terça-feira, julho 04, 2006

QUAL SERÁ A NOVA SELEÇÃO?


Felizmente, o tempo se encarregará de cobrir com a poeira do esquecimento a lamentável Seleção Brasileira de 2006. No futuro, um parágrafo de duas linhas bastará para definir o que - não - foi esse time.
Agora, e o futuro? Há muito tempo eu defendo a tese de que o futebol que se joga no Brasil é, na pior da hipóteses, igual ao que se pratica nos mais badalados campeonatos europeus. O problema é que os gurus da superioridade européía se baseiam apenas em Barça x Real e Milan x Juventus pra analisar a bola jogada na Espanha e na Itália. Cada um na sua, mas acho que um bom jogo do Brasileirão ainda é mais programa.
Com base nisso, cabe perguntar? Por que a Seleção Brasileira não pode ter mais jogadores que atuam no Brasil? Emerson e Gilberto Silva são muito melhores que Mineiro? Nilmar, Vágner do Cruzeiro e Rafael Sóbis ficam devendo a Fred e Adriano?
A mescla talvez produza um time mais com os pés no chão do que esse bando de celebridades prepotentes e descompromissadas que desfilou pela Alemanha até ser varrido do mapa por Zidane.
Claro que a Europa continuará sendo o destino da maioria dos bons jogadores brasileiros. De bobos, eles não têm nada. Você também não teria. Quem não quer ganhar 5 vezes mais, treinar menos, viver sem preocupação com PCCs e afins?
Mas o fato é que a Seleção que vimos nesta Copa foi brasileira apenas no uniforme que vestiu. Faltaram conexões com seu país, sua gente, sua cultura e, principalmente, sua história como time de futebol.
Que a renovação comece agora. Mas seja tocada com inteligência e bases sólidas. Para que em 2010, se o Brasil tiver que perder, que seja como Brasil, não disfarçado de emigrante novo-rico.

6 comentários:

Anônimo disse...

Oi Noriega. Além da mediocridade da seleção, outra coisa q me desagradou foi o oportunismo da imprensa. Boa parte dela foi responsável por cirar o favoritismo da seleção e menosprezar os adversarios, entre eles, a própria frança (time de velhos, segundo alguns). Esses caras deveriam fazer um mea culpa tambem.

Gustavo Castro disse...

Concordo em número, gênero e grau.Faltou a eles vestirem a amarelinha.Tinhamos também o segundo time mais velho da copa, só perdendo para a França.Vamos fazer uma seleção brasileira com 20 jogadores que jogam aqui e apenas 3 que jogam na Europa.

Um abraço

Carlos Cereto disse...

È necessário uma seleção com um mínimo de comprometimento. Tudo tem que ser revisto e concordo que o ideal para o momento seria um time só de brasileiros do Brasil com o perdão necessário da redundância. Os caras que jogam lá fora não sabem o que é mensalão , pcc, sangessuga, entre outras mazelas que vivemos. Falam a mior parte do tempo em outro idioma que não o Portugûes. O que têm de brasileioros. Eles não têm culpa de jogarem fora e talvez não seja o caso de colocar todo mundo no mesmo saco mas o comprometimento é fundamental em qualquer profissão e no caso da seleção a vontade de vestir a "amarelinha " e representar verdadeiramente o Brasil é de suma importância.

Yves Alexeiv disse...

Devo concordar com tudo que está escrito. Mas completo dizendo que não tenho muitas expectativas com relação à uma mudança radical.
Duvido que a CBF ponha um técnico com idéias novas, que se imponha perante as questões comerciais da seleção (um Muricy, ou mesmo Luxemburgo, apesar dele já ter tido uma chance e nada ter feito de bom). Provavelmente entrará algum amigo de Ricardo Teixeira... para voltarmos ao status quo.
Vejam... lá vem descendo a ladeira. Será Antônio Lopes, ou Abel Braga... não... parece muito com o Tite.

Edu Cesar disse...

É uma opinião boa a sua, Noriega, mas não está errado, infelizmente, quem diz que uma seleção só com "brasileiros do Brasil" ficaria inviável, já que qualquer jogador convocado para qualquer amistoseco já é vendido para o primeiro clube estrangeiro que faz oferta. Acho difícil termos uma grande renovação na Seleção, mas a mídia pode fazer um importante papel neste caso, se cobrá-la insistentemente e apontar erros desta Copa que sejam continuados. Abraço!

Henrique Biriba disse...

Meu caro Noriéga, antes de mais nada temos que pensar no comandante, e gostaria de me utilizar do seu blog para protestar contra a EMPAFIA e a PREPOTÊNCIA, Luxemburgo bem longe da seleção. Este é o lema.
Acho que o perfil perfeiro para este momento é o de Paulo Autuori.