quinta-feira, fevereiro 21, 2008




UMA IMAGEM VALE MAIS

DO QUE MIL PALAVRAS



Momento tiete de filho para pai. Foto sensacional. Meu velho, Luiz Noriega, está entrevistando o gênio argentino Alfredo Di Stéfano, "La Saeta Rubia" na Copa de 62, no Chile. Di Stéfano foi convocado pela seleção da Espanha, já que naquele tempo a convocação abrangia os jogadores que atuavam pela liga local. Puskas também foi convocado pela Espanha. Contundido, Di Stéfano não jogou. Na foto, além do Luizão aparecem outros craques da crônica esportiva, como Walter Abrahão (à esquerda), Milton Camargo (de boina) e Haroldo Fernandes, de cabelo escovinha.

6 comentários:

Robert Alvarez Fernández disse...

Maurício, "tietagem" mais do que merecida, que grande momento do "Seu Noriega", cujos programas na TV Cultura eu assisti muito, como já te comentei pessoalmente.

Robert

val disse...

via muito seu pai na tv cultura...comecei a gostar de futebol ali.

Joao Luis disse...

Fala, Nori!
Que barato essa foto. Genial! Para guardar com muito carinho (isso sem falar que vc, fora o talento herdado, é muito parecido fisicamente com ele!).
Grande abraço,
Joao Luis Amaral

Nori disse...

Fala, Bruno. É uma questão de coerência. Eu acho o Brasileiro o melhor campeonato do mundo. E o São Paulo tinha a melhor média do mundo entre os grandes campeonatos, Brasileiro incluído, claro. Hoje caiu demais. Mas em 2007 era, sem dúvida, a melhor do mundo. Não sou muito entusiasta do futebol europeu, prefiro o nosso.
Abs

Serginho Laurindo disse...

Hehehehe. "Filhão coruja"... parabéns pelo comentário do SP x Paulista ontem! Vc soltou uma frase que eu nunca tinha ouvido. Resume o que foi o jogo, é a mais pura verdade e vou lembrar sempre: "Time grande não precisa jogar bonito pra vencer; já para o time pequeno, NÃO BASTA jogar bonito. Tem de matar". Fantástico, simples e direto! Parabéns por essa e por todo o seu trabalho, do qual sou grande admirador! Abraço!

João disse...

Nori, esta foto é demais. Ver seu pai de repórter e o Walter Abrahão ainda com cabelos é muito legal. Fui fã de seu pai nas diversas transmissões que ele fazia na Cultura e não era só de futebol não. Ele era bem eclético.
Forte abraço!