terça-feira, janeiro 27, 2009

A IMPORTÂNCIA DA
VITÓRIA DE BELLUZZO
PARA NOSSO FUTEBOL


Há alguns meses participei do Arena Sportv, que teve como convidados o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, e o Luiz Paulo Rosemberg, vice-presidente de marketing do Corinthians. Ambos falavam de uma união entre os clubes grandes para reformular o futebol brasileiro e, juntos, criarem uma nova era de cooperação e prosperidade. Ambos citaram como colaboração fundamental, se possível, a de Luiz Gonzaga Belluzzo, que era, então, diretor de planejamento do Palmeiras.
Economista respeitado em escala mundial, dirigente que reúne, como os dois citados acima, em doses exatas conhecimento e paixão pelo clube que representa, Belluzzo teve sua eleição festejada até por alguns dos rivais. Por que representa uma mudança de mentalidade em um dos gigantes do futebol brasileiro. E isso é positivo para os outros gigantes. Por que provocará reações no sentido de colaborar onde é possível e de trabalhar para que o adversário não os supere. É a lógica da competição sadia.
Com Belluzzo o Palmeiras estará mais sintonizado com as idéias de Juvêncio, Rosemberg, de Fernando Carvalho, do Inter, da nova gestão do Grêmio. Talvez até com Roberto Dinamite no Vasco e com o Flamengo, apesar de alguns tropeços da gestão de Márcio Braga. Todos esses clubes reunidos em um pensamento comum (exceção feita à competição) têm uma força descomunal. Podem propor e executar ações de marketing e propor alterações políticas de maneira conjunta.
Ninguém tem a certeza de que Belluzzo será um grande presidente. Ele, como qualquer outro, depende de resultados. Mas suas ideias representam um avanço considerável para um clube que até outro dia vivia nas trevas e era administrado como um restaurante pequeno.
É hora, por exemplo, de Palmeiras, São Paulo e Corinthians deixarem de picuinhas idiotas e unirem suas forças no que isso é possível, para melhores condições de calendários e patrocínios, por exemplo. Valorizarem suas marcas. Porque R$ 15 milhões por ano, convenhamos, é uma ninharia para a importância desses clubes, e também dos grandes do Rio, do Sul e de Minas. Ouvir isso de um economista que é reconhecido como um dos mais brilhantes do mundo faz muita diferença em torno de uma mesa de reunião.

50 ANOS DA GLÓRIA DE 1959

Sábado, às 17 horas, o SporTV fará uma homenagem aos heróis da conquista do Mundial de Basquete de 1959. Terei a honra e o prazer de conduzir uma mesa redonda com alguns desses monstros sagrados, como Amaury Passos, Wlamir Marques, Jatyr Schall, Édson Bispo. Nunca vi nenhum deles jogar, mas aprendi a admirá-los ouvindo os relatos de meu querido pai e mestre, Luiz Noriega, que narrou muitas exibições deles e é grande amigo de vários. Será uma jornada emocionante, para lembrar os tempos de glória do nosso basquete. Uma geração que foi vice-campeã mundial em 1954, campeã em 59 e 63 e ainda, já com mudanças, vice em 1971. Geniais.

2 comentários:

guto disse...

Acho o Rosemberg uma farsa, um cara que adora lançar balões de ensaio e inflar números para se passar por gênio do marketing. O Corinthians tá rebolando pra pagar o Ronaldo, não arrrumou patrocinador até agora, não depositou a grana do Escudero... Qual a grande contribuição do Rosemberg ao mundo do futebol? Abraço

Robert Alvarez Fernández disse...

Caro Maurício, vejo com muito bons olhos a vitória do Prof. Belluzzo na eleição da S.E. Palmeiras.

Suas idéias são bastante apropriadas e, no mundo do futebol, até inovadoras.

Ele tem repertório, credibilidade e um grande nome para colocar em prática seu programa de administração; mesmo não sendo palmeirense, torço para seu sucesso pois creio que será um sopro de ar fresco na mentalidade da administração do futebol brasileiro.

Quanto ao comentário do colega Guto sobre o marketing do Corinthians : quanto ao ano passado não concordo muito, o trabalho foi razoavelmente bom, não ideal, mas trouxe boas receitas...agora quanto a este ano com o santo ainda pelado (sem patrocínio)..sou obrigado a concordar.

Abraços,

Robert