quarta-feira, maio 06, 2015

Mando de jogo vira várzea no Brasileirão


A questão do mando de jogo no Campeonato Brasileiro virou várzea.

Quebrados financeiramente, alguns sem estádio próprio para viabilizar uma renda fixa com programas de sócios-torcedores ou vendas de carnês, alguns times vendem seus mandos de jogo.

Tal qual cambistas, dirigentes oferecem seus jogos para quem oferecer mais. Quase tudo em cima da hora.

O que poderia ser uma saída interessante para casos de perda de mando de jogo transformou-se em estratégia manca de marketing de segunda linha.

Como cobrar equilíbrio técnico em um campeonato que chuta para escanteio a ordem de jogos na sequência de mandante e visitante?

Como exigir igualdade técnica e esportiva se uma equipe enfrenta certo adversário em um estádio e outra equipe faz jogo contra este mesmo adversário em outra arena?

Citemos aqui um caso sem dar nome aos clubes.

Uma equipe do Sul vai enfrentar um adversário do Sudeste num jogo no Rio. Então uma outra equipe do Sul tem que enfrentar o mesmo adversário do Sudeste, mas o jogo é marcado para Manaus, por exemplo? Houve a tão proclamada e exigida justiça? Isonomia, igualdade de condições?

Como o cartola brasileiro sempre se acha mais esperto que a esperteza, podem apostar que já tem dirigente estudando a tabela e fazendo cálculos para saber como pode fazer para que um adversário sofra mais com viagens, deslocamentos e mudanças climáticas.

CBF e clubes maltratam o próprio produto.

Um campeonato que não têm paralelo nas ligas nacionais em termos de equilíbrio e disputa. Mas que segue sendo tratado como torneio de várzea em termos de valorização e organização.

6 comentários:

Carlos Eduardo disse...

Ou seja Prezado Mauricio, os 7x1 que tomamos da Alemanha ainda não fizeram o efeito merecido. Porque se os clubes que são os formadores, que são responsáveis principais pelo produto futebol, o tratam desta forma, o reflexo será na Seleção Brasileira. Claro que a CBF tem a sua parcela de culpa e também, a meu ver, não fez nada após aquele fatídico resultado, para reverter a situação, mas o Futebol como um todo, continua sendo "empurrado com a barriga" por dirigentes mal preparados e aproveitadores. Não é a toa, que a MLS continuará mostrando melhores médias de público e organização que o país do futebol.

ANDRE LUIS disse...

Nori aqui vc fala queo corinthians é um dos favoritos ,mas ontem na transmissao vc nao citou o mesmo,ato falho ou mudou de ideia ?

Mauricio Noriega disse...

André Luis, acho que foi ato falho da sua audição. Escute de novo sem preconceito que vc ouvirá bem. Abs

Cleber disse...

E o que a atitude da Globo e CBF, mandar cobrir o nome da empresa que investiu dinheiro no futebol em troca do nome exposto seja lá quando fosse? Eu sei que você não dirá nada, até por que faz parte da emissora que atrapalha demasiadamente o futebol brasileiro com suas atitudes, mas é de certa forma animador ver a reação das pessoas a esse tipo de mesquinharia. As pessoas estão ficando mais ligadas em certas coisas e a internet tem contribuído e muito para dissipar a voz das pessoas.

Mauricio Noriega disse...

Cléber, você não sabe nada, amigo. Tanto que estou aqui respondendo. Esta emissora a que vc se refere só serve quando paga as cotas que sustentam os clubes falidos e que sempre pedem empréstimos a ela quando precisam? Acorde, amigo. O mundo tem regras. Vc tem certeza que sabe o significado de dissipar? Procure se informar e vá saber quanto seu clube ganha com publicidade estática no gramado e quanto ganha de naming rights. Sobre o ocorrido, leia na internet a explicação da CBF sobre o fato, isolado, e que não se repetiu em outros jogos.
A internet é superficial, não aprofunda, infelizmente. Saudações.

Anônimo disse...

Noriega, o que significa "jogador decisivo" pra voce?