sexta-feira, setembro 13, 2013

Scolari vai moldando a família de novo


Estive com a seleção brasileira em Boston, comentando a convincente vitória por 3 a 1 sobre Portugal.

Algumas coisas ficaram evidentes.

A primeira: Neymar amadurece a passos largos e não pipoca. É o craque, o farol do time. Se estiver bem na Copa, as chances brasileiras são boas.

A segunda: Thiago Silva é o dono da defesa. Seguro, firme, discreto. Não precisa ser espalhafatoso como David Luiz para exercer sua liderança.

A terceira: Felipão é danado. Ele mudou o clima da seleção em pouco tempo e vai criando a nova versão de sua família. Os jogadores pouco reclamam e quando reclamam é de questões que não se referem ao dia-a-dia dentro de campo.

Por exemplo: os jogadores ficaram putos com a viagem para Boston. A Gol é a transportadora oficial da seleção e destaca um de seus Boeing 737 para as viagens do time. São aviões modernos, mas nada confortáveis nem sequer para viagens curtas. Que dirá para uma viagem de mais de dez horas, com uma escala na República Dominicana.

Mesmo com uma fileira de assentos liberada para cada jogador, deitando em três assentos, o conforto passa longe. Estrelas milionárias, os atletas viajam em classe executiva ou em primeira classe, e chegaram arrebentados em Boston. Tanto que o treino de domingo foi facultativo.

Não se trata de frescura, é uma prerrogativa para atletas de alto rendimento nesse tipo de viagem. E a CBF tem dinheiro suficiente para pagar voos e aeronaves mais confortáveis.

Os jogadores fizeram a reclamação chegar aos ouvidos da mídia, mas isso em nada afetou o trabalho. Discretamente, a comissão técnica apoiou, internamente, a reclamação.

Outro aspecto da Família Scolari em versão 2013/14 é o ambiente entre o pessoal de apoio da seleção. Ninguém faz questão de esconder o alívio em relação aos tempos de Dunga. Qualquer conversa redunda numa crítica aberta ao treinador da Copa de 2010, ao ambiente carrancudo e pesado, ao tratamento pouco ou nada polido.

No que tange ao relacionamento com a mídia, Felipão tem seus rompantes, mas faz questão de todos os dias aparecer no saguão dos hotéis para um bate-papo amigável, forma uma roda em torno dele e fala bastante.

Isso se deve aos jornalistas gaúchos que acompanham a seleção pelos veículos de seu estado. Sempre aparece alguém com um chimarrão, um termo gauchesco, e o ambiente desanuvia. Ponto para a cordialidade e para o mate. 

2 comentários:

Daniel Mendes Oliveira disse...

Como é possível dizer que alguém não pipoca diante de uma adversário tão ridículo? Portugal está ameaçado de não ir a a Copa do Mundo e se não fosse por Cristiano Ronaldo perderia por 2-1 o amistoso contra a poderosíssima Irlanda do Norte. Tirando o Moutinho que apesar de bom-mt bom jogador não é sequer um meia top 10, tlvz top 15 da Europa; o Nani que é irregular mas bom de bola; o Fabio Coentrão que é reserva do Real e um lateral instável, mas talentoso e o Pepe zagueiro injustamente tido apenas como carniceiro, o time é uma porcaria. Centroavantes de segunda divisão, lateral direito juninho e goleiro muito fraco. Sem o Cristiano uma equipe desprezível e com ele um time assustado pouco entrosado e covarde que muitas vezes rifa a bola esperando que seu craque decida sozinho.

Jeff disse...

Fala sério, será que não tem lugar para Ronaldinho Gaucho neste time ? Quem tem tanta experiencia como camisa 10 igual o R10 do Galo ?