quinta-feira, julho 21, 2011


O Mano e os caras

Não serão fáceis os próximos dias de Mano Menezes à frente da seleção brasileira. Dia 25 ele convoca os jogadores para o amistoso contra a Alemanha, dia 10 de agosto, em Stuttgart. De acordo com os nomes relacionados pelo treinador saberemos algo sobre o que deve acontecer com o time.

Se for mantido o time da Copa América, com a manutenção de alguns jogadores que estiveram na Copa de 2010 e estarão em idade avançada em 2014, Mano demonstrará claramente que precisa de resultados para se sustentar no comando do time, que isso importa mais do que um trabalho gradual até a formação de um time em 2014, sem ligações com o passado. Caso contrário, com uma lista que apresente novidades e reconciliações com jogadores que não estão sendo chamados, como Hernanes e Marcelo, Mano demonstrará que está sendo fiel a uma proposta e não a um emprego.

Comportamento e grupo são coisas relativas. No time da Copa América, havia jogadores que estiveram na Copa do Mundo e não se falavam. Dois deles sequer se olhavam ao pegar o mesmo elevador de hotel, sem se importar que houvesse testemunhas. A outra dupla proporcionou constrangimento quando um estendeu a mão para cumprimentar o outro, que ignorou.

Espírito de grupo, amizade de concentração, nada disso é determinante. Houve grandes times nos quais os jogadores se odiavam fora de campo, mas eram profissionais e honestos com a bola rolando.

Mas esse é o menor dos problemas de Mano Menezes. Há coisas mais urgentes a resolver. Encontrar um lateral-esquerdo, por exemplo. Descobrir se Kaká tem ou não condição física de jogar novamente em alto nível. Testar uma nova dupla de volantes para as vagas dos pouco convincentes Lucas e Ramires. Tratar de aproveitar a seleção olímpica para dar cancha a jogadores como Lucas, o do São Paulo, prematuramente levado para o time principal.

Neymar e Ganso devem, sim, ser os pilares dessa nova seleção. Pato é um nome que merece todo o crédito. Resta saber se vale a pena seguir apostando em Robinho, quando o próprio admite que Neymar já é melhor do que ele era com a mesma idade. Parece mais importante encontrar um centroavante para ocasiões em que se faça necessário.

Se Mano ouviu a sensacional entrevista de Óscar Tabarez, técnico do Uruguai, após a semifinal da Copa América, certamente tirou proveitosas lições. O Maestro foi de uma sinceridade lancinante, exalando lucidez. Disse que seu trabalho tem cinco anos e que foi implantada uma filosofia nas seleções uruguaias de todas as categorias. Filosofia esta que inclui exigência de estudo formal e também da história do futebol por parte dos garotos.

Tabarez também conseguiu recompor o pensamento do torcedor uruguaio, que acreditava que o país seguia sendo a potência que fora no século passado. Resgatou o orgulho e o compromisso que une a Celeste e sua gente, pavimentou o caminho para a chegada de talentos como Suárez, Cáceres e outros ao time principal e estabeleceu uma linha de trabalho.

O Brasil, que tem uma população quase setenta vezes maior que a do Uruguai, uma economia infiitamente maior e um futebol muito mais rico, não consegue estabelecer uma filosofia de trabalho no que se refere a suas seleções de futebol. Mesmo tendo um exemplo disso em seu prório território, o voleibol.

Enfim, há tempo e talento para uma boa Copa em 2014. Mas é preciso tomar decisões corajosas, cortar laços que pouco acrescentam e ousar. A resposta está com Mano e seus caras. Dia 25 saberemos.

Ah, as viúvas

Pois não é que apareceram viúvas de Dunga após a eliminação brasileira na Copa América? Com o mesmo discurso obtuso do resultado a qualquer custo, das vitórias sem sustentação, que empurram sujeira para baixo do tapete. São os mesmos que xingam a seleção e os jogadores a qualquer tropeço, mas não admitem que alguém faça críticas. Só eles podem. Os mesmos que utilizam absurdos argumentos clubísticos no que se refere à seleção, algo que já está fora de moda desde o século 20.

Para completar, existem aqueles que usam o fantástico gancho do "vocês nunca jogaram bola" para atacar quem não pensa da mesma maneira. Como se eles tivessem jogado em algum lugar, e como se ter jogado bola fosse credencial para fazer alguma coisa depois de ter jogado bola.

Três dos cinco treinadores brasileiros campeões mundiais ou não jogaram bola profissionalmente ou jogaram mal. Feola, Parreira e Felipão. Sabiam e sabem mais de futebol que muito craque profissional e pseudo-craque de pelada. Jogar é uma coisa, entender  o jogoé outra. Isso ouvi de um ex-jogador. Dos bons.

Esses enviuvados são os mesmos que também nunca jogaram bola e insultam Falcão nas redes sociais dizendo que ele jogou muito mas não serve para treinador. Quanta bobagem!


6 comentários:

JairoRF disse...

sendo não comercial e não "global" vc acha mesmo q Kaka seria uma boa? q Ganso eh o cara e q Neymar será melhor q Robinho, Denilson, Juninho Paulista, Alex (palmeiras), Edmundo, Diego, Savio Etc?
promessas sempre existiram, mas o Mano convoca Ganso com 1 jogo de seleção principal, o cara me erra contra a venezuela 21 passes quase 50% dos q deu, logico q isso aconteceria, o cara do nada, de reserva na sub 20, passa a o cara da principal com a 10 de Ronaldinho, Rivaldo, Zico e Pele... e querer algum rendimento estratosférico é fd... renovação não se faz por completo e instantâneo, a seleção só foi precipitada, a 10 ainda era do R10, faltou o cara!!!

Kako Sales disse...

Parabéns pelo post, Nori. Como sempre, lucidez e coerência total.

Matheus disse...

Muito bom Nori. Parabéns!

Anônimo disse...

pois é Noriega, concordo com a tua posição, e explanarei a minha em relação a alguns tópicos citados por vc:
Infelizmente acredito que Lúcio e Júlio César continuarão sendo chamados, eles são os verdadeiros herdeiros de ronaldo e roberto Carlos, que se julgavam donos da seleção. incrível como isso acontece no Brasil atualmente, nem o marrento e craque do Romário tinha vaga cativa!
Sobre o Robinho, acho que ainda dá um caldo, só se aparecer alguém muito fera nesses três anos, convovar Nilmar, rafael Sóbis, Luís Fabiano, todos já mostraram o seu futebol e não vai além daquilo que conhecemos, o Robinho ainda consegue tirar uns coelhos da cartola, principalmente ao lado de Neymar e ganso. Aliás esses dois mais o Pato e o Hernanes deveriam ter uma sequência na seleção para encaixar o jogo deles e o Marcelo tb!
Agora o Daniel Alves deu o azar de jogar na posição do Maicon que na seleção manda melhor que ele. Kaká? Vou torcer prá ele voltar a jogar em bom nível, pois precisamos dele, agora acredito que o Mano deveria testar o Arouca e parar com o Elano, apesar de ser um jogador de grupo, e das bolas paradas, tem que dar espaço a quem poderá jogar 2014, Arouca, Elias até mesmo o Jucilei que tava jogando um bolão qd foi prá rússia.

Anônimo disse...

Sr. Noriega,

Nenhum comentario sobre a entrevista do Ricardo Teixeira na revista Piaui?????

Siga o exemplo do seu colega Milton Leite!!!!

A favor ou contra, manifeste-se!!!
Afinal esse é o motivo do jornalismo existir!!!

Se bem que acho que esse post sequer será publicado!!!!


André Oliveira

Wilson Hebert disse...

Olá, Noriega!

Sou leitor do seu blog há pouco tempo, mas estou comentando nesse momento porque percebi um motivo especial para entrar aqui mais vezes do que o habitual. Achei muito boa e providencial essa mudança de cor de fundo.

Aquele preto com letras brancas me deixava "cego" e por vezes (até por acessar seu no blog na maior parte das vezes do meu trabalho) me impedia de ler seus textos até o final.

Agora ficou bom!

Abraços