terça-feira, dezembro 01, 2009

Para pensar sobre

rivalidade e esporte


Belo texto do Wianey Carlet sobre a rivalidade da dupla Gre-Nal e a ética esportiva.

Pra quem não gosta de link, reproduzo.


Rivalidade ou futebol, o que vale mais?

Autor: Wianey Carlet


Eu entendo que se o Grêmio não perder para o Flamengo, o Olímpico poderá ser depredado, os dirigentes agredidos e os jogadores amaldiçoados. Eu entendo que a rivalidade, modelo gaúcho, só tem um mandamento: o mal do rival acima de tudo. Eu entendo tudo, pois sou gaúcho, nasci neste recanto, convivo com as suas realidades e não posso ignorá-las.

E sei que se os papéis fossem invertidos, os colorados estariam exigindo derrota do Inter para não beneficiar o Grêmio. É assim que seria e tudo isto eu entendo. Porém, não me peçam para aceitar esta realidade como se fosse algo natural, ético e recomendável. Quem sempre detestou e discursou contra esta rivalidade predatória não pode ser obrigado a aplaudir os seus efeitos imorais.

Sim, porque a imoralidade não está nas fórmulas ou no esporte. Ela está inserida na natureza humana. E, no caso presente, é alimentada pelo ódio que nutre a rivalidade Gre-Nal. Ou, a rivalidade é nutrida pelo ódio, não faz diferença.

Eu entendo, mas não aprovo, permitam-me assim pensar. Sempre tratei o futebol com a seriedade que me parecia merecer. Uma disputa que só poderia sobreviver na sua integralidade se observasse algumas regras morais. Mas compreendo quem pensa que a rivalidade é mais importante do que o esporte. Entendo e discordo.

A rivalidade político-partidária, por exemplo, atrasou o desenvolvimento do RS. Culpa do ódio entre as facções. Primeiro os seus interesses menores, depois o Estado. Não aprenderam com os nordestinos que se unem quando o interesse regional se impõe.

Eu compreendo que os caminhos do futebol gaúcho chegaram a um ponto sem volta. Cronistas esportivos de outros estados declaram que a rivalidade é a maior do Brasil, talvez do mundo, e já não temos nem discernimento para perceber que não se trata de elogio. Por todas as razões acima enumeradas, o Grêmio não pode deixar de perder para o Flamengo, eu entendo. Mas não exijam que eu aplauda a fraude. Se houvesse outra prioridade esportiva, eu aceitaria. Mas não há. Existe, apenas, o desejo de prejudicar terceiros. Aprove quem quiser. E não se aleguem interesses financeiros. Se existem diferenças econômicas entre clubes elas nascem da competência de cada um.

Fui comandado, certo tempo, por um diretor inepto que costumava prever a falência do concorrente sempre que era informado sobre alguma iniciativa do rival. E nada fazia. Como sempre, o tempo colocou tudo no seu lugar. O concorrente cresceu e o meu diretor sumiu. O tempo é, mesmo, o senhor da razão.

5 comentários:

Arilo disse...

"Existe só o interesse de prejudicar terceiros". Se o Grêmio joagasse para vencer, existiria só o interesse de ajudar terceiros também e prejudicar segundos (FLA). afinal de contas o GrÊmio briga por algo ainda nessa competição? não? Não gostaria que a tabela fosse essa no final, mas fazer o quÊ? é azar! Futebol é feito por seres humanos e chegar na situação em que nos encontramos para a definição do campeonato é perfeitamente natural. Pode não ser ético, mas é profundamente humano. Quem disse que humano é ético sempre?

Antonio C. disse...

Rapido e rasteiro
Hoje o Tribunal não pune os jogadores do SPFC.
Abs
Antonio C.

Alaor Neto disse...

EU QUERO DEIXAR AQUI UM DESABAFO, por favor Nori, leve em conta meus argumentos em um post, dê publicidade, porque o que estão fazendo é uma canalhice, explico: Sou flamenguista, não dos fanáticos, mas desde criança. E como apreciador de futebol, não só o do Flamengo, mas em geral, fico indignado com a miopia da imprensa quando se fala de futebol. Só São Paulo (O estado) é importante, criou-se uma imagem de que o futebol carioca não é capaz de ser competitivo, visão que ficou agravada com as recentes conquistas do clube São Paulo, de maneira que não se olha dados, mas sim os sentimentos, o que é muito errado. O time do flamengo é atual tricampeão carioca, o segundo campeonato estadual mais forte do país, na minha visão. Nos últimos anos ficou em 3º e 5º respectivamente no campeonato brasileiro, lutando pelo título, inclusive. Nem por isso foi citado no início da competição atual como favorito, sendo que manteve a base das boas campanhas e ainda trouxe reforços de classe mundial. AGORA, novamente o time faz uma boa campanha, COMO TEM FEITO HÁ TRÊS ANOS SEGUIDOS, chega na última rodada em PRIMEIRO, e só se fala em Grêmio entregar jogo, como se a única maneira do Flamengo ganhar o jogo fosse com o Grêmio entregando, como se pra um time da qualidade do Flamengo fosse impossível ganhar do time do Grêmio, mesmo em casa, time este que, lembre-se, ganhou APENAS 1 JOGO FORA DE CASA EM TODO O CAMPEONATO.

Quero alertar a você Nori, e a todos da imprensa esportiva, que a partir da falta de crédito que se insiste em dar a um time carioca, talvez seja feita a maior das INJUSTIÇAS com o time do Flamengo, que repito, formado de profissionais competentes, que vêm desempenhando um papel de ponta no futebol brasileiro nos últimos anos, e ficarão marcados, CASO GANHEM O CAMPEONATO, por terem sido campeões com em um jogo armado, mesmo que não seja, sem levar em conta todo o decorrer do campeonato, todos os 37 jogos que deixaram o Flamengo agora em primeiro lugar. Não se pode deixar que o preconceito e que a preocupação de um SUPOSTO corpo mole por conta do Grêmio (é óbvio que qualquer irregularidade será apurada pelo STJD) rebaixem o MÉRITO de um time de qualidade que tem no futebol o seu trabalho, e que merecem o reconhecimento pelo que fizeram.

Abraços.

Nori disse...

Alaor, claro que publicarei seu desabafo, também com o que penso sobre o tema. Abs

Antonio C. disse...

Como eu disse - o tribunal nao puniu. nao precisa mais.
Se precisasse teria argumentos para punir e todos iriam dizer... lógico, tinha que punir.
abs