terça-feira, abril 24, 2012

 

Porque isso é futebol



Deu Chelsea contra o Barcelona. Foi a vitória do bico pro mato que o jogo é de campeonato sobre o futebol de toques envolventes, de posse de bola e o dobro, às vezes o triplo de finalizações que o advesário.

Foi uma classificação limpa, justa, sem contestações no campo esportivo.

Dessas que ajudam a fazer do futebol o esporte mais popular do planeta, talvez o único que possibilite ao pior vencer o melhor com alguma frequência. Muito mais do que qualquer outra modalidade individual ou coletiva.

Gosto não se discute. Em alguns casos se lamenta. Mas sempre se respeita.

Sigo achando o Barcelona uma dádiva dos deuses do futebol. Um time que, povoado de baixinhos habilidosos, ousou colocar na roda uma penca de adversários cheios de superatletas fortes como touros. Subjugou quase todos os principais times do mundo, sejam eles da Europa ou da América do Sul.

Provou ser possível jogar com a bola, em torno dela e por causa dela. Não apenas se livrando da mesma.

O estilo do Chelsea não me agrada.

Não acho nem que seja um time que marca bem. Sofreu duas dezenas de finalizações em duas partidas seguidas, teve bolas na trave, tomou dois gols em linhas de passe dentro de sua área. Isso não é marcar bem.

Agora, foi um time raçudo, que encarou sua limitação e soube se entrincheira em frente à sua área. E, tirando Terry, que é muito mais um arruaceiro do que um jogador de futebol, jogou na bola. Duro, sem apelar para a violência, dentro das regras e da lei do jogo. Conseguiu uma classificação com méritos.

Mas eu jamais pagaria ingresso ou pararia em frente à TV para ver um jogo do Chelsea (a não ser esse contra o Barça e uma final de liga européia). Como time não me atrai em nada. Como instituição, seu dono me causa repulsa.

Sou um admirador do futebol equilibrado. Dos esportes equilibrados, equipes que saibam atacar e se defender, mas que fundamentalmente, tenham na busca pelo resultado, no que se convencionou chamar de escore. Admiro um belo bloqueio, mas tendo a ficar com a finta que possibilita a um atacante mais baixo enganar uma muralha. Ou ao armador pequenino que infiltra em uma defesa de gigantescos pivôs da NBA.

Mas é gosto. Não compraria um disco de axé, mas tem quem compra e goste. Eu fico com meu bom e velho rock, um pop de boa qualidade.

Se uma rádio me oferece Luan Santana, eu me reservo o direito de colocar um CD do Genesis.

Em resumo, sucesso e vitórias muitas vezes são merecidos, ainda que não primem pela qualidade.

Aos que afirmam admirar uma bela defesa, eu também gosto. Mas prefiro as do Milan com o Arrigo Sacchi e o Fabio Capello. Ou, para ficar no nosso campo histórico nacional, zagas como as do Inter dos anos 70 ou mesmo um trio eficientíssimo de beques como o do São Paulo tricampeão brasileiro, ou qualquer dupla que tivesse um Gamarra ou um Luís Pereira, um Darío Pereyra, um Marinho Peres, um Figueroa. Ou a Academia palmeirense de Oswaldo Brandão, que fazia um a zero e ficava tocando a bola, dava pro Ademir da Guia e se contentava com um, dois gols, porque sabia que lá atrás tava garantido.

São estilos.

Só me reservo o direto de jamais aceitar o argumento de que o que vale é taça no armário, que é preferível vencer jogando mal do que empatar ou perder jogando bem. Sabe por quê? Porque é exceção. A regra é que em 99% das vezes quem joga melhor vence. Os que jogam melhor deixam lições e legados. Os que jogam melhor também perdem, mas ganham muito mais.

Felizmente, no futebol tem o dia do pior ganhando do melhor. Porque essa é uma das muitas graças desse jogo que pode parecer demoníaco, mas no fundo é divino.

12 comentários:

Silvio_Siergo disse...

Huahuahuahuahuahua ! Vou ser xingado aqui, mas foi a zebra do ano ! Pura sorte do Chelsea ! Ganharam na megasena hoje. E olha q nem sou fã do Barcelona...

Anônimo disse...

Nori, "mesma" não é pronome. Releia teu texto, tenho certeza de que você encontrará uma meia dúzia de outras referências para "bola" do que "mesma".

Miguel disse...

Não há nada demais em chamar o Chelsea de zebra do ano. Foi mesmo.

A diferença entre nossas opiniões, Nori, é que eu consigo gostar também do futebol defensivo tal qual o Chelsea apresentou hoje. Ou como a Internazionale do Mourinho mostrou em 2010. É uma questão de opinião, sim, mas acho que existe um exagero e a generalização sobre o assunto. Não dá pra levar muito a sério opinião de twitteiro, por exemplo.

Certo?

passa lá no meu blog

Anônimo disse...

" E, tirando Terry, que é muito mais um arruaceiro do que um jogador de futebol, jogou na bola." Terry é um belo zagueiro, apesar do que fez hj....vamos deixar de nacionalismo e passar a reconhecer talento em jogadores como Cristiano Ronaldo Ibrahimovic e Terry! O Chelsea não é time de chutão só não, Ramires é um belo jogador que se destacou no Cruzeiro e o Lampard foi um baita jogador, embora hoje esteja longe do auge repare no passe dele depois de levar um tranco do zagueiro.....

Nori disse...

Terry para mim é um zagueiro comum. Existem muitos outros melhores e muito menos violentos do que ele. Cristiano Ronaldo é craque, Ibrahimovic é muito bom jogador.

bruno disse...

Não vejo como alguem pode não gostar da forma como o Chelsea jogou , sendo que essa era a unica maneira de conseguir a classificaçao , diante das circunstancias ! Apesar do Barça nesses dois jogos ter chutado no geral quase o triplo do Chelsea, o Barça fez só 2 gols, ja o Chelsea 3 ! Na minha opinião o que aconteceu hoje foi uma aula de como parar o " melhor do mundo " e cia.. Apesar de achar que nessas 2 ultima semanas , o Messi não chegou aos pés do que o Drogba ( um monstro, simplismente genial ) jogou ! Abraço Nori !

mstaben disse...

Exelente texto Noriega.
Se não estou enganado você e o Milton fizeram na última Copa do Mundo, um jogo exatamente como esse de hoje, Suíça x Espanha,a maior zebra da Copa!
O famoso ''Ferrolho'' venceu de novo, mas em 99% perde!

mstaben disse...

Exelente texto Noriega.
Se não estou enganado você e o Milton fizeram na última Copa do Mundo, um jogo exatamente como esse de hoje, Suíça x Espanha,a maior zebra da Copa!
O famoso ''Ferrolho'' venceu de novo, mas em 99% perde!

Nori disse...

Prezado anônimo, é um vício de linguagem meu que preciso corrigir. Para não repetir termos, recorro a isso e acabo errando. Vou me policiar. Abs.

Nori disse...

Bruno, parou só pelo resultado, né? Foi massacrado em dois jogos, tomou sufoco, dois gols de linha de passe dentro da área, bolas na trave, pênalti.
Drogba genial?
Abs

Jose Paulo disse...

Para os que gostam de taça no armário não custa lembrar o título da Grécia na Eurocopa. Ela levou a taça, mas jamais vão olhar pra esse título sem pensar que foi a vitória da mediocridade. Futebol horrível, onde a única filosofia era não deixar jogar. Em compensação times como o Brasil de 82, Holanda de 74, Hungria de 54, são e serão sempre lembrados como esquadrões que não levantaram uma taça, mas deixaram sua marca na história. O time do Barcelona já entrou pra história pelo espetáculo que tem nos presenteado. Quanto ao resultado de ontem, méritos pro Chelsea pela bela conquista, mas que só se tornou épica por ser contra o time a ser batido, o mais temido, dono do melhor futebol da atualidade. Como você muito bem colocou, só o futebol nos propicia situações como estas. Acho que sua análise, como sempre, foi precisa. Parabéns.

Nilo disse...

Nori, esse não é o estilo do Chelsea. Foi o estilo pra parar esse Barcelona. Ora, é semifinal de e Champions League. Vale a pena querer atacar esse time e tomar 5 como o Real (muito melhor que esse Chelsea) tomou? Era a única chance do Chelsea. E basta ver os outros jogos do time pra ver que esse não é o estilo de jogo do Chelsea. Foi o estilo encontrado para parar o Barcelona.