terça-feira, dezembro 01, 2009

O desabafo de

um rubro-negro

Publico agora o desabafo enviado ao blog pelo flamenguista Alaor Neto. E acrescento minha opinião antes. Concordo com ele. Não existe futebol brasileiro forte sem futebol carioca forte. Vasco campeão da B e Flamengo provável campeão da A mostram que com organização e trabalho sério, o futebol do Rio é tão forte como o de São Paulo e de qualquer outra praça. O futebol paulista é mais rico porque o estado é mais rico, isso é consequência. E o futebol brasileiro precisa do Rio forte sempre. E, como disse hoje no Arena SporTV, nada pode tirar o mérito de um provável título do Flamengo, que se vier, virá na bola, com total justiça pelo que fez durante o campeonato. Se alguém entregou ou vier a entregar jogo, não é culpa do Flamengo.


EU QUERO DEIXAR AQUI UM DESABAFO. Por favor Nori, leve em conta meus argumentos em um post, dê publicidade, porque o que estão fazendo é uma canalhice.

Explico: sou flamenguista, não dos fanáticos, mas desde criança. E como apreciador de futebol, não só o do Flamengo, mas em geral, fico indignado com a miopia da imprensa quando se fala de futebol. Só São Paulo (O estado) é importante, criou-se uma imagem de que o futebol carioca não é capaz de ser competitivo, visão que ficou agravada com as recentes conquistas do clube São Paulo, de maneira que não se olha dados, mas sim os sentimentos, o que é muito errado.

O time do Flamengo é atual tricampeão carioca, o segundo campeonato estadual mais forte do país, na minha visão. Nos últimos anos ficou em 3º e 5º respectivamente no campeonato brasileiro, lutando pelo título, inclusive. Nem por isso foi citado no início da competição atual como favorito, sendo que manteve a base das boas campanhas e ainda trouxe reforços de classe mundial.

AGORA, novamente o time faz uma boa campanha, COMO TEM FEITO HÁ TRÊS ANOS SEGUIDOS, chega na última rodada em PRIMEIRO, e só se fala em Grêmio entregar jogo, como se a única maneira do Flamengo ganhar o jogo fosse com o Grêmio entregando, como se pra um time da qualidade do Flamengo fosse impossível ganhar do time do Grêmio, mesmo em casa, time este que, lembre-se, ganhou APENAS 1 JOGO FORA DE CASA EM TODO O CAMPEONATO.

Quero alertar a você Nori, e a todos da imprensa esportiva, que a partir da falta de crédito que se insiste em dar a um time carioca, talvez seja feita a maior das INJUSTIÇAS com o time do Flamengo, que repito, formado de profissionais competentes, que vem desempenhando um papel de ponta no futebol brasileiro nos últimos anos, e ficarão marcados, CASO GANHEM O CAMPEONATO, por terem sido campeões com em um jogo armado, mesmo que não seja, sem levar em conta todo o decorrer do campeonato, todos os 37 jogos que deixaram o Flamengo agora em primeiro lugar.

Não se pode deixar que o preconceito e que a preocupação de um SUPOSTO corpo mole por conta do Grêmio (é óbvio que qualquer irregularidade será apurada pelo STJD) rebaixem o MÉRITO de um time de qualidade que tem no futebol o seu trabalho, e que merecem o reconhecimento pelo que fizeram. Abraços.

9 comentários:

Alaor Neto disse...

Noriega,

Muito obrigado pelo espaço e por compartilhar esse sentimento!

Abraços!!!

gustavopap disse...

Noriega, apenas complementando o e-mail, o time do Flamengo desde a estréia do Álvaro e Maldonado na 21a rodada, quando o time reorganizou sua defesa e parou de jogar com um time compostos de juniores, o time somou 37 pontos em 16 partidas. O Cruzeiro que teve a 2a melhor campanha nesse periodo somou 31 pontos e o Fluminense 29 pontos. No Maracanã em 7 rodadas foram 6 vitórias e 1 empate (não foram 7 vitórias devido ao mando de campo invertido do jogo com o Botafogo), o que representa no período um aproveitamento de 77% em 16 rodadas e 90% no Maraca.

Isso também não quer dizer que o time não teve desfalques no período pois ao longo desse tempo, teve jogos sem o Adriano na seleção e contundido, o Kleberson idem, Maldonado, também, Pet contundido, além dos desfalques normais de cartões.

Ou seja, o time tem apresentado uma consistência que nenhum outro time tem nesse final de campeonato.

ps: se vc quiser, me passa um e-mail que te passo um excel ou um pdf com a tabela das 16 ultimas rodadas, incluindo aproveitamento dentro e fora de casa

Domingos Arthur disse...

Boa Noite,

Domingo tudo pode acontecer, e o Flamengo vai ser campeão?,
Seja com time reserva do Gremio, ou não, qual seria a motivação do Gremio em ganhar o jogo?,
se fosse o Goiás, até poderiamos pensar em algo!,
já o Gremio pensa e torce para que Inter não seja campeão...,
e o corinthians já deixando bem claro no jogo contra o Flamengo, que se Palmeiras e São Paulo, não estiverem na próxima Libertadores, melhor;

O Jogos mais decisivos serão Palmeiras x Botafogo e Inter x Sto Andre,
devido buscarem titulo,libertadores e fuga de rebaixamento,

Já o jogo do Flamengo, é a obrigação do Titulo,


Fla, O Gremio não vai para o que der e vier,
então Uma vez Flamengo, Sempre Flamengo;


Abraços

Domingos Arthur - Sp

Anônimo disse...

Nori,

Bobagem sem tamanho dizer que o futebol do estado de São Paulo leva vantagem por que é o Estado mais rico.

Por acaso os patrocinadores são empresas de âmbito estadual? As receitas de TV são por estado?(tirando os "gloriosos campeonatos estaduais, que certamente são os campeonatos de menor receita de TV)

E as receitas de bilheteria? A maior renda nesse ano é do Flamengo. A do Atlético MG está só uns R$ 2 MM a menos. O Vasco na segunda divisão fez bilheterias de R$ 7,5 MM. Os times de SP fizeram R$ 11-12 na série A. Não é significativo no orçamento de um clube de porte.

E os clubes de MG e o RS? São usualmente mais fortes (nos últimos anos) que os cariocas porque? O RJ não seria o segundo estado mais rico?

Pra mim, é falta de gestão. Times com boa gestão nos últimos anos (Inter, SPFC, Grêmio, Cruzeiro) não tem feito feio no campeonato. Não vão sempre ser campeoes, mas estão sempre na parte de semana da tabela.

As vezes surge um time com pior gestão e que monta uma grande equipe(ex.: Flamengo nesse ano), mas isso não se repete nos próximos.

E nos anos seguinte voltam os de melhor gestão pro topo da tabela.

abs

Jesus The Lord disse...

A verdade (minha verdade) é que o Flamengo fez por onde pra chegar na posição em que está, graças a diversas situações, como por exemplo o jogo "entregue" pelo Corinthians, à incompetência dos outros times, à ajuda do STJD...

Agora se estão facilitando pro rubro negro carioca, o Flamengo não tem nada com isso.. na verdade isso é fato corriqueiro ao longo da história brasileira futebolística, não tem nenhuma novidade nisso. Mas nos últimos anos o futebol carioca mostrou-se tão mal gerido e incompetente, que nem uma ajudinha às vezes bastava.

Flamengo sempre foi beneficiado! A maioria esmagadora de juizes, árbitros, cartolas, jogadores, empresários, cachorros, gatos, mamíferos, almas penadas.. todos são flamenguistas. Isso influencia!

O que me incomoda é ver que tem gente que ainda acredita que não existe possibilidade alguma de um time querer entregar um jogo.

Frases como: "Eu prefiro acreditar na idoneidade, no profissionalismo do sujeito.." me deixa de cabelo em pé.

Não é uma regra, claro, pois já houve jogos em que times rivais foram beneficiados pelos próprios rivais (vide Cruzeiro beneficiado com a vitória do Patético contra Porcos, para chegar à Libertadores em 07/08).

Mas pra mim é notório ver que muitos times entregam jogos SIM! Muitos árbitros são mal intencionados SIM, além de péssimos arbitros, claro!

Já está mais que provado que no futebol (não só brasileiro, como MUNDIAL) existem falcatruas, desonestidade, interesses... Tivemos exemplos na Itália, em Copas do Mundo (Brasil x França/98) etc, em rede de apostas...

Eu continuo amando futebol porque está enraizado dentro do âmago. É inexplicável mesmo, por mais ridículo que pareça. Sou doido pela pelota desde que me entendo por gente. É emocionante demais, mesmo sabendo de tantas "fezes" que acontecem sempre e a todo momento (quase sempre ocultas, mas está acontecendo).

Existe mala (branca, preta, azul, amarela...), existe juiz ladrão, existe pipoqueiro, existe mau caráter, existe jogos entregues, existe bairrismo exacerbado por parte da imprensa...)

Somos assim, seres humanos alienáveis e corruptos.. talvez não por natureza, mas sim corrompidos pela sociadade ao longo dos tempos.

Nos resta tentar corrigir e buscar no mínimo um senso ético comum, o que é difícil não só no Brasil, mas no mundo inteiro!

Acho que só nos uniríamos de fato, todos seres humanos, se tivéssemos que organizar uma defensiva contra alienígenas assassinos... tudo em prol de nossa existência...

Porque é brincadeira!! Lidar com o ser humano é um SACO!

Ademais, fora isso, ta na essência do ser humano ser ruim e individualista.. infelizmente!

NINGUÉM FAZ POR ONDE!
A FALSA MODÉSTIA, O FALSO MORALISMO REINA SOLTO...

Ciente disso tudo, vou seguindo minha vida e torcendo pro meu Cruzeiro!

E dá-lhe zêro!

Joao Levada disse...

Sempre há polêmica, e esta é a bengala dos derrotados.

Um grande amigo meu, colorado, disse, se o Grêmio estivesse motivado, perderia o jogo motivado.

Vide a PÍFIA campanha da equipe em jogos fora de casa.

Mais uma vez, o povo mostra memória curta e parece que todo o campeonato se resolve nas 3 últimas rodadas.

Ninguém vai olhar lá pro começo, pro primeiro jogo. Como se aquelas vitórias não valessem os 3 mesmos pontos dos jogos de agora.

Por isso, eu continuo convicto de que o mata-mata não é melhor que os pontos corridos.

Nori disse...

Anônimo, perdão por discordar, mas bobabgem é dizer que 12 mi de bilheteria não é significativo num clube de grande porte, quando o patrocínio anual de camisa é de 15, 16 nos maiores deles.
O tamanho do mercado paulista é muito maior do que os outros, basta ver os orçamentos, isso é fato, não sou eu que invento, e claro que tem reflexo nos investimentos dos clubes e nas cotas de patrocínio. São Paulo, a cidade, tem 11 milhões de habitantes. O Rio tem 5, 6. É o dobro.
O bom é que o futebol não se faz apenas de balancetes e planilhas, se faz de bola jogada em campo.
Abs

Rodrigo Mendes disse...

Desabafo de um Corinthiano.

Caro Nori,

Antes de mais nada, acho que devo me apresentar. Sou um simples cidadão brasileiro, trabalhador, pai de família, com 32 anos, do interior de SP, corinthiano de coração.

Muito tenho lido sobre a ética no esporte, a honra, etc etc, enfim, o fato de entregar ou não uma partida.

Quero deixar meu comentário sobre esse assunto.

Como cidadão brasileiro, não gosto da manipulação dos resultados. Acho uma falta de respeito com os torcedores, que só insistem em continuar acompanhando seu time por uma única razão - ou melhor, a falta de razão, que seria o amor incondicional para com o clube. E num país onde os políticos demonstram que a corrupção está cada vez mais enraizada, seria de se estranhar o futebol, que gera milhões de reais para algumas poucas pessoas, não fosse vítima da famigerada corrupção. Mas, como somos apaixonados pelo time, prefirimos acreditar que isso não existe, ou fingir que não foi nada tão sério.

Agora, como um torcedor que sou (e não sou fanático), tenho de admitir: o fato de, digamos, não ajudar um time rival não me deixa tão injuriado assim. Falando especificamente do São Paulo, nós, os torcedores (pelo menos todos com quem conversei) não acharam ruim o nosso time perder para o Flamengo. Muito pelo contrário. E sabe por que? Porque nessa rivalidade (às vezes doentia) entre os clubes, a arrogância dos colegas torcedores são paulinos seria muito pior de "engulirmos" do que as reclamações de que entregamos o jogo.

Ora, o que nos deixa realmente injuriado, é quando nosso time precisa vencer por qualquer motivo (classificação, título, evitar rebaixamento, ou até mesmo quebrar ou manter tabus), e os jogadores não se empenham simplesmente para derrubar técnico, ou derrubar outro colega de elenco, coisas que também já testemunhamos e não teve tanta repercussão como a desses dias.

O fato de não se empenhar para prejudicar um rival, seria muito mais "justificável", se é que isso é possível, pois garanto que não seria somente para atender a interesses de alguns poucos, mas sim uma grande parcela da população. E ainda mais, e principalmente, em um jogo que não valia absolutamente nada mais para o time, a não ser o fato de diminuir consideravelmente as chances do rival. Rival, aliás, que se tivesse feito seu trabalho direito, não precisaria se preocupar se os outros times fariam ou não seus deveres respectivamente.

Se você desejar, pode incluir esse comentário. Não tenho problemas com isso.

Um grande abraço, e continue com seu ótimo trabalho.
Rodrigo Mendes.

Anônimo disse...

Nori,

Peço desculpas por insistir (e também peço desculpas se pareceu agressivo quando disse que era "bobagem", não foi a intenção).

Talvez tenha colocado mal alguns argumentos.

É claro que estar em um grande mercado é favorável, mas não é razão suficiente para os times do RJ se verem em desvantagem em relação a SP.

Como comentei, os times de MG e RS conseguem orçamentos similares, mesmo estando em estado "menos ricos".

Os números comprovam, como demonstra pesquisa da Casual Auditores independentes. Em 2008 a receita dos 12 principais times foi a seguinte:

1. SPFC 160,5 MM
2. Internacional 142,1 MM (maior exemplo de gestão comercial e financeira, na minha opinião)
3. Palmeiras 138,8 MM
4. Flamengo 117,9 MM
5. Corinthians 117,5 MM
6. Grêmio 99,0 MM
7. Cruzeiro 94,0 MM
8. Fluminense 66,4 MM
9. Santos 65,3 MM
10. Atlético MG 57,6 MM
11. Vasco 52,0 MM
12. Botafogo 51,3 MM

Note que as 12 maiores receitas pertencem a clubes de bons mercados, estados "ricos": MG, SP, RJ, e RS. Sem dúvida estar num bom mercado ajuda.

Mas, apesar do argumento meramente econômico explicar bem que os times de SP tenham receitas maiores que os times do RJ, ele se mostra furado quando vemos os times de MG e RS com receitas maiores que os times do RJ.

Se São Paulo tem o dobro da população do Rio (11 MM contra 5, 6 MM), o Rio tem 4 vezes mais população que Porto Alegre (~1,5 MM).

Na minha opinião, falta muito em gestão aos times do Rio. São Paulo e Minas estão um pouco a frente. Grêmio e Inter (especialmente) conseguem extrair mais receitas de um base menor de torcedores.

É isso,

Grande abraço,

Vinícius (não mais anônimo)