terça-feira, março 13, 2007


RESPONDENDO AOS AMIGOS


Vamos lá, tocando a bola, democratica e aberamente, como sempre foi e sempre será neste blog, desde que não haja baixaria. E todos que gostamos de futebol devemos ter em mente o seguinte: estamos sentados em um barril de pólvora, com muita violência acumulada, muito ódio. Se o barril explodir, será uma tragédia. Cabe a todos, jogadores, dirigentes, técnicos, jornalistas e torcedores, evitar que isso aconteça. Futebol é uma dádiva, um elixir, mas não pode ser consumido com base no ódio e na violência.

AO ALEX S.A - Pare com essa mania de perseguição. Se você não lembra, refresque a sua memória. Quando eu comentei que o Magrão apelou feio e não soube perder no jogo em que o São Paulo venceu, tocando a bola, sem humilhar ninguém, você não lembra, né? Sua memória é seletiva, como a de qualquer torcedor que só vê um lado da coisa - o seu. Eu critiquei duramente Felipão, Roth e Geninho quando fizeram o que fizeram. Lugano é raçudo e Antônio Carlos é violento? Pois pra mim os dois chegam junto com exagero, embora o Lugano hoje jogue mais que o Antônio Carlos. Quando jogava no São Paulo, o que vc achava do Antônio Carlos? Ou do Dinho? O problema de alguns torcedores, e espero que não seja o seu, é que querem que as pessoas apenas falem bem do seu time o tempo todo, querem, eles, sim, uma cobertura de torcedor, parcial, e todo mundo que pensa diferente é chamado de parcial. O São Paulo é o time mais elogiado e destacado - justamente - pela imprensa brasileira. Não sei de onde vc tira essa idéia - ou mania - de perseguição. Em um jogo de 1991, o Raí deu um carrinho em campo molhado e quebrou a perna do Dorival Jr., hoje técnico do São Caetano. Ninguém crucificou o Raí por saber que ele não é um carniceiro, embora tenha pegado pesado naquele dia. Volte sempre ao debate que será sempre bem recebido. Agora, não dá pra concordar com tudo que vc pensa, assim como vc não concorda comigo.

AO MENON - Menon, não há como comparar Telê e Luxemburgo. Telê é infinitamente maior, mais preparado, mais ser humano e conquistou títulos com os quais o Luxemburgo apenas sonha. O próprio Luxemburgo chama o Telê de mestre. Eu nunca ouvi o Telê mandar bater e nunca ouvi um jogador dizer que o Telê mandava bater, pelo contrário. O Zico afirma que ele foi o único que não mandou bater. Mas nunca ouvi também o Luxemburgo mandar bater e dou a ele o benefício da dúvida. Assim como ao Leandro. Falar é fácil, provar é que é difícil. Agora, numa coisa os dois são idênticos: choram do mesmo jeito quando perdem e sempre culpam ou culpavam a arbitrgem.

AO RENATO - Se você viu Real x Barcelona e São Paulo x Santos, deve ter percebido que Muricy e Luxemburgo engoliram Rijkaard e Capello, com táticas mais bem aplicadas, com times mais bem treinados. E olha que o pau comeu também entre Real e Barça. O Inter não é melhor que o Barcelona no geral, mas naquela final foi muito, mas muito mais competente. E eu estava lá, vi de perto todo o trabalho do Inter. Que culpa tem o São Paulo se o Liverpool foi incompetente e não fez um gol? O São Paulo fez e se defendeu. Isso é proibido? Se você não sabe mais o que é futebol, é uma questão pessoal e eu respeito. Agora, para mim, futebol bem jogado foi o de Santos e São Paulo no domingo. Abs e volte sempre.

AO ANÔNIMO - O Flamengo tem mais time que o Paraná, agora chegar lá e ganhar é uma outra história, porque o Zetti é muito bom treinador e o Paraná tem um time muito certinho.

AO LEONARDO - Amigo Leo, se vc lembra bem, e certamente lembra, o Antônio Carlos quando jogava no São Paulo era chamado de elegante, de zagueiro técnico, que sabia sair jogando. E ele sempre jogou do mesmo jeito que joga hoje. E quando é violento, sempre é criticado. Teve um jogo do Santos na Vila, recentemente, que ele com 40 segundos deu um carrinho por trás e eu disse que ele deveria ter sido expulso na hora. Isso você não lembra. Não é preciso recorrer a Koeman, Maldini e Baresi, todos ótimos (embora o Koeman também chegasse junto). Tivemos Luís Pereira, Dario Pereyra, Oscar, Gamarra, Mauro Galvão, todos grandes zagueiros que jogavam - muita - bola. Quantas expulsões teve recentemente o muito bom zagueiro do São Paulo Alex Silva, vc lembra? E ninguém o crucificou ou o chamou de violento, embora ele também adore um carrinho?
Quem defendeu a violência, cara-pálida? Eu? Acho que vc está equivocado. Leandro é um bom jogador, mas provoca demais, se joga demais. Se faz isso, tem que aguentar o tranco. Prefiro o Josué, que joga muito mais e não enche o saco de ninguém. Abs.

7 comentários:

Rubão disse...

Nori, eu nem perderia tempo em responder aos torcedores sãopaulinos.

Você sabe que eles são os menos democráticos e vivem achando que todos perseguem aquela equipinha.

Reclamam de todos os estádios, mas se esquecem que o deles só não caiu porque colocaram amortecedores gigantes naquela estrutura que durante muito tempo ficou condenada pelo Contru.

Estive nas arquibancadas dele pela última vez no show do U2 em 98 e fiquei assustado como aquilo balança. Pensei que iria morrer ali.

O São Paulo é o time mais protegido pela imprensa - não sei a razão - e adoram gabar os últimos feitos. Parece que ninguém mais se lembra dos críticos anos pós-Telê ou do período 2000-2004 quando até o Once Caldas fez a festa. Por favor, publique esse comentário

Leonardo disse...

Nori quero te parabenizar pelo espaço democrático do blog.Mesmo discordando de algumas posições suas quero deixar claro que respeito a sua opinião e realmente aprecio a maneira como você respeita aqueles que aqui escrevem.Parabéns!!
Apenas um pedido:Não canha no erro de pegar no pé do Leandro porque ele provoca os adversários,pois faz parte do jogo.Diferente de entrar para quebrar,isso pode inutilizar a carreira de um atleta.
Obs. O Aloísio está com o joelho estourado e é duvida para o próximo jogo enquanto o Fábio Costa diz que futebol é coisa para homem!!Vai entender!!

AlexSA disse...

Bem colocado, Nori... Quando escrevi estava indignado com a péssima cobertura do Sportv na análise do jogo (infelicíssima a participação medíocre do Paulo Cesar Vasconcelos - simplesmente ridícula suas infelizes análises). E o jornalista que menos aprecio - Renato Prado foi o mais imparcial e centrado... Obrigado pela oportunidade... Parabéns!

Francisco disse...

Nori,

Tu és, sem dúvida, um dos melhores comentaristas que temos hoje na televisão brasileira. Mas me incomoda ver que todos, sem exceção, sempre bradam contra algum técnico que manda "pegar".

Ora, até onde eu me lembro, faltas fazem parte do jogo, e são um recurso legítimo para tentar ganhar uma partida. Pode não ser bonito, pode não ser a melhor maneira. Mas não é proibido nem feio um treinador ver um adversário escapando e dizer ao seu zagueiro "PEGA ELE!".

Acredito que hoje em dia o pessoal se preocupa muito com a imagem que passam fora de campo, e vivem cheios de dedos para assumir ou dizer algo assim. E por isso que, mesmo colorado que sofreu com ele, admiro o Felipão. Pois ele sabe usar legitimamente todos os recursos que estão à disposição em um jogo. Inclusive faltas.

Abraços
Francisco

bruno sachetti disse...

parabens pelo seu blog, se possivel, poderia adicionar meu blog nos seus favoritos??
to começando a escrever e se vc pudesse me dar essa moral..ficaria mto grato!

abraços!

Nori disse...

Francisco, o problema é o exagero. Esse pega é uma linguagem própria do futebol. Na Argentina eles falam Dale!!!! Depende de como o jogador interpreta. Jogar duro não é ser violento. Ab.s

luis henrique disse...

noriega,se o leandro se joga demais na sua opniao , o q dizer entao do tevez (mergulhador de plantao da msi) q se jogava como ninguem e diziam q ele era caçado em campo !!!
piada né !!
e o valdivia entao , o q dizer ???
encostou , ta no chao !!
pra mim vc ta enganado , o leandro nao se joga nao , pelo contrario , ele nao foge do pau nao , aguenta o tranco firme ate q deem pontape nele como fez o antonio suastica carlos !!
o q ele faz mto e isso nao to de acordo tb , é teatralizar a falta , agora , se jogar nao !!