores de meio campo, grudam mais, marcam mais de perto ou até mesmo individualmente, e isso dificulta e muito o trabalho dele, porque não está acostumado.Veja o São Paulo do Muricy Ramalho, time moderníssimo, começa marcando lá na frente, ocupa todos os espaços. E quando tem a bola é consciente , equilibrado,è um modelo do futebol atual, além de ter grandes zagueiros o que facilita esse modelo de
jogo. Alias o Muricy, disse a um tempo, que mudou muito o modo de enxergar o futebol, depois da sua passagem pelo futebol gaúcho.Próprio Flamengo, encontrou um equilíbrio com o Jailton e Cristian na frente da área, dando liberdade para o Ibson jogar, sem a responsabilidade de marcar tanto, isso fez crescer e muito o futebol dele, solto, participativo, sem ter que se desgastar muito na marcação.Joel encaixou o time dessa maneira,porque deu a proteção necessária a defesa.É por isso que o time está jogando tão bem,e está solto do meio para frente.Porque possui uma retaguarda atrás( insisto pela presença do Jailton e Cristian), além do equilíbrio técnico garantido com a entrada do Fábio Luciano. O que penso é que um time marcador , pegador, se tiver um ou dois jogadores que fazem a diferença, tem muito mais chance de ser vitorioso, do que um que tenha vários que façam a diferença( cracks) mas com poucos que marquem, que carreguem o piano, entende? Por isso, me da arrepio quando vejo o Helena por exemplo, ser adepto do modelo de jogo do Manchester.Quero ver aonde ele vai chegar jogando assim na Liga.A sorte é que o Neville está machucado.Admiro seu trabalho, só acho que vocês aí no centro do país , dão pouca importância a marcação,ao analisar os problemas de uma equipe.Sou seu telespectador,e gosto muito dos seus comentários, sempre providos de equilibrio , ciência , tranquilidade e sensatez.Desculpe ter me alongado.

Abraços Marcos Haendchen
Estudante de Direito
PORTO ALEGRE