terça-feira, março 29, 2011



A fábula de um


goleiro espetacular




Reproduzo a coluna publicada hoje no Diário de S.Paulo.


Todo caso de sucesso reúne talento, sorte, suor, drama e coincidências. Rogério Ceni não é diferente. Sua trajetória de jovem sonhador a atleta mais importante da história do São Paulo Futebol Clube tem contornos de fábula.

Do primeiro ao centésimo gol, Rogério pavimentou seu destino de mito do clube tricolor contando com tragédias, o acaso e ajudas providenciais. No entanto, não teria conseguido nada se não tivesse talento e uma inteligência acima da média do boleiro nacional.

A tragédia veio na morte de Alexandre, promissor goleiro do São Paulo no início da década de 90, em acidente de automóvel. Alexandre estava à frente de Rogério na escala para suceder Zetti.

O acaso ajudou Rogério a se transformar em ídolo, já que ele enfrentou um período de entressafra no Morumbi. Chegou ao time depois dos anos de glória de 1992 e 1993, quando o Tricolor conquistou a América e o mundo. Passou por dez temporadas seguidas sem participar da Taça Libertadores e com poucos títulos, até protagonizar outra época gloriosa, a partir de 2005.

A ajuda veio de Muricy Ramalho. O treinador bancou o goleiro como cobrador de faltas em 15 de fevereiro de 1997, quando Rogério marcou seu primeiro gol, diante do União São João de Araras.

Não vejo o atual camisa 1 como o melhor goleiro da história do São Paulo, tecnicamente. Acho Zetti mais completo. Dizem que Poy era fantástico. Pouco importa o que penso. Rogério é um excelente goleiro e se transformou no maior atleta de seu clube. Ousou fazer algo que poucos faziam e fez melhor.

A sua personalidade forte criou problemas. Ele muitas vezes fala como cartola e não como atleta, num discurso planejado para agradar ao torcedor são-paulino. Impetuoso, viveu dias difíceis, foi suspenso pelo clube, esteve a ponto de sair. Exerce liderança incontestável, que lhe rende apelidos como Presença, Patrão, Chefia e Abelha Rainha.

Incomoda dirigentes. Muitos acham que o goleiro extrapola o espaço do atleta dentro do clube. Ceni exala uma certa arrogância própria daqueles que sabem que são muito bons no que fazem. Não é o único, nem será o último.

Mas o que ficará é o feito inédito. Ao marcar seu gol centenário, Rogério garantiu passagem para a história, viajando em primeira classe.


Pôquer misterioso
A já famosa mesa de pôquer da casa de Ronaldo Fenômeno recebeu um encontro inusitado há alguns dias. Trocaram cartas por lá o técnico Muricy Ramalho, logo após sair do Fluminense, e Andrés Sanchez, presidente do Corinthians. O tempo dirá se era apenas jogo de baralho ou se alguém está blefando nessa mão.

Verdão em nova casa?
Líder do Campeonato Paulista, semana tranquila. Felipão deve passar por Itu, a convite de seu amigo Juninho Paulista, ex-jogador e hoje dono do Ituano. O treinador do Palmeiras vai dar uma conferida no reformado Estádio Novelli Júnior, que pode receber jogos do Verdão enquanto o Palestra Itália é reformado.

Bronca da Fifa
Gente graúda na organização da Copa de 2014 já está preparando o ouvido. Sopram maus ventos da Fifa em relação ao Brasil. Deve vir bronca pública e pesada, em breve, por causa do atraso em relação a tudo que envolve as obras para o próximo Mundial. Os pitos, espera a Fifa, servirão para acelerar o que for possível.

Nó tático
Não gosto de ver time de futebol sem meio-campo inventivo. É ali, no departamento de criação, que surge e floresce uma grande equipe. Ver a seleção brasileira com um miolo tão pobre em termos de criatividade me preocupa.

Tudo bem que temos o Ganso, titular absoluto quando voltar ao time. Mas, se ele não puder jogar, numa eventualidade, como fazer? Já basta a tristeza que foi aquele exército de volantes do Dunga na África do Sul.

Ultimamente, a seleção brasileira desenvolveu o péssimo hábito de desprezar os meias de rara estirpe. Cometeu o pecado de não levar Alex, do Fenerbahce, da Turquia, a uma Copa do Mundo, nos privando de um dos preceitos básicos do futebol brasileiro, a criatividade, o improviso.

Atacante não é problema. Isso temos aos montes, todos muito bons. O que falta é encontrar alguém para fazer par com o Ganso, jogando pelo lado direito. Com Neymar, Pato, Lucas, Robinho, essa turma toda na frente, o Ganso no lado esquerdo, se o Mano descobrir um meia destro do tipo do gringo Montillo, do Cruzeiro, aí, sim, arriscarei dizer que em 2014 vamos pras cabeças. Não sei em que estádios, mas vamos.

9 comentários:

Ozana disse...

Rogério Ceni é espetacular. A cada dia tenho mais orgulho de ser sãopaulina!!!!!!!!!!!!!!!!

Ozana disse...

Rogério Ceni: Fenomenal!!!!!!!!!!!!!

Leonardo Damin disse...

O Rogerio Ceni fez historia. Eu acho que até o fim do ano ele vai fazer muito mais gols. É um excelente goleiro, eximio batedor de faltas, e uma excelente pessoa.
Acho que o Muricy vai ir mesmo para o Santos. Já deve estar tudo acordado, e o Andres não tiraria o Tite agora.
Esse é o problema de reformar o estádio. Você fica sem um estadio para jogar. Não sei se o Novelli Jr está em boas condições, mas se estiver pode ser uma boa para o Palmeiras.
Os responsaveis pelas obras no Brasil são na verdade irresponsaveis. Não estou citando apenas os estadios. Aeroportos, transporte publico, estradas, segurança e hospitais também são algumas das coisas que tem que melhorar no Brasil. E não apenas por conta da Copa do Mundo. E sim porque o povo brasileiro merece morar em um país com tais recursos.
A Seleção brasileira deve jogar com Lucas de titular. Ele dá mais qualidade a equipe. Com Ganso, o meio vai ficar muito mais forte.
Um meia que nem o Montillo é dificil de encontrar. Que tal ele mesmo? Conversa com ele e o convence a se naturalizar. Senão, vamos de Jadson mesmo.....
Abraço Noriega

Leonardo Damin disse...

O Rogerio Ceni fez historia. Eu acho que até o fim do ano ele vai fazer muito mais gols. É um excelente goleiro, eximio batedor de faltas, e uma excelente pessoa.
Acho que o Muricy vai ir mesmo para o Santos. Já deve estar tudo acordado, e o Andres não tiraria o Tite agora.
Esse é o problema de reformar o estádio. Você fica sem um estadio para jogar. Não sei se o Novelli Jr está em boas condições, mas se estiver pode ser uma boa para o Palmeiras.
Os responsaveis pelas obras no Brasil são na verdade irresponsaveis. Não estou citando apenas os estadios. Aeroportos, transporte publico, estradas, segurança e hospitais também são algumas das coisas que tem que melhorar no Brasil. E não apenas por conta da Copa do Mundo. E sim porque o povo brasileiro merece morar em um país com tais recursos.
A Seleção brasileira deve jogar com Lucas de titular. Ele dá mais qualidade a equipe. Com Ganso, o meio vai ficar muito mais forte.
Um meia que nem o Montillo é dificil de encontrar. Que tal ele mesmo? Conversa com ele e o convence a se naturalizar. Senão, vamos de Jadson mesmo.....
Abraço Noriega

Marcelo disse...

Mauricio Noriega. Vi uma foto sua ao lado do Felipão e do Casagrande em uma entrevista para o programa Arena Sportv. Como não sou assinante infelizmente não pude ver a entrevista que só pelos participantes dá a certeza do alto nível. Se for pedir demais, gostaria de saber suas impressões sobre a entrevista e se ele comentou em off algo sobre a barbaridade da reportagem publicada na Folha de São Paulo semana passada onde se fazia uma “análise” dos resultados do Palmeiras comparando o salário dele com a folha de pagamento dos chamados times pequenos. E se ele citou se há relação deste tipo de notas depreciadoras do seu trabalho sistematicamente divulgadas pela imprensa com o pessoal que ele chamou de “turma do Nero”, os incendiários dentro do Palmeiras.

Nori disse...

Marcelo, não tocamos no tema, até por acharmos a matéria meio boboca e de pouca relevância jornalística. No site do sportv, www.sportv.com você encontra trechos da entrevista.
Abs

Marcelo disse...

Noriega. Agradeço muito sua atenção e resposta. Concordo que o tema não tem nenhuma relevância, perguntei apenas pelo fato recente prorrogar o mal estar entre jornalistas e o técnico. Mas fica claro que quando se trata de pessoas que se pautam pelo profissionalismo, pela ética e principalmente por respeito humano em ambos os lados uma entrevista flui normalmente e pode se tornar até um bate papo informal pela confiança de que aquilo não será usado com maldade, coisa impossível de acontecer em uma coletiva onde os repórteres perguntam já direcionando a resposta que pretendem e o entrevistado revidando com patadas e ironias. Parabéns, e um abraço.

Beto Nitrini disse...

Acho o Rogério um ótimo goleiro! Só não gosto quando ele do alto da sua arrogância começa a dizer bobagens, como disse sobre a Globo no domingo (com quem o SP acaba de fechar, ou sobre a cera do goleiro do Santa ontem, sendo que ele fez mais de 10minutos de cera contra o Corinthians, e menos ainda quando alguém que falsificou uma proposta de um clube inglês enviado do fax de uma loja de instrumentos musicais em SP vem falar de ética no futebol.
Ótimo goleiro e ponto final. Reumido à isso

Anônimo disse...

Noriega, você é o primeiro jornalista que vem dizer o óbvio: O Zetti, embaixo das traves, era infinitamente melhor que o Goleiro de Hóquei; aliás queria ver um DVD das melhores defesas do RC, pois em dúvidas teria um arquivo pequeno...