quinta-feira, outubro 26, 2006

UM CLÁSSICO PAVOROSO

Em 20 anos de carreira, já tinha visto muitos clássicos ruins, mas confesso que, puxando pela memória, fazendo algumas pesquisas, conversando com amigos e colegas, fica difícil lembrar de algo tão feio como o que fizeram Corinthians e Palmeiras nesta quarta-feira, no Morumbi.
Em termos de resultado, o Corinthians tem muito o que comemorar. Saiu do sufoco, jogou a bomba no colo do rival e pode ter um pouco mais de tranquilidade. Para o Palmeiras, foi um desastre.
Agora, difícil é aceitar que dois gigantes do futebol brasileiro possam ter mandado a campo times tão ruins como os de ontem. Leão, com sua autoproclamada experiência, baseada em muita arrogância e prepotência, não conseguiu dar uma cara de time ao Corinthians. Não há nada que se aproxime de equipe, nenhuma jogada ensaiada. Falta estrutura coletiva, a recomposição é sofrível. E ontem a sorte sorriu para o leonino treinador. Já pensando em segurar o empate, tira Amoroso, o melhor do time, e coloca um jogador de marcação. No mesmo instante sai o gol, e a impressão geral que fica é que o técnico foi ousado, escalou dois atacantes, quando na verdade não foi nada disso.
O Palmeiras é uma sucessão de equívocos. A começar pelo banco. Marcelo Vilar é um acidente de percurso, não tem qualquer condição ou experiência para dirigir time grande. Está visivelmente apavorado e, fora isso, é comprometido com os jogadores que vieram do Palmeiras B. Como explicar para quem gosta de futebol que Alceu jogue e Dininho fique no banco? Ou por que um técnico que precisa ganhar o jogo, na teoria, tira um armador e coloca um jogador de velocidade para atuar como meia? Ou será que o Palmeiras não fazia questão de ganhar o jogo?
Não creio que os gigantes serão rebaixados. Menos por competência deles e mais por incompetência de outros concorrentes ao vexame.
Agora, que futuro espera corintianos e palmeirenses? Sem o dinheiro e os jogadores da parceira, que Corinthians estará em campo em 2007? Endividado, apequenado em 2006, que time poderá montar o Palmeiras em 2007?
Por que, calculando por baixo, uns 35 milhões de brasileiros sentiram-se traídos por suas paixões no clássico de ontem. Como diria meu amigo Milton Leite: Meu Deus!

9 comentários:

Luiz Fernando Bindi disse...

Perfeita análise, Nori.

Dinho banco de Alceu. Tem futuro um time desses??

Rubão disse...

Escrevi exatamente isso e mais no meu blog, no tópico "Inacreditável...".

o endereço novo é http://efexor-75.blogspot.com/

e o Villar ainda disse que o jogo foi ótimo. acho que ele tomou ácido e viu um tape da final de 93. afinal, Edmundo era tb o camisa 7....

márcia disse...

ô Maurício, agora q vc tem blog próprio não entra mais no do lindo Lisaugusto...ahhhh

Juliana disse...

Oi Nori!!Descobri só agora teu blog.Mas adoro teus comentários na Tv.Vou passar sempre por aqui.O Corinthians não se acerta em campo e nem apresenta contornos de que vai se arrumar.O Palmeiras já não era grande coisa,mas Salvador Hugo Palaya deu uma ajuda pra piorar mais um pouco.Tão ruim quanto o jogo foram as coletivas.M.V achou o jogo ótimo, digno de um clássico e Leão falando que tinha que ver no vestiário como os jogadores estão felizes e alegres,jogam com simplicidade...
Falando em Milton Leite,aquele jogo merecia um Que beleza a cada passe.
Mas acho que apesar do esforço de Corinthians,Fluminense e Palmeiras a vaguinha vai ficar com a Ponte.
Abraços!!!!

menon disse...

O Leão foi bem melhor do que o Vilar, não achou? Chegou a colocar três atacantes no jogo.

Nori disse...

O Vilar ainda é muito cru. O Leão deu sorte ao tirar o Amoroso e sair o gol, mas pelo menos buscou mais o resultado.

Fernando Galvão disse...

O melhor do jogo foi o vinho que tomei...

Webão disse...

Foi clássico dos recalcados. O Sem-Libertadores (Corinthians) contra o Sem-Mundial (Palmeiras). Devíamos rebatizá-lo de derby para recalclássico!! A diferença de Palmeiras e Corinthians para o São Paulo é simples. O Tricolor nasceu praticamente junto com a profissionalização do futebol. Corinthians e Palmeiras surgiram na era do amadorismo, e amadores continuam até hoje. É só ver o naipe dos dirigentes do Timão (alguns são semi-analfabetos) e do Verdão (o Palaia até inventou a auto-entrevista)... A moeda continuará a cair de pé por muitos anos... Saudações Tricolores!

Nori disse...

Caro Webão, o São Paulo tem dirigentes melhores porque são dirigentes que preferem que o time vença, apesar das diferenças políticas. Mas lembremos que até o São Paulo com sua estrutura e administração já viveu tempos bicudos recentemente. A diferença é que soube sair deles com bom trabalho.
Abs