sexta-feira, junho 22, 2012


A nova Alemanha

Escrevo essas linhas no intervalo de, por enquanto, Alemanha 1 x 0 Grécia. Não gosto de palpites, mas a tendência é de que os teutônicos, como se dizia, vençam com tranquilidade a alcançem mais uma semifinal de grande competição.

Depois do Brasil, é a Alemanha, historicamente, não tem jeito.

Mas há uma grande diferença no padrão atual do futebol alemão. Arrisco-me a dizer que esse time de 2012 é muito mais do estilo da equipe de 1974 do que das equipes recentes da Alemanha. Há técnica, talento, estilo, como nos tempos de Beckenbauer, Overath, Gerd Muller.

Atualmente, é o time que mais me agrada no ambiente de seleções. Forte, entrosado, talentoso.

O único ponto fraco, penso eu, é a defesa. Ou melhor, a dupla de zagueiros. Hummels e Badstuber não parecem ser zagueiros capazes de dar suporte a um time com um lateral-esquerdo como Lahm e uma dupla de volantes como Khedira e Schweinsteiger. Que jogam muita bola mas assumem o risco de de deixar algo desprotegida a defesa.

Fui privilegiada testemunha do processo de mudança do futebol alemão. Vi ao vivo a Euro de 2008, a Copa do Mundo de 2010 e agora estou vendo a euro de 2012. O time de 2008 era competitivo, mas muito mais fraco que o atual. Tinha Ballack como grande nome. Mas Schweinsteiger ainda como meia-atacante, e muito menos talento, já que a geração de Khedira, Muller e Ozil ainda não havia chegado ao time de cima.

Mais experiente e, talvez, como campeã européia, essa seleção da Alemanha desembarcará fortíssima no Brasil em 2014.

2 comentários:

Thiago disse...

Concordo com tudo, menos 1 pontinho, Badstuber também acho um pouco a baixo, já o Hummels, acho um baita zagueiro!!
E a prova que não só dirigente brasileiro faz besteira!!
Era da Base do B. Munchen, e foi dispensado, indo de graça para o B Dortmund!!

Nori disse...

Não acho nenhum deles ruim, mas acho que pro estilo do time, tão aberto, eles acabam sendo sobrecarregados. abs