quarta-feira, novembro 05, 2008

A HISTÓRIA E BARACK OBAMA


Uma coisa é a História que aprendemos nos livros, anos, séculos depois de ela ter ocorrido de fato. Outra coisa é ver a História acontecendo ao vivo, online, qualquer que seja o termo atual para isso. Alguns aspectos dessa História sendo feita eu jamais esquecerei. Como o instante em que Antonio Brito anunciou a morte de Tancredo Neves e a colher ficou ali, pousada no prato de sopa, sem saber para onde ir. Ou quando, atônito, me dirigia para a Rádio Bandeirantes, e ouvi a notícia de que um segundo avião se chocara contra as Torres Gêmeas em Nova Iorque. Que dizer da queda do Muro de Berlim, desenhando um novo mundo?
Ontem foi a vez de Barack Obama. Um dos significados desses dois nomes é algo como "raio abençoado". O impacto da eleição de Obama será sentido por centenas de anos, talvez como a chegada de Nelson Mandela ao poder na África do Sul. Basta lembrar que há pouco mais de 40 anos, na nação mais rica do planeta, negros não podiam, sequer, sentar perto de brancos em ônibus, frequentar as mesmas escolas. Isso sem falar em diversas outras atrocidades. Os americanos e sua democracia esquisita têm milhões de defeitos. Mas possuem virtudes que tornam possível, por exemplo, a chegada de Obama ao poder. Assim como a ainda infantil democracia brasileira possibilitou que um torneiro mecânico nordestino chegasse e se reelegesse presidente. Isso prova que o ser humano evolui. Lula pode ser um bom presidente para alguns, ruim para outros. O fato é que ele chegou lá quando tudo conspirava para que isso jamais acontecesse. Vale o mesmo para Obama. Se ele será ou não um bom presidente, saberemos em breve, mas o fato relevante é que ele agora é presidente dos Estados Unidos.
E nossa geração viu tudo isso acontecer. Imagine os americanos que eram crianças nos terríveis primeiros anos da década de 1960 e viam seus pais serem humilhados em pontos de ônibus, trens, escolas, nas ruas? Coloque-se no lugar de um desses americanos que estava ontem no Grant Park, na linda Chicago? Tente imaginar a alegria, o sentimento de alívio, a lembrança dos que sofreram antes dele para que esse dia finalmente chegasse? Dos seus antepassados escravos que lutaram pela independência do país que, depois, negava a seus filhos e netos o simples direito de cidadania.
Fica uma grande lição para o Brasil, País que celebra a miscigenação enquanto empurra pra debaixo do tapete um racismo que enquanto disfarçado ainda é vivo, cruel e presente.
Deixo aqui o vídeo do anúncio da vitória de Obama. A qualidade do texto e a precisão do âncora da NBC são cortantes. Ele é genial ao evitar a síndrome de âncora brasileiro, que teima em falar quando a imagem diz tudo. Em certo momento, ele volta e diz apenas: "ainda estamos aqui, como vocês, assistindo a tudo isso junto de vocês". Repare nos abraços e no choro de americanos de várias raças e, principalmente, nos "afro-americanos", como pedem os dias de hoje. Ali há alívio, esperança, não há traços de ódio ou de vingança. Como cita o comentarista da NBC, que cita "as sombras do nosso passado racista".
Os tempos são bicudos, mas os tempos também são de esperança. Boa sorte, Obama.

3 comentários:

Robert Alvarez Fernández disse...

Excelente texto, Maurício, como sempre, nossa geração (somos contemporâneos) testemunhou inúmeros fatos transformadores e o fim de muitas "verdades" absolutas.

A chegada de Obama à presidência dos EUA, além de todos os componentes humanos e históricos citados no seu texto, significa também, felizmente, a derrota dos neo conservadores cuja marca são a truculência, o uso da força bruta e a crença absurda que os EUA tem a missão "divina" de "salvar o mundo".

Os falcões do petróleo deixam o governo com índices de aprovação de menos de 30%, a história condena também, não só absolve.

Espero do governo Obama uma política externa mais moderada e menos unilateral assim como investimentos sociais já que a saúde pública americana, por exemplo, está bem abandonada.
Isso tudo pra dizer o mínimo, mas creio que mundo esteja mais tranquilo, chega de tanques, tropas, Guantánamo e Abu Grabhi, hora de conversar.

Abraços,

Robert

Diego Nogueira disse...

Que puta texto, cara...

Parabéns...

E concordo em número, gênero e grau!

malu cabral disse...

Caraca, Nori, mas que texto lindíssimo!

Eu passei mal aqui eram 3:40 da madrugada ao saber da vtória dele que a essa hora já era como certa, mas nada como ouvir: 'Barack Obama é novo presidente dos Estados Unidos da América!'
Nossa...chorei...
Um anjo negro que entra pra história...
Que os anjos digam amem.