segunda-feira, março 12, 2007


NA VILA,UM JOGO
PARA O MUNDO
VER E APLAUDIR

Santos e São Paulo fizeram tudo que se esperava no clássico de domingo na Vila. E muito mais. Um jogo para o mundo e, principalmente o prepotente futebol europeu, aplaudir de pé. Só mesmo o futebol brasileiro é capaz de oferecer um espetáculo como o de Santos e São Paulo. Técnica, tática, momentos de arte, precisão e também uma boa dose de polêmica.
Primeiro, vamos aos fatos do jogo puro e simples, com bola rolando. O primeiro tempo foi tricolor. Um time acostumado a jogos difíceis, que fez o que poucos conseguem fazer: dominou o Santos em plena Vila Belmiro. Técnica e tática andando juntos. A saída de Fredson, contundido, atrapalhou o ótimo planejamento tático do São Paulo, embora tenha sido de Hugo o passe para o gol de Islinho. O lateral-direito tricolor, aliás, gastou a bola na primeira etapa.
Ainda no primeiro tempo, Luxemburgo colocou Pedrinho como terceiro atacante e deslocou Maldonado para a função de terceiro zagueiro pela direita. Mas só na segunda etapa a mudança surtiu efeito, e o Santos também conseguiu o que poucos conseguem: sufocou o São Paulo, encurralando o adversário em seu campo de defesa.

ESPETÁCULO

Alguns lances ficarão por muito tempo na memória de quem foi à Vila ou viu o jogo pela TV. As defesas sensacionais de Fábio Costa em uma cabeçada de Aloísio e em dois chutes cara a cara de Hugo. A defesa espetacular de Rogério Ceni no toque de calcanhar de Marcos Aurélio. A furada na bicicleta de Zé Roberto, com o gol vazio.

POLÊMICA

O clássico foi pródigo em lances polêmicos, que abastecerão mesas redondas durante a semana. O gol de Jonas foi absolutamente legal. A ótima auxiliar Ana Paula de Oliveira errou num lance em que ela costuma tirar de letra. Jonas parte por trás da zaga e pelo menos dois são-paulinos dão condição.
No primeiro tempo, Marcos Aurélio e Miranda se envolveram num lance de pura polêmica. O zagueiro do São Paulo tenta puxar a camisa do santista, o que consegue apenas de leve. Ouvi gente dizendo que marcaria e outros que não marcariam o pênalti. Num primeiro momento, pela imagem em câmera lenta da transmissão do Première Esportes, eu marcaria o pênalti. Vendo com mais calma, porém, pode-se interpretar que Marcos Aurélio poderia seguir normalmente o lance, já que o puxão não interrompe sua trajetória. Difícil. Interpretação pura.
Fábio Costa saiu forte em Aloísio, pegou a bola e deixou a chuteira lá no alto, acertando o atacante do Tricolor. Todo goleiro sai do gol daquele jeito, se protegendo, mas Fábio foi exagerado. Na hora do jogo, vendo da caine e no replay, não achei pênalti. Mas me lembrei de um lance de 1978, final de Brasileiro, Palmeiras e Guarani. Leão pega a bola e fora da jogada dá um tapa de leve em Careca. Arnaldo César Coelho viu e deu pênalti. Poderia ter sido essa a interpretação do árbitro do clássico em relação ao Fábio Costa. Outro armazém de polêmica. Assim como o gol de Carlinhos. Há quem afirma que Zé Roberto, em posição de impedimento, participa da jogada ao abrir a perna no chute do lateral. Mas será que ao abrir a perna ele também não poderia estar dizendo que não queria participar do lance? E mesmo sem o Zé Roberto ali, aquela bola não daria pro ótimo Rogério pegar. Pra não ficar em cima do muro: eu marcaria os dois pênaltis, no Marcos Aurélio e no Aloísio e não anularia o gol do Carlinhos.

VIOLÊNCIA

Vejam o que fez algum "gênio" na Vila Belmiro. São três lances de assentos atrás do gol que dá para a torcida visitante. Aí, o genial organizador colocou torcedores do São Pauo na parte de cima e na debaixo e torcedores do Santos no meio. Tudo que os idiotas de plantão queriam para desfilar sua paixão pela violência. Lamentável!
Dentro de campo, Antônio Carlos pegou pesado várias vezes, exagerando na dose em algumas faltas e divididas. Assim como o excelente Josué, que joga muito, mas ontem também bateu feito gente grande. Os dois sabem jogar e não precisam disso.

SONHO

Corintianos e palmeirenses seguem sonhando com a classificação. São dois pontos que separam o Palmeiras e quatro o Corinthians do grupo dos semifinalistas. O Paulista de Jundiaí tem uma tabela muito boa pela frente e um time mais regular que os grandes rivais. Noroeste e São Caetano têm vacilado com frequência. Talvez sobre apenas uma vaga, já que Santos e São Paulo estão classificados. Vai sobrar faísca.
Em tempo: Valdívia está mostrando que é a melhor contratação do Palmeiras em alguns bons anos.

RIO GRANDE

Os grandes do Rio começaram vencendo no segundo turno do estadual. Assim como o América. O Flamengo já está na final, mas talvez sinta uma coçeira na mão para tentar definir tudo de uma vez, já ganhando a Taça Rio. Esse segundo turno promete.

11 comentários:

Leonardo disse...

Nori, inacreditável e lamentável a comparação das entradas do Josué com as do Antônio Carlos. Acompanho a carreira do Josué de perto e posso afirmar que ele jamais entrou em um jogador com o objetivo de quebrar mesmo no Goiás raramente ele foi expulso sendo um volante isso é raro. Já o Antônio chega a ser ridículo,só pratica o anti-jogo e defendê-lo é o mesmo de dizer sim a violência.Veja os demias zagueiros do jogo, quantas entradas violentas eles deram? Nenhuma. Quanto a entrada do Fábio Costa no Aloísio foi desleal, mas em se tratando deste elemento é normal pois ninguem pede a punição dele, eu nunca vi outros goleiros saírem para quebrar um atacante como ele faz.Os lances de gol do santos de fato um foi roubado pois não estava impedido e o que foi validado claramente foi irregular pois a participação com o corta luz evidentemente atrapalha o goleiro.Triste o fato do Luxa(melhor tecnico do Brasil depois do Felipão) mandar bater em um jogador, pois sinceramente basta ver as imagens do jogo para concluir porque todas as entradas no Leandro foram violentas, isso sem falar na do Tiui que tambem merecia o vermelho.
Portanto Nori, lamento a falta de críticas a violência do Santos, pois me lembro do quanto o Grêmio do Felipão era massacrado e tido como violento por muito menos, sem falar no Lugano que era tido pela maioria dos comentaristas como violento mesmo nunca tendo isso expulso até entao.
Por fim, lamentável ser marcado um clássico da grandesa de Santos e São Paulo para a Vila, estádio que não oferece as mínimas condições de segurança às torcidas espero punições pelas brigas destes marginais(interdição no estádio pela sandália atirada num jogador e etc..)
Abraços!!

Nori disse...

Rafael, abraços. Vamos aos fatos, primeiro. Vc ouviu o Luxemburgo mandar bater? Eu não ouvi. Honestamente, não dá para acreditar na palavra de jogador ou de técnico. Se eu ouvir isso, acredito. O Leandro tem jogado muito, mas é irresponsável e provoca o tempo todo, inclusive a torcida adversária. Ontem foi mandar os santistas calar a boca.O que é temeroso. Assim como o Jonas chutou a bola na torcida do São Paulo após o gol do Carlinhos. Outra bobagem. Antônio Carlos bateu - e bate- muito e Josué ontem também pegou pesado, o que não é do feitio dele. O Josué fez três faltas seguidas, todas duras, no segundo tempo. O Antônio Carlos chegou pesado em todas. Assim como o Aloísio agrediu o Maldonado sem bola no fim do jogo.
Sobre o estádio, nem a Vila, nem o Morumbi, nem estádio algum do País pode receber um jogo de alto risco com os torcedores que temos hoje em dia. São vândalos, bandidos infilitrados. Que dizer dos gandulas do Morumbi e de todos os estádios? Ou da invasão de gramado no jogo contra o Estudiantes na Libertadores de 2006? Eu vou a todos os estádios, a todos, e a insegurança é total em todos eles. Torcedores adversários e jornalistas são ameaçados a toda hora em todos os estádios. Ontem, na Vila, tentaram agrdir o Luciano do Valle!!! E a torcida do São Paulo atirou bombas no gramado. Portanto, não tem santo nisso. Os dois times são ótimos e merecem os torcedores de verdade que têm, não esse bando de vândalos.

Blog do Menon disse...

VANDERLEI LUXEMBURGO É UM MENTIROSO. Mente quando fala bom-dia, quando diz obrigado, quando fala eu te amo. Ninguém, em sã consciência, compraria um carro usado de Luxemburgo. E ele confirmou isso no clássico contra o São Paulo.

Para desmentir a acusação de Leandro (disse que ele mandou bater), que não sei se é verdadeira, usou o nome de um morto. O nome de Telê Santana. "O Telê sempre mandou jogar duro, como eu", disse o Luxa.

É mentira. Eu acompanhei Telê no São Paulo e posso garantir que é mentira. Telê fazia questão de ganhar o troféu fair play e reclamava muito das faltas cometidas por seu time. "O atacante está de costas para o gol, sem chances de jogar, o zagueiro vai lá e faz uma falta. A jogada que estava morta se transforma em um perigo. É muita burrice fazer essas faltas", dizia.

Telê "civilizou" Júnior Baiano e o transformou em um grande zagueiro. Telê nunca aceitaria uma entrada como aquela de Antonio Carlos em Leandro. Ele chamaria a atenção do zagueiro, ficaria louco da vida. Telê nunca cultivou o futebol-força. A frasde "não tem ninguém para dar uma escarrada no Edílson?" é de Scolari e não de Telê Santana.

Luxemburgo sempre quis se comparar a Telê. Eu acho que ele conseguiu isso como treinador. Alcançou o nível do Mestre. Mas, fora de campo.... Telê era muito mais fino, nunca teve seu nome à manicure, ao imposto de renda, à falsificação de documentos ete. E Luxemburgo nunca enfrentou um cartola em sua vida....

Ao mentir sobre Telê, Luxemburgo estará se distanciando ainda mais do Mestre. E sendo cada vez mais um....Luxemburgo

Alex S.A disse...

Nori, após ler estes lamentáveis - na minha modesta opinião - comentários, chego a conclusão que a imprensa é totalmente parcial e passional... Não me lembro de você defendendo o Geninho, o Felipão (na era Grêmio) ou o Celso Roth... Engraçado é saber que o passionalismo e a parcialidade da imprensa não é a favor de Corinthians, Palmeiras, Santos, mas contra o São Paulo... Lamentável...

Leonardo disse...

Nori, obrigado por me responder (só errou meu nome mas beleza).Respeito muito a sua opinião, mas não posso concordar com o fato de você dizer que não ouviu o Luxa falar, pois as imagens são muito claras(Leandro foi perseguido o jogo inteiro) e além do mais tambem não ouvi o Leandro falando que o Luxa mando bate.Quanto ao Aloísio não me lembro do lance mas se agrediu deveria ser expulso embora ache difícil alguma jogada maldosa por parte do Aloísio pois é outro que passou pelo Goiás e eu sempre o acompanhei e não me lebro dele ser expulso se quer uma vez, ao contrário do Maldonado.
Acho que se o Leandro provoca os adversários com dribles e gols, estes deveria respondê-lo com marcação forte mas jamais defenderei a deslealdade, recomendo a você assistir jogos antigos do Baresi, Maldini e Koeman e ver como se marca e desarma atacantes de foma leal e na bola.
Lamento a defesa da violência, pois algumas pessoas confundem marcaçao forte com deslealdade, voadeiras, cravo no joelho(caso do Fabio Cavalocosta).Começo agora a entender porque o Luxa não durou como técnico do Real Madrid(teria de mandar bater no time inteiro do Barça)...
Abraços!!

Anônimo disse...

nori, o flamengo vai com um time super ofensivo pra cima. o ney tirou o segundo volante claiton e recuou o renato pra essa posição (sua posição de origem digasse de passagem). o renato augusto e o juninho completam o meio junto com o paulinho de primeiro volante. souza e roni.
vc acha uma boa formação?
ele falou que o parana vem pro abafa nos primeiros 15 minutos e que o flamengo nao vai deixar barato, vai pra cima tambem.
promessa de jogo aberto e muitos gols.
da pro flamengo ganhar la com essa formação?
abraços e SRN

Renato disse...

NA VILA,UM JOGO
PARA O MUNDO
VER E APLAUDIR.....
Não força.....Imprensa!!!
O Inter é o melhor time do mundo?
Não força.....iMPRENSA!!!
São Paulo foi o melhor time do mundo?
Não força....Imprensa!!!
Esses dois times representaram o Brasil nos mundiais de maneira medíocre e vcs Imprensa.......Elogiaram......
Na verdade, não sei mais o que é futebol......Fazer o quê?
renato

Nori disse...

Alex SA, pare com essa mania de perseguição. Se você não lembra, refresque a sua memória. Quando eu comentei que o Magrão apelou no jogo em que o São Paulo venceu, tocando a bola, sem humilhar ninguém, você não lembra. Sua memória é seletiva, como a de qualquer torcedor que só enxerga um lado da coisa. Lugano é raçudo e Antônio Carlos é violento. Pois pra mim os dois são violentos, embora o Lugano hoje jogue 50 vezes mais que o Antônio Carlos. Quando jogava no São Paulo, o que vc achava do Antônio Carlos? O problema de alguns torcedores, e espero que não seja o seu, é que querem que as pessoas apenas falem bem do seu time o tempo todo, querem, eles, sim, uma cobertura de torcedor, parcial, e todo mundo que pensa diferente é chamado de parcial. O São Paulo é o time mais elogiado e destacado - justamente - pela imprensa brasileira, não sei de onde vc tira essa idéia - ou mania - de perseguição. Volte sempre ao debate que será sempre bem recebido. Agora, não dá pra concordar com tudo que vc pensa, assim como vc não concorda comigo.
Abs

luis henrique disse...

- borboa tarde noriega !!
vc como comentarista entende de futebol, na minha opniao !!
mas como comentarista tem um grave defeito , vc nao é imparcial , claramente em todos os jogos do tricolor vc persegue sempre o time do morumbi !!
em qqer lance duvidoso , a sua opniao de pronto é sempre contra o sampa !!
mesmo com a imagem mostrando q vc tava equivocado(como qdo da entrada criminosa do antonio nazista carlos na canela do aloisio , q foi clara , as imagens e a canela do aloisio mostraram q vc se equivocou,jg contra o juventude) vc nao aceita e insiste nessa perseguiçao gratuita em cima do sampa (sera q é pq seu pai era anti saopaulino tb? ) .
so vou lhe dizer uma coisa , com essa sua mania de perseguiçao contra o tricolor vc ta perdendo credibilidade e caindo no ridiculo ,pq contra imagens, fatos, nao ha argumentos !!!
saudaçoes !!
luis henrique torres borema -sp

Roberto disse...

Só um detalhe.

Quando vc coloca um título do tipo 'Rio Grande', fale do Internecional, do Gremio, ou mesmo do Juventude, e não do Flamengo!

Eu que nem de la sou fiquei meio decepcionado quando fui ler o conteúdo, imagine quem for!

Nori disse...

Roberto, gostei do comentário, do humor refinado, tipicamente gaúcho. Volte sempre!